Sei o Que Fizeste no Verão Passado

| Partilhar
«Não sei. Não sei. Não sei.» é a resposta de Manuela Ferreira Leite à pergunta sobre o que vai fazer se for eleita. No entanto, Manuela Ferreira Leite diz que apenas vai fazer aquilo que diz. Devemos concluir que não vai fazer nada ou que esconde o que pretende fazer?

7 comentários:

  1. Não gostei francamente da entrevista, mas ficou claro nada prometeu.Mas não é hoje impossível vencer eleições, quando o Primeiro Ministro parece confuso e sem razões para acreditar numa vitória.Ele sabe o que tem feito e o Povo não esquece.Maiorias não devemos ter e vamos ver quem mais promete e que parceiros escolhe.Triste Sina a nossa com tais políticos.

    ResponderEliminar
  2. ainda me lembro quando toda a gente falava mal dela aqui há uns anos... então os professores é que era. como as coisas mudam. incrivel.

    ResponderEliminar
  3. Se mudam. Veja-se os vencimentos reformas da Função Pública nos últimos 10 Anos e compare-se com os privados no mesmo período de tempo!

    ResponderEliminar
  4. Caros amigos...isto não passa de fumaça.O País está no fundo do poço, já não há tachos para dar a menos que se reformem políticos.Portanto prometer é erro, somos pobres...muito pobres, endividados e sem empregos, passamos mal em muitas situações e aparentamos ser ricos...alguns.Ponham limites ás reformas...mas não esqueçam o principio ganha mais quem mais contribuiu em igualdade de circunstâncias, coisa que os politicos não aceitam porque um ano de trabalho deles não tem preço e deve contar a dobrar ou triplicar.Para ser razoável esta Senhora nada pode prometer,porque sabe o buraco que existe e quem o cavou.Isto agora é só salve-se quem puder...nada de ilusões, acabou o tempo do diálogo e toca a exigir dos outros...do povo...sacríficios, aperto do cinto e mesmo apenas umas sanduíches ao almoço e sem direito a jantar.Vamos ficar elegantes já a seguir ao Verão.Onde já se viu reformas de mais de 20000 Euros num país onde pessoas não ganham para uma sopa?

    ResponderEliminar
  5. O País está doente e precisa de antibióticos. Só um programa de austeridade e rigôr evitará uma banca rota a muito curto prazo.Temos todos espero eu, a noção do abismo em que caímos.Prometer, pretender passar outra qualquer mensagem é enganar os eleitores.Mais justiça Social, Distribuição de subsídios com muito rigôr, mesmo na Segurança Social, praticar uma política que faça os mais ricos contribuir para o investimento e criação de empregos, dedicar particular atenção à Economia, tentar exportar muito mais...ter atenção ás relações comerciais e investimentos com África, defender a classe média, insentivá-la, ajudar os desempregados, mas oferecer empregos.Política de verdade.Tenho a certeza infelizmente o caminho a trilhar vai ser terrível daí entender o discurso da Drª, mesmo sem partilhar das suas ideias.

    ResponderEliminar
  6. Concordo.Discordo apenas numa questão, os eleitores são pessoas conscientes e sabem a miséria do País,a Drª sempre terá de dar garantias sobre o que fará com a Segurança Social e com a Saúde.Se disser que privatiza perde se garantir estabilidade social e reformas asseguradas ganha.Resta esperar pela folha A4 que resumirá o seu programa.Mas nada de ilusões temos crise para continuar por cá enquanto os terrenos continuarem abandonados, os empresários só pensarem no lucro, o Governo viver a sonhar com a oposição e esta a pensar na forma de ser poder.O Povo aparece depois, num outro patamar perdido, esquecido, lembrado apenas e só nas campanhas eleitorais.Quanto aos partidos dá para rir...verdadeiro folclore, bandeiras, chapéus, música, fanfarra, festas e feiras, beijinhos nos idosos, palavras de ordem, gritos de guerra contra o 1º Ministro,esquecimento quase total das ideias capazes de solucionarem os verdadeiros problemas.Pior o povo não esquece comportamentos anteriores a seguir ás Festas...

    ResponderEliminar
  7. Isto faz-me rir.Alguns já correram os partidos todos...são gente para qualquer cenário.Como podemos ter partidos capazes se só querem ter aderentes e pagantes de "cotas".Depois obrigam quase a dizer amen, ou então saem das listas.Outros a decisão é soberana eo militante deixa de ter opinião e cumpre com os estatutos obedecendo sem discutir.Depoi ainda há os que dizem...nós vamos fazer...porque sabem nunca serão poder.Então qualquer dia para votar, teremos de estar filiados num desses partidos.Suponho que o verdadeiro problema da Democracia são os políticos, porque actuam comandados pelo partido e esquecem quem os elegeu.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores