Legislativas 2009: O Que Está em Causa? | 2

| Partilhar
«Marcelo Rebelo de Sousa está convencido de que vem aí um tempo de ingovernabilidade depois das eleições legislativas de dia 27. Em declarações ao DN, o antigo presidente do PSD sustenta que "vai haver um Governo minoritário, com dificuldades para aprovar no Parlamento o seu programa, o primeiro Orçamento e o segundo, se chegar lá. Quer ganhe o PSD quer ganhe o PS, não há coligações possíveis"[DN]

No dia 27 de Setembro, a escolha será entre José Sócrates e Manuela Ferreira Leite, entre um governo de esquerda ou um governo de direita. Embarcar em aventuras alicerçadas na pior demagogia pode comprometer muito seriamente a estabilidade do país.

14 comentários:

  1. Caros bloggers,

    Queria começar por dizer que não partilho, uma vez mais, da opinião de MRS. Quando é referido que ganhe quem ganhar não haverá coligações pós eleitorais faz-me lembrar o Durão Barroso quando, enquanto candidato a primeiro ministro dizia o mesmo. Depois foi o que se viu. Uma trapalhada de onde resultou um dos governos mais à direita desde 1974 e que acabou como acabou. No entanto, concordo com MRS quando ele diz que vem aí um período de instabilidade politica e consequente clima quase de ingovernabilidade. Sendo assim, terá de ser o empenho de todos os portugueses a definir o cenário politico pós 27 de Setembro. Ou se vai querer apostar no voto útil dando continuidade a uma politica corajosa e progressista e verdadeiramente preocupada com os problemas sociais votando PS ou se vai querer mergulhar o país numa visão completamente retrógada, claramente de direita inflexível e despreocupada com os problemas sociais votando no PSD. Braga é um óptimo distrito para exemplificar o empenho, a entrega e o enorme investimento de recursos que este governo aplicou na resolução das questões sociais e económicas que afectam o nosso país. Trata-se de um distrito no qual, desde a educação à saúde, passando pela segurança social e terminando no apoio social aos mais afectados pela crise que assolou o mundo,o PS, enquanto governo, fez uma aposta clara investindo sem qualquer hesitação avultadissimas quantias no sentido de garantir a subsistência das populações.Destacaria ainda o apoio às PME através do programa PMEinvest que literalmente salvou e relançou milhares de pequenas e médias empresas que estão sediadas nesse distrito e que garantem, por si só, milhares de postos de trabalho. Também a requalificação profissional sofreu uma profunda renovação optimizando o seu efeito junto das populações menos afortunadas. Só um governo com reais preocupações sociais teria uma politica virada para a resolução dos problemas quotidianos dos mais desfavorecidos. O PS tem méritos sociais não só referentes ao último mandato mas ao longo da sua história que mais nenhum outro partido tem.
    Só uma refer&encia para o post anterior intitulado Legislativas 2009:Sondagem do Minho para dizer que estou muito confiante que as populações minhotas não irão esquecer o que este governo fez por esta região num período tão dificil pelo que acredito que os resultados vão ser diferentes. Convém dizer também que António José Seguro, uma referência da nossa vida politica e enquanto cabeça de lista do PS por Braga pela segunda vez consecutiva, tem sido recebido por muitas pessoas que mostram contentamento e reconhecimento não só com o seu próprio empenho relativamente ao distrito no último mandato como também com o governo PS. Bem Hajam as gentes do Minho.
    Cumprimentos
    Nuno Vieira Rodrigues

    ResponderEliminar
  2. O Marcelo Rebelo de Sousa é uma personagem notável. Depois da num governo PSD de dois anos mais quatro, agora evoluiu para uma previsão de um governo PSD ou PS, de um ano, com sorte dois!

    ResponderEliminar
  3. O Nuno Vieira Rodrigues é um cómico!

    ResponderEliminar
  4. Tanto faz se estão de barrete vermelho ou laranja, o que é essencial é uma revolução na justiça.

    Quem governa é a corrupção e como nenhum destes partidos vai provocar a revolução na justiça, vamos continuar iguais aos últimos 23 anos, cada novo país que entra na UE, ultrapassa Portugal ao fim de "5 anos".

    ResponderEliminar
  5. No estado em que o País fica...nem um Salazar fazia nada. Urge medidas verdadeiramente revolucionárias, outras impopulares, muito rigôr e sobretudo coragem e vontade Política para pôr termo a desigualdades que neste momento são um insulto aos trabalhadores e desempregados.É vergonhoso alguém com salários ou Reformas superiores a 1500 Euros...pedir ou exigir aumentos.Quero ver quando surgirem conflitos sociais agravados...quando a insegurança surgir e os roubos para comer aumentarem qual vai ser a solução.

    ResponderEliminar
  6. Vai apenas cumprir-se um acto Constitucional.O País tem de fazer contas ao despesismo da própria Administração Pública, carros a mais, muito luxo, benesses para demasiada gente...nas EP também tem de haver uma contenção de custos e sobretudo fiscalização nas contas das obras...chega de derrapagens financeiras.Reparo temosreformas que em 2000 eram de 1000E que hoje são práticamente as mesmas, depois daí para baixo é uma miséria, enquanto depois dos 2000E os salários e reformas do Estado triplicam.Qual será o motivo?Maior produtividade apesar de menor horário de trabalho?Tudo estaria bem se o País tivesse para distribuir, mas não tem e dentro de dez Anos caímos no fundo do poço. Não há Europa que nos acuda, cõm as políticas seguidas...tem razão o Drº Medina Carreira.

    ResponderEliminar
  7. Em aventuras andamos nós desde o 25de Abril!!! O País esta como esta apenas por dois culpados:PS e PSD. É a vez que estão no poleiro e de cada vez que estão fora esquecem-se do que fizeram lá dentro. Deviam era ser todos responsabilizados pela ma gestão que fizeram do país.

    ResponderEliminar
  8. http://ladroesdebicicletas.blogspot.com/2009/09/do-bloco-central.html

    ResponderEliminar
  9. Este blogue, que julgava pragmático e equilibrado e onde a política sempre foi discutida com equilibrío, permita-me a expressão, passou-se? Que desilusão...

    Então se a "governabilidade política" (pedia uma definição, pf)do país está em causa, e já agora, a própria segurança nacional, (porque não?) não seria sensato suspender todo e quaisquer decisões de "desvio" político dos cidadãos?

    Eliminar os partidos excedentes do boletim de voto? Afinal de contas assim é mais fácil governar sem a presunção do bom-senso e liberdade individual. Não está em perigo a "governabilidade".

    Melhor ainda- porque não um partido único? Não é original mas diga lá que não dá origem um governo estável e um país governável.
    Assim estão libertados os cidadãos do dilema da escolha e a sociedade de maçada da imprevisibilidade do juízo pessoal dos mesmos!

    E depois fala na "pior demagogia"! Há pior demagogia do que chamar insensata a representabilidade e legimidade de partidos que são apoiados por cidadãos como você? Discordo fundamentalmente de quase todos os partidos mas nunca passaria pela cabeça de alguém educado numa Democracia sugerir boicotar a sua legitimidade!

    Eu bem sei que é só clicar no "publish" para enviar o post mas vale sempre a pena pensar duas vezes...

    *subscrição do blogue cancelada

    ResponderEliminar
  10. Jorge Sousa, não fale da fé dos outros que ninguém lhe deu um decreto para tal. A fé de Marcelo Rebelo de Sousa é em Jesus Cristo e toda a gente sabe que ele é crente e que, por isso, há-de votar na Sra. Dra. Manuela Ferreira Leite que é a única que tem valores para além do Portugal Pró Vida.

    ResponderEliminar
  11. O problema em Portugal é que falta vontade a muitos portugueses para ir votar pq a política em Portugal é uma treta e os partidos são praticamente uma treta!! A começar pelo BE e pelo seu líder que por vezes usam palavras bonitas e frases bem construídas mas que dp não dizem nada!! É muito fácil estar preocupado com as reformas que alguns vão ter daqui a uns anos, que vão ser uma miséria, falou nos grandes empresários que ganham milhões e que não ajudam os mais pobres, e bla bla bla, mas esqueceu-se de dizer que daqui a meia duzia de anos FLouça vai estar a receber a sua reforma gordinha e sem falhas por ter sido deputado. Esqueceu-se de dizer que essa não vai faltar!! Mas apenas vai faltar para o zé povinho. Não adianta estar a votar neste tipo de partidos, mas cada um pensa como quer, pois na minha opinião são apenas histórias da carochinha.
    Para PT melhorar em tudo é necessário que os partidos se entendam pelo menos uma vez nas questões sociais, justiça e economia. Que discordem de algumas obras e já chega. Por mim, bloco central já!!

    ResponderEliminar
  12. É oficial: Já não sei que faça nas próximas eleições. Ía votar no Bloco, mas não quero ser responsável pela eleição da Manuela. CDU? Nem pensar em dar o voto aos estalinistas. CDS? Só se fosse para haver missa nas escolas. Votar PS? Bem me custa...... Que fazer?

    ResponderEliminar
  13. Caros bloggers,

    Na realidade o que o país menos precisa é que o PSD e a direita regressem ao governo. Este momento marcante para Portugal que são as eleições do próximo dia 27 de Setembro poderá significar um retrocesso, em caso de vitória dos partidos à direita do PS. Por isso, tal como referi no primeiro comentário que fiz a este post, o voto útil no PS é a alternativa mais válida. Quantos mais votos forem para o BE mais forte fica a direita apenas pelo enfraquecimento do PS. Penso que nenhum de nós quer isso.
    Cumprimentos
    Nuno Vieira Rodrigues

    ResponderEliminar
  14. Não se vota em males menores nem para remediar - vota-se em que se acredita que tem um projecto para o país senão vota-se em branco!

    Qual a diferença da política de ocasião do PS ou do PSD? Tiveram 35 anos de oportunidades falhadas.

    O Bloco Central seria a derradeira anedota- quem acredita sinceramente que duraria mais de 6 meses?- mas pelo menos tornaria evidente que um e outro partido são mais do mesmo.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores