Obras Públicas | 2

| Partilhar
Está visto que a rede ferroviária de alta velocidade será a arma de arremesso político neste período pré-eleitoral. Se compararmos o impacto do TGV comparativamente com o novo aeroporto de Lisboa, parece evidente que o primeiro projecto apresenta várias vantagens: a possibilidade de criação de um rede de transporte de mercadorias para a Europa alternativa aos transportes rodoviários; a distribuição de investimento público por várias regiões do país; os proveitos ambientais da aposta na ferrovia; e o aumento da competitividade das regiões abrangidas pelo projecto. A abandonar-se um dos grandes projectos públicos, sou de opinião que o novo aeroporto de Lisboa deveria ser o projecto a cair.

9 comentários:

  1. A ligação Lisboa-Madrid vá que não vá, os espanhóis estão prontos a avançar e tem algum interesse. Agora investir uma nova rede de raíz a rasgar o país de Norte ao centro para depois andar vazio? Vão gozar com o dinheiro dos outros! Depois do investimento feito no alfa pendular que pouco mais irá demorar que o TGV na linha Porto Lisboa, depois dos milhões gastos na requalificação da linha do norte, vamos meter tudo ao bolso para fazer uma linha completamente nova? Eu tenho uma maneira de pouparem milhões: façam só um pouco mais um pouco de investimento no alfa e alarguem a linha. Existem troços onde o alfa precisava de uma linha própria pois este mal atinge as velocidades para o qual tem potencial. A quem anda de alfa, alguma vez o viram ir acima dos 120? 2 a 3 vezes na linha Porto Lisboa. Tivesse o alfa uma linha própria em algumas zonas e a diferença para o TGV seria pouca.
    Prefiro o aeroporto. Apesar da crise que fez cair o número de turistas, a Portela está quase a rebentar pelas costuras estando situada numa zona de algum risco (ie, no meio de uma cidade). A TAP tem um dos melhores serviços de manutenção de aviões na Europa e é constantemente requisitada por inúmeras companhias dando-se ao luxo de recusar clientes por falta de capacidade na Portela. Foi por isto que comprou a VEM (posso ter-me enganado no nome da empresa brasileira) para poder ampliar os seus serviços. Se há falta de espaço, não vejo porque não ampliarem aquele que irá ter mais rentabilidade (sim que caso não saibam, exceptuando 2 países europeus onde existem parcerias entre privados e governo, todos os serviços ferroviários dão prejuízos).

    Já agora, gostava de ver os seus argumentos contra o aeroporto.

    ResponderEliminar
  2. A balela mais bem vendida nos últimos tempos tem sido essa do “deve-se pelo menos fazer o Lisboa-madrid para ligar Portugal à Europa”. Ora vejamos: se eu morar em Braga, terei que viajar de comboio 350 km para sul, seguidamente 200 para leste e finalmente gramar mais uns 400 de novo para norte para chegar a Madrid. Total: 950 km a passear de “TGV” feito parolo só para chegar ao coração da Ibéria. Se for de carro basta-me fazer 500 km em auto-estrada e já lá estou. Enfim: existem “engenhêros” que fingem não saber que Madrid fica à latitude de Coimbra.
    Este traçado não liga Portugal a lado nenhum. Quando muito liga Lisboa a Madrid e deixa mais de metade da população portuguesa de fora. Ninguém no seu perfeito juízo irá do centro norte e norte para Madrid de TGV só para andar a passear de comboio pelo Alentejo. É mais uma daquelas atitudes meramente provincianas muito típicas de certas elites políticas lisboetas: nós também temos um TGV, ena! Excelente será para Badajoz, para a qual Madrid tem o plano de a transformar na capital da Estremadura ibérica. Estremadura essa que inclui parte considerável do sul de Portugal. Lisboa será uma espécie de Algeciras.

    Quem se preocupa verdadeiramente por estas coisas sabe que a ligação que nos intressa e que deveria ser absolutamente prioritária é a Aveiro-Salamanca que nos ligaria ao importante nó distribuidor de Medina del Campo/Valladolid. É a partir daí que se chega à Europa e não por Madrid.

    "Portela está quase a rebentar pelas costuras"

    Esta afirmação carece de comprovação. Existe uma folga considerável no que respeita a slots de aterragem e descolagem na Portela como se prova aqui:

    https://www.online-coordination.com/default.aspx

    A questão da Portela relaciona-se com o processamento de passageiros. Mas isso é mais uma questão organizacional do que de infraestruturas. O aeroporto dentro da cidade é uma enorme vantagem competitiva e não o contrário.

    ResponderEliminar
  3. Mas o problema da linha do Norte não passa só pelas velocidades mas sim pela saturação da linha.

    Quanto ao aeroporto, parece-me que a futura falencia da tap já é um bom argumento

    ResponderEliminar
  4. TGV com eles(políticos) sff.

    ResponderEliminar
  5. TGV para mim é puro capricho lisboeta. Daquelas coisas à portuguesinho que vive das aparências e de quem quer ter porque os outros também têm.

    Numa altura em que o governo fala em poupar, poupar e também em poupar... que tal por os contribuintes a pagar uma obra megalómana? E não me venham com os fundos europeus e coisa e tal. No final quem paga é sempre o mesmo, aquele que entra às 9h, sai às 19h e recebe um ordenado de miséria e sobre o estado ainda rouba uma parte...

    Mas enfim, é o país que temos!

    ResponderEliminar
  6. O TGV Lisboa/ Madrid é sem dúvida uma asneira e das grossas,porque a maioria das empresas e da população está de Rio Maior para cima.Seria por essa latitude que ainda se pode conceber a ligação á Europa,aliás como já é feita por Vilar Formoso.Seria muito mais interessante substituír o TGV por comboios tipo Alfa Pendular e alargar a rede ao Porto e a Vigo.Para o país que somos, seria mais do que suficiente e não andar a armar em rico só para vizinho ver

    ResponderEliminar
  7. "Já agora, gostava de ver os seus argumentos contra o aeroporto."

    Caro anónimo da 1:08,
    pode esperar sentado. O Pedro Morgado não os tem. Julga ele que não convém a Braga (e é isso que lhe interessa). Mas quem não conhece a realidade da carga da Portela também ignora o muito mais que Portugal poderia exportar se por exemplo houvese mais frigoríficos. Se a Espanha exporta produtos agrícolas para todo o mundo também tem a ver com a maior capacidade da carga de Barajas. Isto nem tem nada a ver com a TAP.
    De resto concordo com tudo o que diz relativamenet a passageiros. Só acho que a Portela deveria ser mantida (é uma vantagem para Lisboa), e o novo aeroporto não deve ser megalómano. Isto é diferente de suspendê-lo.

    Ao contrário do que é anunciado, a ligação Porto-Vigo não é um TGV: é mais próxima de um Alfa Pendular (em bitola europeia). Parece-me útil. De tudo o que me parece mais inútil é mesmo o Lisboa-Porto em TGV (este sim). Parece-me absurdo um país ter TGVs internos e não ter uma boa rede convencional. Muito mais importante seria uma reabilitação da Linha do Oeste com regionais e intercidades e uma construção de uma linha de urbanos Viana do Castelo-Barcelos-Braga-Guimarães, pela qual o meu amigo Pedro se deve continuar a bater.

    ResponderEliminar
  8. "Ao contrário do que é anunciado, a ligação Porto-Vigo não é um TGV: é mais próxima de um Alfa Pendular (em bitola europeia)"

    não, não é. na primeira fase, que poderá ser longa, será em bitola ibérica pelo menos até Braga. Será aproveitada a actual linha do Minho.

    ResponderEliminar
  9. e quanto à carga na Portela: descarregue-se no Montijo. Assunto resolvido.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores