A Moderação Pertinente

| Partilhar
Em Fevereiro de 2007, os portugueses votaram maioritariamente a despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG) até às 10 semanas de gestação. O resultado do referendo, apesar de não ser vinculativo, levou a que a Assembleia da República tivesse legitimidade política para alterar a lei, desepenalizando a IVG.

A ideia de isentar a IVG de taxas moderadoras é uma opção política deste governo que nada tem a ver com o que os portugueses expressaram, através do voto, no último referendo. Mas essa isenção é, sobretudo, um tremendo erro político que tem que ser rapidamente corrigido. É que haverá poucas situações em que moderação é mais pertinente que no caso da IVG.

5 comentários:

  1. É verdade, mas não é esse o problema. O problema é chamarem-se taxas moderadoras... se se chamassem taxas de outra coisa qualquer já não soaria estúpido (tal como soa quando se fala de internamentos)

    ResponderEliminar
  2. Com Certeza. Não vão as mulheres, imoderadamente, desatarem a abortar a torto e a direito. Não é pertinente meu caro, é uma questão de ser taxada como qualquer outra intervenção médica...

    ResponderEliminar
  3. Ó Pimenta vai aprender antes de falares... A taxa moderadora nao serve para pagar as intervençoes mas para moderar o acesso aos serviços de saude!!! Percebes ou queres que te faça um desenho?

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores