A Mulher de César?

| Partilhar
Num país em que autarcas assumem nos tribunais que fugiram a impostos e em que altos dirigentes do Estado são suspeitos de corrupção, pode parecer normal que um empresário condenado por tentativa de corrupção seja nomeado para a presidência do conselho de administração de uma empresa pública.

Ricardo Sá Fernandes diz que «é um insulto», o Bloco de Esquerda fala em escândalo. A ética política anda pelas ruas da amargura e a culpa é nossa que os elegemos.

12 comentários:

  1. enganaram-se de certeza. essa noticia era para sair amanha, pois só pode ser mentira

    ResponderEliminar
  2. Minha não é!

    Nunca foi com o meu voto Que Magalhães venceu até 98, nem a partir desta data em Vizela. Os presidentes de junta e a maioria dos deputados municipais também não.

    Este argumento de que a culpa é de todos, favorece e aplaude o sistema da rotatividade: PS, PSD, CDS e CDU em algumas autarquias.

    ResponderEliminar
  3. É difícil acreditar que isto seja verdade. Agora é que vai ser um fartar vilanagem. Sinceramente, a impressão que me dá é que o Eng. Mesquita Machado e a enorme legião de evençados políticos que se refastelaram à grande e à francesa nas mais de três décadas de poder do autarca, estará em fim de festa. E ainda bem para os bracarenses. Cheira-me que nos próximos anos ainda vamos ouvir falar nesta Braval. E pelos piores motivos possíveis. Oxalá eu me engane.

    ResponderEliminar
  4. O que é também certo é que só o BE (em Braga e nacional) tomou posição. Porque estão em silêncio os restantes partidos?

    ResponderEliminar
  5. Os próximos tempos vão ser de guerra sem quartel, sem regras, do tipo vale tudo, lá prás bandas do município.
    Até eu já fui convidado pessoal e directamente para integrar uma lista PS às próximas autárquicas. Imaginem as preocupações desta gentinha...
    Abraço

    ResponderEliminar
  6. O que é certo é que a BRAVAL é composta por três municípios PSD e todos votaram favoravelmente. O Mesquita machado também serve de saco de pancada para tudo, não é Miguel Teixeira???
    Não vi o Ricardo Rio pronunciar-se contra!!
    Não que eu esteja de acordo com a decisão, mas não me parece que o Presidente da Câmara de Braga seja o culpado de tudo o que acontece.
    Com a agravante de a administração da AGERE ser rotativa e a empresa do consórcio responsável neste momento é a Rodrigues e Névoa, como foi a DST até à pouco tempo atrás.
    Só se Miguel quiser comprar a participação do Névoa na sua empresa é que o pode impedir de ele zelar pelo seu património.

    ResponderEliminar
  7. Estamos em Braga(cidade de Portugal), nada de Novo!!
    Mas afinal todos se queixam mas eles não vão para o "poleiro" sozinhos.

    ResponderEliminar
  8. Porque está o Dr. Ricardo Rio calado? É que eu até estava a pensar votar nele. Mas, parece-me que afinal o objectivo é ocupar um lugar por ocupar e manter este incrivel défice democrático que existe em braga. É que as razões pelas quais ia votar em Ricardo Rio sustentavam-se no desejo de uma verdadeira social democracia em Braga: com serviços públicos de qualidade e com transparência em todos os orgaos populares.

    Algo vai muito mal. Quando começo a ponderar votar em todas as eleições de 2009 num dos partidos de extrema-esquerda...

    ResponderEliminar
  9. Caro anónimo, nada tenho contra o Mesquita Machado, e considero que Braga foi das cidades em Portugal que mais cresceu no pós 25 de Abril, nem sempre da melhor forma possível (urbanisticamente falando é claro), mas a verdade é que cresceu e potenciou atractividade. Hoje a cidade de Braga e o que ela representa, para o bem e para o mal, mais para o bem na minha opinião, deve-se à capacidade do Eng. Mesquita e isso é indesmentível. Agora, há questões como a longo consulado de mais de trinta anos, que eu questiono, porque entendo que a renovação de cargos públicos é fundamental em democracia, principalmente para manter a transparência e evitar tráfico de influências, e favores, que tantas vezes estão associados a corrupção no exercício de cargos públicos. Quanto à nomeação de Névoa para a braval, com certeza que concordará comigo, que haveria gente com mais competência, com mais juventude, com mais perfil para o cargo e já agora com melhor imagem pública para o ocupar. O meu apontamento prende-se apenas com isso.

    ResponderEliminar
  10. Na névoa do horizonte já só se vislumbra um Portugal dos Pequeninos.Palavras para quê? São "artistas" portugueses o Zé pagode é cego.

    ResponderEliminar
  11. Até posso perceber que integrando Névoa ( sua firma) o capital social da Braval possa ser eleito Presidente do Conselho de Administração...
    Mas a questão é de "timing" politico...
    Os conselheiros de Mesquita Machado estão anquilosados, pelos vistos, e o animal politico que há nele está a traí-lo...
    É muito fácil dizer que, sem trânsito em julgado, há a presunção da inocência, mas ( além do mais Névoa tinha que ser protegido), este momento não era o ideal para a nomeação, mesmo que no carrossel da rotação de dirigentes fosse a vez da Firma Rodrigues e Névoa presidir à Braval.Ou será que quiseram reabilitá-lo, como ao Cónego Melo quando há alguns anos, antes da prescrição do crime do Padre Max, quiseram homenagea-lo?É que Névoa é, antes de tudo um empreiteiro novo rico que, por isso mesmo, reune consensualmente o ódio dos tesos pequenos burgueses bracarenses (mais ou menos intelectuais)e, agora, também dos nacionais...
    Conclusão: um nome famoso por maus motivos deveria ser preservado a esta ridicularia.

    ResponderEliminar
  12. Miguel G. Teixeira, Braga cresceu em quantidade de cimento. No resto, não cresceu nem um centímentro.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores