Avenida MarginalA democracia do gosto

| Partilhar
Texto de Pedro Romano [colocado por mim devido a dificuldades técnicas]
O Partido Socialista quer proibir os piercings na língua. À primeira vista, esta proposta parece ser desajustada, altamente castradora das liberdades individuais, paternalista até ao vómito e insuportavelmente ditatorial. Mas isto é só à primeira vista. Um olhar mais atento revela que estamos perante uma verdadeira questão de saúde pública. Há externalidades envolvidas e nunca se sabe onde os meninos vão acabar por meter a língua.

O Pedro Morgado tem razão quando fala de estatização do gosto. Mas penso que não está a olhar para o quadro todo. Esta medida é apenas a face mais visível do paternalismo que ainda dá cartas na política nacional, e do qual este Governo tem sido um dos mais entusiastas arautos. A tendência tem raízes salazaristas mas para a desmontar não é preciso recorrer à história ou à antropologia: ela bebe de uma crença bastante arreigada que quase todos alimentam no seu íntimo – lá no fundo, todos sabemos o que é melhor para os outros.

Isto não seria um problema se o devaneio cruzasse a mente de um Silva qualquer. A ideia só ganha contornos mais gravosos quando vem da consciência superior de um deputado. É um dos paradoxos da democracia. Porque um iluminado se lembrou de que os piercings ficam mal, vamos todos ter de os tirar da língua. Afinal, não é só o ministro Santos Silva que anseia por controlar as línguas alheias.

Esta questão põe em evidência um dos problemas dos sistemas democráticos. A democracia foi sempre uma ideia atractiva porque invertia a lógica que durante séculos vigorou na Europa (e, de forma mais ou menos semelhante, um pouco por todo o planeta), com o líder supremo a mandar e o povo oprimido a ser mandado. Mas a democracia não controlada é um sistema apenas um pouco melhor do que esse: a maioria manda e a minoria é mandada. O princípio é o mesmo da ditadura; só muda o alcance e a subtileza do exercício da força.

São necessários mais gatilhos de segurança contra esta tutela estatal da vontade alheia. Mais limites ao poder que garantam que o Estado legisle apenas sobre o que é do domínio público e que deixe para a vida privada dos cidadãos aquilo que diz respeito à vida privada dos cidadãos. No fundo, um sistema que deixe de pressupor que quem está no poder ganha, como que por direito divino, competências sobre as preferências alheias. Porque é no mínimo irónico que um homem tenha direito a escolher o Governo que dirige o país e não possa ter uma palavra a dizer no destino que dá à sua língua.

10 comentários:

  1. Finalmente, um fantastico texto de Pedro Romano.

    Parabens!

    ResponderEliminar
  2. Em que é diferente uma democracia de um sistema tribal?
    1. Escolhemos um líder?
    Não mais que eles... votamos naqueles que nos são apresentados pelas classes dominantes;
    2. Pagamos impostos?
    Não menos que eles... ainda que noutras formas;
    3. Exercemos cidadania?
    Não mais que eles... eles pela força, nós pela palavra (eles com maior impacto)...
    4. Temos liberdade de expressão?
    Temos(?). Eles não.
    5. Podemos fazer o que quisermos sem prejudicar directamente terceiros?
    Podemos... demais. "Democratizou-se " a ideia de que a Democracia se materializa quando podemos fazer e dizer aquilo que bem entendemos...

    Vivam eles, viva o tribalismo...

    Façam furos na língua, tatuem o corpo (os tribalistas faziam-no), usem calças presas nos joelhos, usem cuequinhas de fio a atravessar o fundo das costas, passem 12 horas do dia com headphones nos ouvidos, reinventem o Português com kappas, abreviaturas e outros hieróglifos, não votem, não vão às aulas, façam o que bem vos entender.... afinal isto é uma DEMOCRACIA...

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Paradoxo da democracia. Escolhemo-los a eles, e eles querem dominar-nos a nós.
    A questão saude publica está a tornar-se febril.

    ResponderEliminar
  5. Esta proposta do PS parece um misto de uma proposta do CDS-PP com uma do BE. E isto vindo do partido que levou a referendo a IVG e tanto falou da liberdade de escolha e da saúde pública. Se a higienização e a certificação de qualidade dos tais "salões" é uma preocupação perfeitamente legítima, a outra parte é completamente incoerente com as causas recentes que o PS adoptou.

    ResponderEliminar
  6. http://palcopiniao.blogspot.com/search/label/C%C3%82MARA%20MUNICIPAL%20DE%20COIMBRA%20URBANISMO

    DIVULGUE ILEGALIDADES... OBRIGADO!

    ResponderEliminar
  7. Texto fabuloso e acertado. Aqui está uma opinião que gostava de ter escrito.

    ResponderEliminar
  8. De facto, um texto merecedor de não só uma mas de muitas leituras :)

    ResponderEliminar
  9. Bom texto sobre mais uma questão vergonhosa.

    ResponderEliminar
  10. Um dia, se deixarmos, claro, iremos viver como na Antiga China de Mao Tse Tung em que todos vestiam de igual modo; além da proibição do fumo ( concordo em parte) em locais públicos, qualquer dia proibem-nos também, como li num jornal de hoje de distribuição gratuita, de podermos "ajustar as partes masculinas em péblico, coisa menos bonita mas necessária).
    Na verdade o que me parece implícito é que as liberdades e garantias individuais começam a ser violentadas. Há inúmeros exemplos disso não só em Portugal como por esse Mundo fora.
    Um dia desses, vão obrigar-nos a vestir gravata e fato domingueiro quando formos a uma repartição pública
    Abraço

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores