Braga e o Turismo Religioso | 2

| Partilhar
«Com a extinção da Região de Turismo Verde Minho - que sempre apoiou monetariamente a Semana Santa de Braga - e a constituição da Entidade Regional de Turismo Porto e Norte de Portugal, não chegou até agora uma resposta concreta sobre que tipo de apoios vão ser concedidos pela nova estrutura que, reconheceu de letra, a importância de Braga no contexto do Turismo Religioso.»
[Correio do Minho, 29/03/2009]

O Minho não parece estar nas prioridades da recém criada Região de Turismo do Porto e Norte de Portugal. Depois de anunciados milhões para a região do Porto e Douro, os apoios à Semana Santa de Braga tardam em chegar. Recorde-se que, do ponto de vista turístico e cultural, a Semana Santa de Braga é um dos acontecimentos mais relevantes do país, atraindo milhares de forasteiros vindos de diversas partes do mundo, em particular da vizinha Galiza.

21 comentários:

  1. Da Galiza a Braga, alguma ovelha (tresmalhada?) virá de comboio?

    ResponderEliminar
  2. Não concordo com o financiamento público de uma "Semana Santa". Afinal, isto trata-se de uma celebração religiosa, particularmente de uma dada religião, nomeadamente o Cristianismo.

    Se o Estado financia uma celebração Cristã, deverá financiar também actividades relacionadas com o Ramadão? E o Festival das Luzes Judaico?

    No meu entender, o Estado deve permanecer laico e, consequentemente, não financiar qualquer actividade religiosa, evitando privilégios particulares e discriminação religiosa.

    ResponderEliminar
  3. Sendo assim, ainda não percebi qual a pressa da oposição em aderir a uma região de turismo em que o Norte é sinónimo de promoção do Porto e do Douro...

    ResponderEliminar
  4. Mas para ter apoios não era necessário que Braga concordasse em fazer parte da Região de Turismo?

    Ou Braga está a tentar adoptar a velha táctica do cão que ladra para ver se cai osso, levar uns afagos no pêlo e continuar descansadinho?

    ResponderEliminar
  5. É por isso que eu tenho dúvidas que a regionalização, considerando apenas uma região que abarque todo o Norte, seja do interesse dos distritos de Viana do Castelo, Braga, Bragança e Vila Real.

    ResponderEliminar
  6. Certamente que enquanto Braga não aderir à nova entidade regional de Turismo não poderá receber apoios para a Semana Santa, nem para outras iniciativas. Mesquita Machado é o único responsável da situação que se vive.

    ResponderEliminar
  7. Caro José Pedro Magalhães,

    Se os eventos de outras confissões religiosas encherem os hotéis e restaurantes de Braga como a Semana Santa, acho que o Estado deve contribuir.

    ResponderEliminar
  8. As coisas só se resolvem com Minho como Região Autónoma.Autonomia para o Minho,já.

    ResponderEliminar
  9. Até estava a estranhar.

    O Minho não é Braga. O Minho não é Braga. O Minho não é Braga.

    A não ser para "alguns, demasiados" bracarenses.

    Então a sede da Região de Turismo do Porto Norte de Portugal não está no Minho. Ou será que Viana do Castelo não é Minho.

    ResponderEliminar
  10. O Minho nunca foi nem será prioridade nenhuma do centralismo de Lisboa ou do Porto.A solução passa pala autonomia do Minho.A Madeira e os Açores são exemplos de emancipação face aos poderes estranhos e longínquos.Aos minhotos resta-lhes lutar por uma verdadeira autonomia até porque potencialidades não lhes faltam.

    ResponderEliminar
  11. Minho, a única regionalização que aceito...

    ResponderEliminar
  12. "O Minho não é Braga"

    Pois não mas todo o corpo precisa de uma cabeça.

    ResponderEliminar
  13. "Ou será que Viana do Castelo não é Minho."

    Tendo em conta algumas posições políticas do passado recente, tenho as minhas dúvidas se ainda resta algo de minhoto nessa cidade...

    A instalação da sede do Turismo Religioso é, na minha opinião, uma mera ilusão. Braga, ao contrário de Viana, deve preocupar-se em assegurar um investimento no "terreno" que traga mais valias e visitantes à cidade, à semelhança do que está a ser feito no Porto e no Douro.

    ResponderEliminar
  14. Em poucas cidades se nota tanto como em Viana o gosto pela terra, pelas tradições, pela região e pelas suas gentes como na Princesa do Lima. O orgulho em ser minhoto está patente em cada acto dos vianenses e não só uma vez por ano, aquando das festas de Nossa Senhora da Agonia.

    O resto do Minho deveria em muitos aspectos tomar como exemplo Viana.

    O urbanismo da cidade, a envolvência muito bem conseguida do rio com a cidade (a revista britânica Wallpaper considerou Viana do Castelo uma Meca da arquitectura), o orgulho que as gentes têm de se afirmar como vianenses e MINHOTOS, coisas que, quem vê de fora, porventura poderá não ver ou não quererá ver... E que tem como consequência estas discussões bizantinas acerca de coisas que não se podem medir a menos que se invente um minhómetro...

    Que se discuta a implementação da Região de Turismo e como esta deveria ser estruturada com base na racionalidade. Mas repito, com racionalidade, porque no passado muita gente andou à chapada porque achava que o vizinho não era loirinho de olhos azuis que chegue ou que não gostava do Jesus o bastante para viver...

    Quanto à regionalização, totalmente a favor. Agora nunca usar a Madeira como exemplo, não quero fazer parte de uma região que se diz forte economicamente mas que 60% do seu PIB vem do erário público...

    ResponderEliminar
  15. Como de uma discussão de financiamento de uma iniciativa concreta se passa à discussão bairrista do quemé mais impoortante...

    É pena.

    De facto, sobre a questão, é lamentável que o acontecimento maior de Braga não receba apoio de uma instituição que tem por objectivo promover o turismo de uma qualquer região.


    Queira-se ou não se queira o turismo de Braga ou mesmo o dos outros concelhos vizinhos é eminentemente religioso

    ResponderEliminar
  16. "Tendo em conta algumas posições políticas do passado recente, tenho as minhas dúvidas se ainda resta algo de minhoto nessa cidade"

    Por muito que custe a certos "minhotos" o que melhor representa o Minho, são indiscutivelmente os seus costumes e as suas tradições e aí, Viana do Castelo é indiscutivelmente a sua Jóia, a sua representante Môr.

    Em nenhuma outra terra, estes valores são tão afirmados e transmitidos de geração em geração.

    Ser Vianense é um estado de alma que não se explica por mais Romarias da Senhora da Agonia em que participemos.

    Já agora, é o coração de Viana, são os brincos de Viana, é o traje à Vianesa (não à minhota como por vezes se diz, sabe-se lá porquê).

    Conhece outra terra e outras gentes com tantos símbolos que a toda a hora representam Portugal.

    Que outra cidade além de Lisboa cantou Amália ?

    Que outra cidade, faz com que os seus "netos" façam tanta questão de regressar todos os anos só para se sentirem Vianenses e Vianesas?

    Numa coisa o senhor têm razão, e aqui discordo do meu conterrâneo, pode já não existir muito de minhoto em Viana do Castelo mas garantidamente há muito de ALTO MINHOTO que é aquilo que eu sinto que sou, e sabe porquê?

    Exactamente por causa da forma sobranceira e pouco humilde com que Braga e muitos bracarenses sempre fizeram questão de afirmar.

    Quando falam do Minho estão sempre mas sempre a falar de Braga.

    Existe na realidade outro Minho para além de Braga e isso é que coisa que muitos de vocês, não compreendem.

    De um Vianense e Alto Minhoto

    ResponderEliminar
  17. A partir do momento que Viana preferiu aliar-se ao Porto e se desentendeu com os restantes concelhos do Minho, deixou ter legitimidade para discutir as questões fundamentais da região envolvente.

    Ser minhoto é muito mais do que exibir tradições e festividades. Ser minhoto é acima de tudo defender os interesses e a união da região.

    É aí que Viana falha...

    ResponderEliminar
  18. Aaliar-se ao Porto. Em que momento e em quê?

    Foi exactamente por se afastar do Porto e Braga e decidir o seu próprio caminho, que Viana do Castelo conquistou o espaço que hoje incomoda tanta gente.

    Há uns anos garantidamente nem se preocupariam com Viana do Castelo.

    Já agora explique-me o que é ser Minhoto.

    Explique-me o que é a Região do Minho desde a sua fundação e que proveitos daí vieram?

    Dou-lhe alguns exemplos que em tempos abordei:

    A7 termina aonde? Vila do Conde.
    A11 termina aonde? Apúlia.
    A3 passa aonde? 25 km de Viana do Castelo.

    Universidade do "Minho". Braga e Guimarães.

    O projecto do Metro. Braga, Guimarães, Barcelos, Famalicão.

    O Caminho de Ferro só Braga e Guimarães.

    São tudo meras coincidências.

    "Ser minhoto é muito mais do que exibir tradições e festividades. Ser minhoto é acima de tudo defender os interesses e a união da região"

    Deveria completar "desde que Braga seja o centro dessa mesma Região".

    ResponderEliminar
  19. Meu caro,

    Se considera que Viana deve ser um concelho limítrofe, isolado dos restantes concelhos do Minho, lamento...
    Eu acho que Viana deveria assumir um papel liderança na região envolvente, de acordo com o seu estatuto de capital de Distrito.

    Quanto a seu pensamento de que eu considero que Braga deve ser o centro do Minho, dou-lhe um conselho, limite-se a emitir as suas proprias opiniões em relação ao assunto em questão. Eu cá estou para emitir as minhas, não preciso de procuradores.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  20. Mas a entrada de Braga na entidade regional de turismo deve estar sujeita à negociação prévia de qual o financiamento deste ano para um evento específico?

    É assim que se defende o interesse de Braga? Não está em causa saber qual a política da entidade para a região, como promover a região norte, o minho e braga de uma forma integrada. Não está em causa o modelo de governance. A única coisa é o dinheiro específico para este ano?

    Portugal aderiu à CEE por causa dos fundos que receberia em 1986, e independentemente das outras condições propostas?

    Braga está a focar-se nas coisas erradas (independentemente da relevÂncia do evento, que se quer com cada vez maior notoriedade internacional).

    ResponderEliminar
  21. Meu caro

    Limitei-me a referir alguns argumentos que gostaria de ver constestados. Compreendo o seu incomodo porque a verdade é sempre a verdade, aqui, ou na China.

    "Quanto ao seu pensamento de que eu considero que Braga deve ser o centro do Minho, dou-lhe um conselho, limite-se a emitir as suas proprias opiniões em relação ao assunto em questão. Eu cá estou para emitir as minhas, não preciso de procuradores".

    Concerteza que não o disse, mas também não precisa. As palavras falam por elas.

    Mas todo o seu comentário é no mínimo engraçado, pois atribui-me uma opinião que eu, em momento algum proferi,de que Viana do Castelo "deve ser um concelho limitrofe".

    Afinal em que ficamos.

    Para a próxima, leia cuidadosamente o que escreveu.

    Pode pré visualizar e evitará acusar os outros exactamente daquilo que faz.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores