Reacção do PCP à Petição Pelo Eléctrico

| Partilhar
O PCP tornou pública uma declaração a propósito da Petição Pelo Eléctrico. Aparte as palavras de circunstância que salientam as «boas intenções e legítimas preocupações» da petição, o PCP optou por criticar a proposta afirmando que «carece de envergadura e ambições para resolver os problemas». Apesar de entender que a petição pelo Eléctrico «não acrescenta verdadeiras mais valias para a solução do problema», o PCP diz que a solução deve «assentar o mais possível em energias limpas (a electricidade por exemplo)». Pois não consta que o Eléctrico seja movido a petróleo ou a lenha!

A declaração dos comunistas demonstra um completo desconhecimento da discussão que vimos promovendo em torno do regresso do transporte urbano sobre carris à cidade de Braga. Temos repetido inúmeras vezes que o sistema que propomos deve incluir um eléctrico moderno e não a reposição do sistema «pitoresco» dos anos 60. Temos repetido inúmeras vezes que o regresso do eléctrico a Braga deve estar integrado numa rede que inclua ligações entre as cidades do quadrilátero Braga, Guimarães, Famalicão e Barcelos. Temos repetido inúmeras vezes que não é nossa intenção apresentar soluções técnicas, mas tão somente promover a discussão em torno de um problema que diarimente afecta milhares de bracarenses.

Criticando a nossa proposta, o PCP não acrescenta uma única ideia ao que há muito vimos discutindo não só neste blog, mas também no Mesa da Ciência, Mater Matuta ou Bracarae Avgvste. Assim se vê que o PCP não gosta mesmo nada da Democracia Participativa...

29 comentários:

  1. Com esses gajos é fácil resolver as coisas: Deixa-os ficar com os louros da proposta e verás que tudo é óptimo.

    ResponderEliminar
  2. Abraço este projecto sobre o desenvolvimento de uma rede de transportes, numa primeira fase bracarense, e depois minhota, com todas as forças porque acredito em todas as suas potencialidades. Aliás, é um projecto que peca por tardio.

    ResponderEliminar
  3. Cuidado com o PCP, não dar importãncia é o melhor.

    ResponderEliminar
  4. eu vi o comunicado do PCP e também não queria acreditar... Eles criticam e propõem o mesmo...... De rir.

    Eles não gostam nada da Democracia Participativa. É o que é!

    ResponderEliminar
  5. PCP? O que é o PCP? Engraçada a coincidência da sigla com o extinto partido comunista português...mas a maioria de vocês já nem se deve lembrar pois esse partido já despareceu há muitos anos...

    ResponderEliminar
  6. "Os sábios falam porque têm algo a dizer, os tolos falam porque têm que dizer algo." (Platão)
    Os estratagema do PCP é repetir o que os outros dizem, mas na forma negativa.

    ResponderEliminar
  7. Parece ser já habitual o PCP criticar sem contudo aportar alternativas. (E este não é um problema só deste partido!)

    ResponderEliminar
  8. Mas sinceramente....alguém dá ouvidos a esses gajos?
    Eu sei que não é um critério bom, mas se olharmos para o aspecto de um jovem do PCP o que é que se fica a pensar? Não se deve julgar as pessoas pela aparência, pelo menos não todas...
    Esses gajos só sabem criticar porque não sabem fazer, eles não fazem nada, mas isto é rigorosamente um facto comprovável.
    Não chegam a lugares de poder, quando chegam, empatam projectos ou então dão mais prioridade a intenções do que fazer realmente algo, não se percebe, é que não se percebe mesmo.
    Mas acho que eles precisam mesmo de existir senão a política até era chatinha!!!

    Abraço

    ResponderEliminar
  9. Foi somente uma das muitas opiniões que nos fazem ver que tipo de PCP temos por cá pelo burgo.
    Chamem-lhe eléctrico, chamem-lhe tram, metro ou metro de superfície. O que queremos é transportes decentes não só dentro da cidade como também entre as cidades da região. Acho que estamo todos de acordo.

    ResponderEliminar
  10. A certa altura o autor da petição pelo regresso do eléctrico apelou à participação dos partidos políticos nesta discussão. Pelos vistos, até ao momento, apenas o PCP respondeu ao seu apelo. Realço que o fez no mais importante espaço de discussão e decisão sobre as políticas do município (Assembleia Municipal de Braga). Acrescento que, mesmo depois da iniciativa do PCP, mais nenhum partido com assento na Assembleia se pronunciou sobre a matéria.
    Na declaração política do PCP era facilmente visível a demonstração de interesse e agrado pela vossa proposta. Em nada o PCP criticou a vossa iniciativa. Antes quis acrescentar ideias, já que o texto base da petição, único documento endereçado ao PCP, se limitava a falar da mobilidade interna da cidade. O PCP enalteceu a iniciativa e a única coisa que fez foi acrescentar-lhe pontos de interesse (na minha opinião). Diz o PCP na sua declaração: «assim como é igualmente a altura de levar a peito a ideia do transporte eléctrico: um sistema de metro de superfície concebido não apenas no quadro do município de Braga mas num espaço regional mais largo e complementar do “quadrilátero urbano” Braga – Guimarães - Famalicão - Barcelos». O PCP quis enriquecer o debate e levar a discussão a quem pode decidir sobre a matéria. É assim tão complicado aceitar que o PCP deu força à vossa iniciativa?
    Pedro, muito honestamente, quem demonstra um total desconhecimento sobre a discussão em torno do regresso do transporte urbano sobre carris à cidade de Braga és tu. Quem parece querer os louros da proposta, mais uma vez, és tu. O PCP não o fez e se quisesse até podia fazê-lo. Há mais de 10 anos que o PCP inclui no seu programa eleitoral essa proposta. Aliás é o único partido que a quer discutir com seriedade, e quer fazê-lo com os contributos de todos, como se viu na última sessão da A.M. de Braga. Como não transcreveste a declaração política completa, deixo aqui mais um excerto: «Sr. Presidente da Câmara de Braga: se a simpatia que manifestou pela proposta individual do munícipe é sincera e se quer de facto dar uma resposta séria aos problemas da mobilidade em Braga, e se quer, como diz, fortalecer a participação dos cidadãos na discussão das soluções para a cidade e o município, avance com a ideia, convoque um fórum, um debate, ouça todos os que queiram dar o seu contributo nesta matéria. Braga precisa, merece e agradeceria.» Não me parece que assim se veja que o PCP não gosta mesmo nada da Democracia Participativa... O que me parece falta de espirito Democrático é recorrer à crítica gratuita e insistir numa cegueira anti-comunista tão grande, não conseguindo sequer ver que os comunistas apoiam a iniciativa e estão inteiramente disponíveis para a fazer chegar a bom porto.

    ResponderEliminar
  11. Caro Carlos,

    1. O PCP foi o primeiro partido a reagir. É um facto. Também foi a primeira voz pública a afirmar ipsis verbis que a proposta "não apresenta mais valias para a solução do problema".

    2. Longe de mim querer ficar com louros. Ao contrário do PCP e dos restantes partidos políticos, não tenho nada a ganhar ou a perder politicamente com isto (nem quero). Não pretendo mais que uma discussão séria sobre um problema que atinge os bracarenses. A petição não é minha, é dos mais de 700 proponentes que abraçaram a ideia.

    3. Os líderes do PCP sabem o que é o tram? Sabem qual é a diferença do tram (que é a tradução inglesa para "eléctrico") para o Metro de Superfície? Leram porventura o que os promotores da iniciativa têm dito à comunicação social e escrito? Se sabem, porque é que acusam a nossa proposta de falta de «envergadura e ambições» para defenderem exactamente o mesmo?

    4. Se o PCP o defende há muitos anos e se apoia a nossa proposta, óptimo. É pena que não o tenham expresso de forma mais inequívoca.


    Caro Carlos,
    Agradeço que me informes, para que possa dar conta no blog, de todas as iniciativas que o PCP levar a cabo no sentido de ver incluída no Orçamento de 2008 uma verba para a realização de um estudo independente de viabilidade e das várias opções para o projecto.

    Abraço,
    Pedro Morgado.

    ResponderEliminar
  12. Eu assinei esta petição porque tudo o que sejam propostas de melhoria e aumento da oferta de transportes colectivos tem à partida o meu apoio.

    Mas já agora aproveito para dizer que a revolução de mobilidade que seria mais facilmente (e de forma mais económica) posta em prática em Braga seria a revolução da bicicleta. O centro de Braga tem um relevo suave, pelo que seria fácil estimular o uso da bicicleta em vários percursos.

    Parece-me especialmente útil e apropriado a lançar o transporte, um corredor entre a UM e a estação ferroviária. Ainda mais agora que a CP vai permitir o transporte gratuito de uma bicicleta por passageiro.

    De resto nada disto é novo, há ene cidades europeias da dimensão de Braga que promoveram com sucesso o uso da bicicleta, atingindo em poucos anos valores de 20 a 30% das deslocações citadinas. Refiro-me a cidades com relevo e climas muito mais agrestes que os de Braga, antes que alguém se lembre da contra-argumentação do costume...

    ResponderEliminar
  13. Caríssimos...

    É com redobrado deleite que leio o post e os seus comentários. Aproveito desde já para esclarecer duas coisas: não sou um estudioso do problema dos transportes e não sou isento. Não conheço o teor da declaração da CDU e só conheço a discussão em torno do eléctrico, tram ou quejandos através de relances pouco atentos aos posts deste blog.
    No entanto, devo confessar que o tom exaltado que o pedro manifesta neste post só se pode justificar de duas formas: ou se deve a uma interpretação enviesada do tom e propósito da intervenção na Assembleia Municipal ou a uma obstinada e artificialmente refreada inclinação política cuja imparcialidade e isenção funcionam como dois apetrechos a-ideológicos descartáveis combinada com um ego desmedido. Parece evidente que o PCP aplaude a iniciativa, pretende somente apontar os seus limites.
    Mas o que mais incomoda em todo este post é a sanha com que alguns se lançam no ataque aos comunistas e que é desde logo fomentada pelo rebate do autor do blog. O PSD ou o PS disseram alguma coisa? Parece que não mas como o PCP não entoou loas à petição e , cruel heresia, não se limitou ao seu alcance passa a ser um Partido que não entende a Democracia Particpativa (?????).
    Admito que o Pedro admire e estime a sua iniciativa mas daí a atacar as concepções democráticas do PCP. Só se pode entender este silogismo agil se assumirmos que o estimado autor entende que o Eléctrico em Braga constitui um novo pilar democrático. Esta discussão podia levar-nos bastante longe, inclusivamente arrastar-nos para a questão de qual o entendimento do autor acerca da democracia participativa? Escrever petições? É uma forma, mas não a única. As outras são provavelmente arquivadas na prateleira da "histeria da extrema-esquerda". Se olharmos atentamente para a nossa CRP percebemos que as Comissões de Moradores e as CT's são dois exemplos de instrumentos de democracia participativa. Obviamente não têm todo o glamour da sociedade civil e dos seus bloggers bem pensantes. Mas é melhor não discutir a democracia participativa... se enveredarmos por esse caminho a discussão nunca mais acaba. Só queria com isto manifestar o meu desconforto com a tão propalada equidistância ideológica, a meu ver, bastante molestada com este ultimo post.
    Aproveito para informar que a decisão de escrever este comentário foi germinando nos últimos tempos quando se escreveu acerca da Festa do Avante com o título " Festa de criminosos" e se utilizou este expediente para obrar toda uma série de patetices e devaneios de alguém que parece ceder à tentação da banalidade e ao mesmo tempo proclamar-se consciencia civica não sei bem de quê. Soa um bocadinho a falso. Dá-se uma picadela no PSD, outra no PS mas quando se trata do PCP toca a destilar a linguagem mais viperina. Pedia-se mais de uma das ( se não a mais) mais visionárias luminárias do burgo. Até porque me senti bastante ofendido com o dito post...


    Atenciosamente

    P.S.
    Não basta proclamarmo-nos democráticos e amantes da liberdade. Por muito que custe ao autor deste post o PCP é um partido que lhe deve merecer respeito especialmente se falarmos de liberdade e democracia. Custa-me ver alguém sucumbir à febre idiota de desatar a insultar o PCP sem ter em atenção à sua história e o seu programa. E não vamos falar das relações internacionais dos partidos portugueses. Nesse caso basta pensar que tanto o PSD como o PS são a favor da adesão da TUrquia à UE e por essas bandas ouvi dizer que os curdos não são muito bem tratados. É um truque ardiloso mas nada robusto...

    ResponderEliminar
  14. Ah, quanto aos restantes comentários acerca do PCP e que abarcam inclusivamente as concepções estéticas dos seus militante admito que não tenho argumentos nem capacidade para os rebater, tal a sua solidez. Mas tenho a certeza de que os autores de tais pérolas serão o garante vindouro do progresso da cidade de Braga e, certamente, da sua higiene intelectual. Além disso apraz me bastante saber que a minha indumentaria reduz consideravelmente a probabilidade de travar conhecimento com o lds... não sei se aguentaria tamanha argucia...

    ResponderEliminar
  15. Caro Pedro Monteiro,

    1. Fico mais tranquilo quando assumes que o teor viperino do teu comentário germinou quando escrevi a propósito da Festa do Avante.

    2. A petição jamais será por nós instrumentalizada. Em 30 de Setembro, será entregue aos seus destinatários que, como sempre dissemos, têm a última palavra.

    3. O que se escreve neste blog apenas me compromete a mim e jamais vincula os assinantes da referida petição, cuja equidistância política e ideológica é de assinalar.

    ResponderEliminar
  16. amigos comunistas,

    Ora expliquem-me lá como é que apoiam uma petição que, segundo vocês próprios, «não acrescenta verdadeiras mais valias para a solução do problema»???

    ResponderEliminar
  17. Caro Pedro Morgado

    1- O teor do meu comentário ( que tenho alguma dificuldade de classificar como viperino) é resultado de juízos que me parecem muito pouco isentos e impregnados de preconceitos ( que foram secundados por afirmações a roçar a boçalidade mas que não são responsabildiade tua). No caso do Eléctrico penso que foi essencialmente injusto e a questão da democracia participativa continua a constituir um mistério para mim mas admito que seja pouco lesto nestas coisas de pensar e assim. No caso da Festa do Avante, a tua aversão ao PCP manifestou-se de forma evidente e gratuita.Tens todo o direito de o fazer e eu tenho todo o direito de questionar a imparcialidade e isenção. Até porque não acredito nesses dois conceitos em matéria de refrega política e é disso que estamos a falar.
    2- Não questionei nunca a justeza da petição e ainda menos julguei ou cataloguei as orientações políticas e ideológicas dos subscritores.

    3- COntinuo sem perceber o porque da indignação com o PCP quando me parece evidente que não existiu qualquer tipo de tentativa de usurpação de protagonismo. Penso que seria de louvar quando as forças políticas da cidade dão ouvidos às forças vivas da mesma.

    Atenciosamente

    ResponderEliminar
  18. Meus caros democratas (?),

    Talvez achem uma chatice mas uma democracia possui regras, códigos, instituições. Podem não concordar, a democracia permite, mas elas existem como garantia. Se funcionam bem? Nem sempre. Há até quem pense que funcionam raramente. Só façam uma opção, ou estão com a democracia, ou procuram novas soluções.

    Se estão com a democracia, e não concordam com o seu funcionamento, procurem a sua melhoria. A verdade é que a maioria das críticas aos políticos é de gente que não cumpre com os aspectos formais da democracia. Se são pessoas cansadas, ou simplesmente preguiçosas, não sei. Mas será que vamos ter alguém na próxima Assembleia Municipal (AM) a falar sobre este tema? É que as AM também são abertas ao público. É que se concordo que os partidos políticos deveriam ser mais abertos às causas e movimentos de cidadãos, também é verdade que há muita gente que apenas gosta de falar.

    A posição do PCP é perfeitamente legítima. As suas posições não têm que subscrever o debate mas sim a ideia. As suas posições devem ser primeiro coerentes com as suas propostas para a Braga. As propostas das suas candidaturas à CMBraga. E a um partido político exige-se propostas que concretizem ideias. E quanto melhor souberem concretizar as melhores ideias, mesmo que sejam de outros, melhores são.

    Este blog soube actualizar uma ideia antiga. Este blog soube dar espaço e notoriedade a uma ideia de muitos. Este blog necessita de saber o que fazer com esse facto. Querer assumir uma paternidade que não é sua não é a melhor solução.

    O eléctrico pode fazer parte da solução da mobilidade em Braga. Só que a questão não é o seu regresso mas sim a resolução do problema dos transportes e mobilidade a nível local e regional. Este debate foi uma importante ajuda, não queiram com coisas laterais envenenar a questão.

    Nos relatos da próxima AM espero encontrar a notícia da intervenção de todos que criticaram os partidos. Em nome da coerência espero essa notícia.

    Se não estão com a democracia aprendam a fazer bombas. E comecem por derrubar qualquer coisa.

    ResponderEliminar
  19. Caro anónimo comunista (?),

    A democracia faz-se pela livre discussão de ideias. Eu reconheço ao PCP o direito de dizer que a proposta «não acrescenta verdadeiras mais valias para a solução do problema» mas não prescindo do meu direito a discordar e a promover o debate nos fóruns e nos timings que entender.

    ResponderEliminar
  20. Aparentemente os partidos políticos também. Nega aos outros o que pretende para si?

    ResponderEliminar
  21. De modo algum. Como cidadão, apenas peço aos partidos políticos a intervenção em determinada matéria.

    ResponderEliminar
  22. o pcp é um clube de inuteis. gente frustrada que tem raiva e inveja dos que conseguiram vencer na vida...
    "sou feio, não tenho dinheiro nem capacidades então vou-me juntar ao pcp"...enfim....

    ResponderEliminar
  23. Caro anónimo,

    não me diga que tentou aderir ao PCP e a sua adesão foi recusada por não cumprir os requisitos. Já reparei que capacidade não lhe falta... Suponho que a sua vida seja uma "história plena de sucesso"...

    P.S. Prémio para quem completar a citação...

    ResponderEliminar
  24. Caro Pedro Monteiro
    Antes de mais deixe-me perguntar-lhe se nunca o aspecto de alguém o levou a questionar a sua capacidade intelectual ou até profissional???
    Mas se nunca fez tal coisa, por favor atire a 1ª pedra.
    Permita-me que lhe diga que um partido que se deixa representar e/ou apresentar ao público através de pessoas que acham que andar com "rastas" no cabelo, fumar "charros" e beber até cair para o lado é fixe, já por aí não me parece que mereça muita credibilidade. Mas se acha que estou a ser parcial, ou simples mente insultuoso, se calhar devia dar uma olhada a certas "personagens" na festa do Avante, ou então algumas que andam pela Rua D. Pedro V à noite.
    E já agora diga-me uma coisa: acha mesmo que dizer que uma proposta (seja ela de quem for), não chega para resolver os problemas, é apoiá-la???
    A mim parece-me que não, e à maior parte das pessoas neste blog também.
    Mas se calhar é alucinação colectiva...

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  25. Caro LDS

    Mea culpa, mea culpa, minha máxima desculpa é não conseguir avaliar a capacidade de uma pessoa pela sua forma de vestir. Também não sou capaz de agregar todo um conjunto de pessoas que têm apenas um ponto em comum e uniformizá-las de forma a satisfazer um estereótipo de forma a economizar o pensamento e acalmar eventuais dúvidas: seja a militância, a cor da pele, a cor dos olhos ou a inclinação gastronómica.
    Acho que a discussão está a chegar a um ponto tão mesquinho que termino por aqui a minha participação. Nem sequer vou perder tempo a comentar a afirmação sobre rastas e charros que, como é evidente, é grotesca. Para infortúnio seu, só posso afirmar que os militantes do PCP não são todos iguais e, quem diria, não são uma cambada de seres acéfalos ,consumidores compulsivos de estupefacientes com uma mania obstinada de não lavar o cabelo. Também não são uma cafila de frustrados como o caro anónimo sugeria. Arriscar-me-ia a dizer que esse tipo de afirmações constituem um fiel espelho da obtusidade de quem as profere.
    Sinceramente, e espero que não leve a mal, não vou perder tempo a discutir com quem, eivado de um preconceito confrangedor, tenta encontrar escapatórias para uma fúria mal digerida.
    Quanto à questão da proposta, parece-me perfeitamente plausível dizer que se apoia uma proposta mas ao mesmo tempo dizer que é insuficiente. Isto, claro está, se não se utilizar um padrão maniqueista na interpretação do mundo e da vida... mas já percebi que o sistema binário é a base de uma existência tranquila. Não quero fazer desfeitas a niguém, muito menos abalar os seus dogmas e axiomas...

    Atenciosamente

    ResponderEliminar
  26. O PCP é um partido que tem gente honesta e competente, mas não deixa de ser um partido muito "sui géneris".

    ResponderEliminar
  27. Caro Pedro Monteiro
    Parece-me que não percebeu muito bem o que eu disse.
    Mas um dizer popular pode esclarecê-lo melhor: "A mulher de César, não basta ser, tem de parecer." Percebeu??
    Não ajuda à causa comunista ter pessoas que se juntam a um partido por causa de meia-dúzia de preconceitos, e se querem ser levados a sérios, pareçam-no.
    Quando o seu partido apresentar propostas concretas e fizer o que é necessário para que essas se realizem, talvez possa dizer que realmente contribuem, agora fazer oposição por desporto isso é que não. Mas antes convém arranjar um lugar de poder, para conseguirem fazer alguma coisa.

    P.S. - Gostei do discurso "à político", dizer em 500 palavras aquilo que se diz em 50 dá sempre um ar inteligente e de que se percebe das coisas.
    Ou então não ...

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores