Será Pecado de Inveja?

| Partilhar
Calvin Klein's latest racy ad 2009 sex in street sexo na rua publicidade
© bitchcakesny

Oscilando entre o melhor e o pior, os Estados Unidos da América discutem o erotismo de um anúncio de calças de ganga como há muito não debatem a pena de morte. Ao que parece, há por lá quem se ofenda com a sensualidade a três. Eu nunca percebi bem estas reacções viscerais, mas o remédio é simples: se não gostam, fechem os olhos.

29 comentários:

  1. Não foi por acaso que Deus Nosso Senhor mostrou o pecado original aos homens. Eles devem saber que o que se faz entre as paredes do quarto não deve ser exposto. A lúxuria é um pecado mortal e é ele que devemos ver nesse outdoor. Fico espantado com a leviandade com que se põem promíscuos aos beijos num sítio onde passam crianças e familias inteiras. Isto pode deformar uma criança para sempre mas há sempre quem quer corromper o futuro da sociedade contaminando os cérebros das crianças.

    Aqui sou mal intepretado, mas no meu blogue os milhares de leitores diários (temos mais de 10.000 visitas por dia) compreendem o que escrevo. Visitem.

    ResponderEliminar
  2. Por acaso não acho que seja assim tão linear. A verdade é que se o espaço é público, tem de respeitar as várias sensibilidades.

    O que eu acho tonto é que haja sensibilidades, mas isso é outra conversa.

    ResponderEliminar
  3. Caro Guilherme Gomes e Sousa,

    Com todo o respeito, aceito a sua opinião em relação ao modo como as pessoas se inter-relacionam e o modo como o seu Deus explica como deve funcionar o mundo.
    Mas, penso que preciso de lhe dizer o que penso acerca deste género de intervenções (em blogues ou no café e até mesmo em casa).

    Há uns anos, lia um estudo e nele referiam que apenas 70% da população mundial segue uma religião e acredita num Deus. Desses 70%, apenas 30% eram da religião Católica, a maioria que vigora em Portugal. Ora, 30% da população do mundo, ou é agnóstica ou é ateu, sendo que isso se verifica nas sociedades mais desenvolvidas.

    Isto foi apenas o que li, ficou-me na memória.
    E eu sendo nascida e criada no seio de uma família católica, aprendendo todos os rituais, conhecendo de perto outras religiões, credos e seitas, digo-lhe com toda a sinceridade: não concordo com intervenções que roçam o fanático. Faz-me confusão que um religioso, ateu, agnóstico, anti-qualquer-coisa, ou outra coisa qualquer, transmita a lei das suas crenças, como sendo a única e exclusiva verdade.

    Para terminar, eu, católica de família, fui criada com toda a abertura e informação possível sobre o mundo. Em criança, tinha conhecimento de filmes com cenas de sexo, pancadaria, sangue e mortes. Tenho amigos que desde cedo se assumiram homossexuais, professoras que tinham assumidamente uma companheira e não um marido, e outras coisas idênticas. No fim de tudo isto, penso que sou um adulto normalíssimo, banal até. Não vejo que o meu cérebro tenha ficado contaminado, a não ser com uma abertura para ver e perceber o que me rodeia, e fazer uma triagem.

    Nada depende se acreditamos em Deus ou não ( a não ser para alimentar o nosso espírito), tudo depende da educação e formação.


    Quanto ao tema do post, bom, é muito mais grave e faz pior à sociedade a corrupção. E dessa ninguém se queixa tanto.

    Cumpts.

    ResponderEliminar
  4. Concordo com a Cláudia. Há fanatismos que já chateiam.

    ResponderEliminar
  5. Caro Sr. Guilherme o seu blogue é bem mais ofensivo que qualquer outdoor destes... coisas que vão desde "ilusões do Darwin" a "O aborto com pílula também é um crime" passando pela antecipação das declarações de Paris Hilton...

    ps. claro que isto tudo já seria pornográfico se tivesse como música de fundo um conhecido tema dos UHF.

    ps.2 mas repare que o que me ofendeu mais foi eles terem poupado em modelos femininas... Vou para o inferno????

    ResponderEliminar
  6. Já agora,caro Guilherme,fui ver o seu espaço.10000 visitas por dia?
    Fala em pecado original,mas olhe que a vaidade é um pecado mortal.Ainda mais se for baseada em 91 consultas ao seu perfil.
    Seja sério.

    ResponderEliminar
  7. Caro moes@,

    Se ficasse ofendido por achar que eles tinham exagerado em modelos femininos, o Guilherme e os amigos católicos mandavam-no para o cárcere da clandestinidade. Assim esteja descansado.
    A piada do dia é o Guilherme dizer que tem 10.000 leitores naquele blog de m*rda! Vão lá ver as crenças católicas dele e depois riam-se tal e qual eu faço.

    ResponderEliminar
  8. Eu até ficava admirado se o Pedro Morgado se revelasse chocado com esta publicidade.
    O que me parece estranha é a conclusão: «se não gostam, fechem os olhos».
    Deste modo, é possível justificar qualquer aberração, seja ela de qualquer ordem. Basta dizer«não olhes», «não vás», «não compres», «não comas», «não participes», «qualquer coisas... não».
    Por esta ordem de ideias não sei porque razão processaram o cartaz do PNR, segundo a acusação era susceptível de transmitir uma ideia xenófoba. E Pedro Morgado já tem aqui quer a solução para o problema, quer a defesa para o advogado do PNR: «não gostas não olhes», ou «não gostas, não votes».

    ResponderEliminar
  9. Caro Miguel Braga,

    Gosta de deturpar o que escrevo, mas fico feliz por saber que rejeito a xenofobia. Importa-se de esclarecer em que é que esta publicidade é censurável?

    ResponderEliminar
  10. O comentário sobre a mama da Janet Jackson na Super Bowl que,repito,deu direito a desculpas públicas por parte da desavergonhada,não cabe na caixa de correio do Avenida,caro Pedro Morgado? ;)

    ResponderEliminar
  11. Espero que o Guilherme se flagele enquanto vê este enorme drama para a humanidade.

    ResponderEliminar
  12. Caro Pedro qualquer coisa só pode ser censurável quando coloca alguma ideia, coisa, valor, pessoa, instituição, etc, em causa. Se para si não coloca nada em causa, muito bem, não é motivo para ser censurada por si. Mas penso que respeitar aqueles para quem é motivo de censura, também não lhe ficava mal.
    Parece-me que é que a sua resposta, «não gostam, fechem os olhos», está muito longe de ser uma resposta de respeito, muito menos inteligente.
    Mas como pessoa inteligente que reconheço que é, sabe, pelo menos, que qualquer boa publicidade que o tente ser, deve ter subjacente uma certa provocação. Que o caso, logo tem por detrás uma ideia que não é propriamente consensual, se o fosse certamente que a agência de publicidade não a escolheria...

    ResponderEliminar
  13. De acordo, mas devo dizer-lhe que a minha expressão não é muito diferente do que foi proferido (e eu concordei) pelo Bispo das Forças Armadas, D. Januário Torgal Ferreira, a propósito das queixas contra o episódio dos Gato Fedorento sobre o Magalhães ("quem não gosta, muda de canal"). Tal como nesse caso, também aqui não me parece que estejam em causa valores superiores à liberdade de expressão.

    Mas afinal, o que é que é censurável nesta publicidade?

    ResponderEliminar
  14. Santa «Liberdade de Expressão». Já só faltava esta para a discussão...
    Então porque razão em nome da «liberdade de expressão», não pode colocar um cartaz a «dizer», por imagens, que os estrangeiros são as ovelhas negras?
    Porque existe um valor, agora até defendido por lei, que assim «ordena»: o valor da tolerância. Neste caso versava sobre a intolerância/racismo.
    Neste cartaz, já lho disse, se para si não é motivo de censura, óptimo, tudo bem. Mas respeite os que o censuram, porque ofende algum valor, que mesmo não seja defendido por lei, e defendido por alguém.

    ResponderEliminar
  15. Não percebo porque é que acha que eu não respeito. A menos que também entenda como desrespeitosas as palavras do Bispo citado.

    ResponderEliminar
  16. No meu entender, é extremamente salutar apresentarmos perspectivas críticas em relação ao que nos rodeia...o conhecimento é feito precisamente disso...Não consigo perceber também onde é que este anúncio pode ser censurável...Aliás, pensado como discurso visual introduz aspectos que merecem uma análise aprofundada...Aqui revela-se essencial a importância da aparência, do eu visual de homens e mulheres que vai determinar as construções identitárias do masculino e do feminino...um erotismo presente que mostra liberdade de opções...porque essas opções existem...

    ResponderEliminar
  17. Carla,

    Concordo com o texto. Eu acho que tudo é discutível mas nem tudo é censurável. Quem acha que isto viola os seus princípios morais tem o direito de o expressar mas não tem o direito de tirar dos olhos dos outros aquilo que entende.

    ResponderEliminar
  18. Claro que sim, Pedro. Muito mau seria se o fosse:-)

    ResponderEliminar
  19. Gostava de saber se o vosso/a namorado/a apresentasse uma foto tendo relações sexuais ou em intimidades com dois/ou duas, se achavam a foto sensual e nada de motivos de censura :-)))

    ResponderEliminar
  20. Esse Guilherme precisava era disto para se flagelar pelos maus pensamentos que lhe vêm à cabeça quando vê as imagens. Reprimido é o que é.

    ResponderEliminar
  21. Caro Miguel,
    Cada pessoa tem direito a escolher...Conhece, por exemplo, o significado de poliamor?????São opções que as pessoas fazem e que, no meu entender, e embora não sendo adepta, não censuro...

    ResponderEliminar
  22. Apetece-me perguntar.Quem é o pai da criança?Se calhar é como na cantiga, cujo estribilho era ,sei lá,sei lá.

    ResponderEliminar
  23. Para quem for ver o blog do Sr. Guilherme vejam o comentário que lhe deixaram na sua fabulosa intervenção sobre o preservativo.
    Muito BOM. eheh

    http://teocraciaportuguesa.blogspot.com/2009/06/sexo-so-no-casamento.html

    Sr. Deus pai, pelo Sr. Guilherme Sousa:
    ROGAI POR NÓS

    ResponderEliminar
  24. 1-Antes de qualquer linha devo dizer que o sujeito do primeiro comentário só pode estar a gozar com a comunidade católica com tais declarações. Até a minha avó, devota, que gerou 16 filhos (mas que votou "Sim" no referendo sobre o aborto) até ela não seria tão básica na defesa dos suas opiniões.

    2-para aquele que acha que esta imagem transmite alguma mensagem polémica ou eticamente suspeita, experimente comprar umas revistas de arte contemporânea ou então a National Geographic com imagens da áfrica central onde se vêem seres humanos despidos de humanidade.

    3-As marcas de roupa e de moda em geral, já há muito tempo que se baseiam em imagens como esta para fazer polémica... onde está a novidade?
    nunca viram?
    ...acho isto tudo muito mesquinho, deculpem-me.

    NR

    ResponderEliminar
  25. Pobre Sr. Guilherme!
    Percebo o seu desassossego. Beijos e abraços só no quarto! Na sala não, muito menos na cozinha! E no quarto só às escuras que "a nudez é pecado" As crianças não devem ver os pais (ou outros) a beijarem-se.. amor..ternura..desejo..NÃO.
    O POBRE É UM CATÓLICO QUE VIVE AINDA NA IDADE MÉDIA.

    ResponderEliminar
  26. muita gente aqui acha que se deve dar asas à liberdade de expressão demonstrada pelo outdoor mas ao mesmo tempo critica as crenças e valores do autor do 1º comentario. é triste a intolerância.
    estando ou não de acordo deve-se respeitar ambos. não se gosta não se olhe, não se goste não se leia. a mim não me incomoda em nada o outdoor e muito menos as crenças ultraconservadoras desse senhor. respeito ambos.

    ResponderEliminar
  27. Eu respeitar as crenças do senhor ...não respeito.
    Se ele se acha com direito de criticar eu acho que tenho direito de o rebater.
    Acho que ele tem o direito de pensar como quer e eu tenho o direito de não concordar com ele.
    Respeitar o que ele respeita..NÃO

    ResponderEliminar
  28. Recuso-me a respeitar as crenças de quem não respeita os outros.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores