Ainda há Romanos em Braga?

| Partilhar
Num momento em que Braga voltou a afirmar o estatuto de capital romana, é legítimo que se pergunte se alguma vez os romanos estiveram nesta cidade, tal o desprezo que vamos dando a uma herança absolutamente única e fantástica. A epidemia AXA, com contornos de um parolismo exacerbadamente trágico, esqueceu-se de sinalizar a herança do passado. Museus, teatros e monumentos estão à mercê do abandono informativo, numa orgia sinalizadora que a todos deve envergonhar.

Um dia depois de se saber que o ISAVE vai construir um campus no espaço das Sete Fontes, o Jornal de Notícias volta a fazer jornalismo anunciando que «a cidade de Braga carrega mais sinalética indicativa do Novo Estádio Municipal que o total de placas orientadoras dos visitantes aos núcleos museulógicos do riquíssimo património romano, herdeira de Bracara Augusta.» A constatação não é novidade para ninguém, tanto mais que a realidade está à vista de todos.

Ainda na última Conversa Improvável, Francisco Sande Lemos apontava a «incapacidade local» como o principal motivo para Braga não estar melhor, sugerindo «investimento para "criar uma imagem forte e a longo prazo da cidade", para aumentar o turismo e para oferecer uma "atmosfera cultural" interessante a quem vem de fora.» Crê-se que será nesse sentido que a Braga Digital vai «disponibilizar aos visitantes do concelho de Braga "uma aplicação de 'software' para dispositivos de computação móvel", que, tirando partido da sua capacidade de processamento de som, imagem e vídeo e de comunicação sem fios

Mas não chega: Braga precisa de se reconciliar com o passado, mas sobretudo de sugar até ao tutano todo o potencial da herança que nos deixaram os diferentes povos que por aqui passaram ao longo de XX Séculos de História.

14 comentários:

  1. «Ainda há Romanos em Braga?»

    Bom, pelo menos de nome...

    ResponderEliminar
  2. "que o total de placas orientadoras dos visitantes aos núcleos museulógicos do riquíssimo património romano, herdeira de Bracara Augusta."

    Que não haja dúvidas. Qualquer stand de automóveis está melhor sinalizado que o património milenar da cidade e região de Braga.

    Visite Braga...

    Para contrapôr o extremo cuidado e atenção que é colocada ao serviço dos visitantes, posso referir o caso de Évora, cidade Património Classificado há cerca de 21 anos... se não conhecem, visitem.

    Qualquer semelhança com o arranjo urbano e os roteiros turísticos de Évora e Braga é pura inexistência.

    Dario Silva.

    ResponderEliminar
  3. Braga não era capital Romana.
    Era capital da Galécia.

    Ao dizer que era capital Romana dá a entender que o centro do Imperio Romano não era Roma mas Braga.

    Braga foi capital, até depois do Império Romano ter caido. Foi capital da Galécia. E penso que do Reino Galego também não?.

    Braga era a capital da Galécia, que é a nossa verdadeira nação, a nossa identidade é Galaico-Portucalense.
    Apesar de nos ocultarem a nossa identidade, as nossas origens e a nossa história, temos mais a ver com os Galegos do que com os "mouros" abaixo do Mondego. Nós somos Galaicos, não somos Lusos como querem fazer-nos crer.

    ResponderEliminar
  4. Ainda haverá romanos nesta monotonamente carregada de mouros?

    ResponderEliminar
  5. Porra! Já não há pachorra para essa conversa fasciszóide dos calaicos...

    ResponderEliminar
  6. São galaicos e não Lusos? Pois, e andam armados de arco e flecha a combater os barbáros e os mouros... Valha-nos Deus Nosso Senhor Jesus Cristo, que se o ridiculo matasse...

    Sertórius Máximus

    ResponderEliminar
  7. Braga capital de ...? De leituras erradas certamente.

    ResponderEliminar
  8. apesar do tempo ter passado nos continuamos a ser Galaicos.
    Os Galegos continuam a ser Galaico-Galegos.
    Chamamos de Galegos, mas são Galaicos, a sua identidade é Galaica.
    Nós Portugueses do Norte, podemos ser chamados de nortenhos ou Portugueses mas a nossa verdadeira identidade é Galaica.

    Não se trata de ter passado tempo, de ja nao vivermos como no tempo dos romanos, etc.
    O tempo nao apaga a identidade de um povo a nao ser que ele desapareça etnicamente. Mas para isso realmente ja nao falta muito, com a imigraçao que estamos a sofrer daqui a umas geraçoes sim ja poderao dizer orgulhosamente que nao ha Galaicos ou seja nao ha nortenhos, nem galegos.

    ResponderEliminar
  9. Sou português, galaico, ibérico, branco, preto e mouro. Sou tudo isso. Sou brasileiro, chinês japonês e indonésio.
    Viva o Infante D. Henrique!
    Viva Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral!
    Viva Fernão de Magalhães!

    ResponderEliminar
  10. Oh! Pedro, é facil perceber.

    Tudo o que nos custa muito dinheiro (material), tem de ser avistado ao longe, por onde quer que passemos.

    É assim o Minho. A raça do Minho. E não estou a ser irónica. É transversal a todos os quadrantes e classes e percorre todos os bens materiais passiveis de inveja.

    A cultura em Braga, a história como parte do património e da evolução de um povo, está literalmente no under ground.

    ResponderEliminar
  11. Depois de uma fase em que a cidade esteve voltada para as necessidades mais básicas (a construção da rede viária, o problema da falta de habitação, a construção das redes de água e saneamento, etc) está na altura de dar um salto qualitativo.

    Este salto qualitativo na vida da cidade terá obrigatoriamente que passar pela valorização e classificação do seu património tanto construído, como natural.

    Poucas cidades têm o património que esta tem, com vontade política será com toda a certeza um pólo cultural de referência no contexto luso-galaico.

    ResponderEliminar
  12. "Poucas cidades têm o património que esta tem, com vontade política será com toda a certeza um pólo cultural de referência no contexto luso-galaico."

    Braga nunca foi lusa. Sempre foi Galaica.
    Deveria ter dito: Será um polo cultural de referencia no contexto Galaico.

    ResponderEliminar
  13. Umas noções de marketing territorial á Câmara de Braga não lhes fazia mesmo mal...
    As ruínas romanas são um activo que podem valer ouro...se houver quem as saiba aproveitar! Infelizmente o Mesquita só percebe de betão armado, de resto...NADA

    ResponderEliminar
  14. A Bracara Romana, é apenas o início do fim de uma civilização milenar que já lá existia muito antes. Metam os olhos no Balneário Pré-Romano da Estação e constatem, que nem os banhos, foram trazidos pelos romanos.
    Somos Galaicos! Habitantes da Bracara, do grande povo Galaico.

    Viva a Gallaecia milenar!

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores