A Professora de Espinho

| Partilhar
Escola de Artes Visuais
© Halley Pacheco

Ainda antes de concluído o inquérito à professora de Espinho, os juízos multiplicam-se e os pedidos de demissão ou castigo avolumam-se sem qualquer proporcionalidade, ao mesmo tempo que um conjunto de artistas tenta associar o episódio às políticas educativas do Governo, à proposta de introdução da Educação Sexual nos currículos e também à imperiosidade da avaliação dos professores (1, 2, 3 e centenas de comentários espalhados pela internet e fóruns de opinião).

Tudo isto demonstra exemplarmente a mediania do debate político nacional e a falta de honestidade intelectual com que alguns participam na vida pública. Sendo certo que o teor da conversa é impróprio para uma sala de aulas, as reais circunstâncias em que sucede e o estado de saúde dos seus intervenientes ainda estão por apurar e, como tal, a posição do Ministério da Educação tem sido irrepreensível. É que, o caso da professora de Espinho é verdadeiramente excepcional e não vem demonstrar nada para além do que já sabíamos. Haja decência.

12 comentários:

  1. Isso isso.
    Defenda-se a modernidade acima de tudo.
    Aceite-se que os alunos sejam humilhados por uma pessoa que tem graves problemas mentais.
    Só pode!
    Vale tudo.
    Andar de mini saia, todas pintadas, falar de bacanais e da vida privada dos alunos, vale tudo.

    ResponderEliminar
  2. "Sugerimos que se identifique com o seu verdadeiro nome e que seja respeitoso e cordial, argumentando com seriedade."

    Exmo Senhor Pedro Morgado

    Tinha intenção de lhe escrever um elogio, com uma pequena chamada de atenção, de não apelidar de "artistas" àqueles que porventura discordem de si ou das suas opiniões.
    Mas, depois de ler este aviso do blog, que acima transcrevo, ocorreu-me, que o senhor Pedro Morgado já deveria saber bem o que estava a fazer e pretendeu ofender. Não é assim, com ofensas que se eleva a qualidade do debate.
    Digo-lhe isto com toda a seriedade e sem qualquer tipo de ironia ou trocadilhos.

    atentamente

    ResponderEliminar
  3. No fundo, a aluna é que vai ser punida, na medida em que procedeu a uma gravação ilegal e utilizou recursos tecnológicos para tal, que estão proibidos nas salas de aula.
    Como a prova foi obtida de forma ilegal, não pode ser utilizada em tribunal, pelo que a professora vai acabar por ser absolvida e a aluna castigada...
    Este é o país do Sócrates

    ResponderEliminar
  4. O que me pareceu é que a professora
    se passou completamente!
    Acho que era importante saber porquê!
    Se calhar a sra esta´farta de aturar
    a irrepreensivel educação das cab opps,das inocentes crianças!

    ResponderEliminar
  5. "não vem demonstrar nada para além do que já sabíamos" - verdade. Já sabemos que um professor pode estar mentalmente doente por muitos, muitos e longos meses, com conhecimento dos seus pares e/ou superiores que a única coisa que acontece é isto: deixam-no completamente sozinho, dão-lhe as turmas mais díficeis (aí os pais queixam-se menos) e esperam que a coisa rebente e o prof vá para casa, esgotado, derrotado ou castigado. "Haja decência" - a ministra tem estado bem. Estará disposta a repreender publicamente o seu recém eleito director (ex Conselho Executivo)?

    ResponderEliminar
  6. Quem não errou que atire a primeira pedra,no entanto é preciso verificar qual estado mental da professora.Há coisas que a razão desconhece e, não matou ninguém.

    ResponderEliminar
  7. acho que tudo isto nao passa de uma fantochada,nao é assim que se tratam os assuntos serios,ou andava alguem a precisar das luzes da ribalta e de sair do anonimato.esta prof. ,que eu conheço, tambem tem filhos e tem uma boa relaçao com os alunos tanto quanto sei.quem é que nunca teve um dia dificil?

    ResponderEliminar
  8. A culpa é destes professores, ganham muito e não fazem nada! Este país está mal por causa deles. Malandros! Coitados dos pais, ainda têm de educar os filhos...

    ResponderEliminar
  9. A Prof tem de ser castigada. A aluna só fez bem aliás a mãe dela...
    Quando os responsáveis não actuam tem de se fazer a justiça na praça pública. Essa senhora deve ser uma grande va.a para não dizer outra coisa.
    Os prof deiviam ter contratos de sei meses no máximo a ver se andavm na linha.
    Não é assim que se discute a sexualidade e com termos e posturas próprias. O pior se pode fazer e humilhar alunos com base nisso.

    ResponderEliminar
  10. Proponho que oiçam a versão completa da gravação, não recortada http://dn.sapo.pt/galerias/audios/?content_id=1238723&seccao=Portugal

    ResponderEliminar
  11. Oiçam a gravação completa, sem os recortes das meninas em
    http://dn.sapo.pt/galerias/audios/?content_id=1238723&seccao=Portugal

    Parece que os morangos com açucar ensinam muito, não?

    ResponderEliminar
  12. Andar de mini-saia , o que é que isso tem que ver com o caso , sua avécula ( 1º comentário )
    AH , Portugal retrogrado !
    RB

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores