As Obras Públicas

| Partilhar
Manuela Ferreira Leite prometeu riscar o TGV caso venha a ser eleita Primeira-Ministra. Porque a obra serve todo o país ao contrário das outras anunciadas, qualquer desistência do projecto do TGV deveria implicar que:

1. A gestão do aeroporto do Porto passasse a ser autónoma;

2. Compensação das áreas mais distantes do Aeroporto de Lisboa;

3. Diminuição acetuada do valor das portagens, em especial do Minho onde se pagam os valores mais altos do país;

4. Reforço das linhas férreas já existentes e contrução de novas ligações, em que a ligação entre Braga e Guimarães seria certamente prioritária.

Contudo, em face dos compromissos internacionais já assumidos, inclusivamente pelos governos do PSD, estou em crer que muito dificilmente estamos em condições de ponderar a suspensão do projecto do TGV. Mais: o que não se toleraria era que Manuel Ferreira Leite mantivesse a ligação Lisboa-Porto-Madrid, desistindo da ligação Porto-Vigo.

8 comentários:

  1. Sendo absolutamente contra o TGV, posição que não é de agora, a única linha que me levanta reservas de viabilidade é precisamente Porto-Vigo, enquadrada numa solução de desenvolvimento da região Norte, em conjunto com o aeroporto e porto de Leixões. Mas a sua viabilidade deveria ser estudada esquecendo a ligação Porto-Lisboa, a que menos dúvidas oferece tratar-se dum verdadeiro elefante branco, um TGV com 4 ou 5 paragens em 300 Kmas não é alta velocidade, é um embuste para delapidar o dinheiro do contribuinte, que poderia ser gasto na modernização da Linha do Norte, rentabilizando o investimento no serviço Alfa-Pendular, com a vantagem de poder dar trabalho a empresas portuguesas. Porto-Vigo tenho dúvidas, gostaria de saber mais, Lisboa-Madrid quer-me parecer que é mais uma daquelas obras para esbanjar dinheiro, que nunca rentabilizamos, este país está cheio delas...

    ResponderEliminar
  2. Portugal não precisa de TGV. Ainda aceito a linha para Madrid pela questão de estratégia a ligação à Europa. Mesmo com todas as dúvidas sobre os sua viabilidade. Lisboa Porto é a anedota de 30 minutos mais cara de sempre. Entre Porto-Vigo bastava uma comboio rápido e com paragem no aeroporto Sá Carneiro.

    Não consigo perceber é as críticas sobre as decisões tomadas anteriormente. Se a crise internacional já deu para nacionalizar bancos, oferecer dinheiro a empresas, se é tão grave que o PM diz que vai "salvar as empresas que puder", não poderá ser motivo para adiar um investimento não reprodutivo no imediato?

    ResponderEliminar
  3. porque não um simples pendular exactamente igual aos que já temos mas a circular sempre a 200kmh?
    segundo o google maps porto-braga-ponte de lima-vigo são cerca de 150km em estrada.
    qualquer comboio banal (ie com tecnologia do inicio dos anos 90 ou seja quase 20 anos) serviria para fazer esse percurso numa hora.

    ResponderEliminar
  4. A dinâmica Porto-Vigo é para daqui a 50 anos...
    Não há tradição de cooperação e desenvolvimento sócio-económico a não ser para as idas ao Corte Inglês e hoje nem isso...
    Se calhar, claro, tem que se ir trabalhando nisso, mas lentamente, de modo a aprontá-lo para daqui a 15 anos...
    Penso que é essa a estratégia do Governo, só que não o revela por razões de projecto, de dinamismo, crença na recuperação económica...
    De qualquer maneira, não podemos fugir ao progresso.Ainda me lembro, há anos, quando da implementação da TV a cores o PCP defendia que havia outras prioridades - e havia, de facto - mas a ideia avançou, apesar dos seus elevados custos, pela simples razão de que é impossível travar o progresso e tecnologia quando ela nos entra pela porta dentro.
    É também a imagem do país que está em causa perante o estrangeiro, daí, em épocas diferentes,o Centro Cultural de Belém, a Expo, a Vasco da Gama, Casa da Música...tudo obras que derraparam em termos de custos ...
    Ai já me esquecia dos Estádios...
    Mas como sou da bola..., mas estádios em Aveiro, Leiria e Bessa, convenhamos...
    Vá lá no Algarve, pronto, por razões de periferia e de desenvolvimento turistico...
    Estamos de facto condenados a armar ao pingarelho para dar nas vistas e não perder o comboio do progresso...dos ricos.

    ResponderEliminar
  5. Um TGV é inútil ainda mais com um linha pendular que não funciona com 100% de eficiencia e que ainda se está a pagar...

    Como Vimaranense (adoptado) acho mt interessante a ligação Braga-Guimarães, alguém tem desenhos ou propostas de trajectos por curiosidade?

    ResponderEliminar
  6. São curiosos os minhotos e nortenhos em geral.
    Vivem numa zona que está a 50 anos de distância de Lisboa mas quando lhes proporcionam uma oportunidade passam sem ela porque há outras prioridades.
    A linha Braga-Vigo não é TGV e é linha para passageiros e mercadorias. Não né difícil perceber que é rentável. Essa sim potencia a construção da ligação Braga - Guimarães e consolida a Euroregião. Fazendo o TGV Lx-Madrid não faz grande sentido o aeroporto porque ele já existe: Barajas.

    Excelente a ideia de que estádios vazios só no Algarve por uma questão de periferia. Não sabia que o Algarve com autoestrada sem portagem e um aeroporto internacional era periférico.

    Mas haverá em Portugal zona económica mais periférica que o eixo Cávado/Ave sem ligação ferroviária a Leixões, Sá Carneiro ou Vigo?

    ResponderEliminar
  7. Chamava a atenção a todos os interessados que foi constituída a Associação de Utentes dos Comboios de Portugal - Comboios XXI, nascida em Braga.

    Quem se interessa em ter uma voz neste e outros assuntos recomendo a visita a http://bragaporto40minutos.blogspot.com/2008/11/comboios-xxi-na-ix-comisso.html

    Agradeço ao Avenida Central a atenção.

    ResponderEliminar
  8. TGV Porto-Vigo na minha Modesta Opinião, não faz sentido.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores