Referendo 2009: Viana Continua Isolada

| Partilhar
Os vianenses disseram em referendo que preferem continuar orgulhosamente sós no contexto das Comunidades Intermunicipais do Minho. O resultado, embora com uma enormíssima abstenção, diz muito sobre o populismo do municipalismo português. Ao chantajar os eleitores fazendo depender a sua continuidade da vitória do Não, Defensor Moura transformou o referendo de Viana numa espécie de primárias das próximas eleições autárquicas. Desta experiência de Viana, sobram várias conclusões sobre as quais podemos reflectir:

1) os vianenses escolheram não integrar nenhuma Comunidade Intermunicipal, furando a estratégia delineada pelo próprio Partido Socialista. Embora conscientes das fragilidades da Lei, a verdade é que trabalhar numa perspectiva integrada nos parece mais vantajoso do que limitar os horizontes do progresso e da modernidade ao próprio umbigo;

2) não se tratando da solução perfeita, as Comunidades Intermunicipais são um passo intermédio rumo à regionalização. Estamos em crer que a regionalização, no âmbito de um processo alargado de reorganização administrativa do país que inclua a fusão e a extinção de alguns concelhos e freguesias, se constitui como a melhor resposta para os desafios actuais do país e da região;

3) os referendos em Portugal são invariavelmente pouco participados e os debates que os precedem resvalam com demasiada frequência para um populismo folclórico. Salvo raríssimas excepções, o âmago das questões nunca é debatido em profundidade e as populações não são verdadeiramente envolvidas num processo consciente de tomada de decisão;

4) o municipalismo português está invariavelmente associado a um indesejável culto da personalidade. Mais do que ideias e projectos, as eleições municipais são um escrutínio ao senhor simpático que pagou as viagens a Fátima, que arranjou o passeio lá da rua e que ofereceu os cabazes de Natal aos "desfavorecidos" do bairro.

Texto editado às 1.30 de 26 de Janeiro de 2009.

24 comentários:

  1. Se é assim com o Alto Minho, como é que se podia aliar a Braga para o Minho?
    Prefere o Porto, pois claro...
    Assim ficam todos rapados e iguais (Braga, Guimarães, Viana, Vila Real, Bragança...) a bajular o Porto...
    Mas tal facto não pode afastar, por si só, Viana do apoio dos fundos estruturais.Se a lei o prever, só pode ser inconstitucional...
    Mas isto também demonstra que as uniões só interessam quando se podem controlar...
    Braga não quer perder para Viana, Viana não quer perder para Melgaço...

    ResponderEliminar
  2. Uma vitoria da demogagia e do populismo..Sem duvida que Viana fica a perder com esta decisão e pouca gente entendeu isso, dai a elevada abestenção...

    Apenas um ponto positivo nisto tudo, uma vitoria sobre o oportunismo politico dos partidos que na assembleia da republica votaram não a esta lei do associativismo dos municipios e agora estavam do lado do sim, vale tudo contra a câmara...

    No geral, saio desiludido..

    ResponderEliminar
  3. Salem,

    O mesmo se aplica ao partido que votou SIM e agora esteve do lado do NÃO.

    Com uma agravante: perante uma lei aprovada, só a posição da oposição é legítima.

    ResponderEliminar
  4. Boas noites

    O NÂO ganhou. Não, ganharam os Vianenses e os Alto Minhotos e acredito mesmo que o País, pois finalmente tivemos alguém com coragem de não ser, políticamente correcto.

    Continuar orgulhosamente sós... populismo do municipalismo português....palavras do Pedro Morgado.

    Quanto ao populismo, por quem Deus mandou o recado.

    Será que existe maior populismo que a ligação Política / Futebol, Política / Religião?

    Será que existe outro concelho neste País,ondes estas ligações são mais fortes que em Braga?

    Julgo que não.

    Será que alguma vez Pedro Morgado denunciou estas ligações, ou por outras palavras lhe chamou de populistas??

    Penso que não e se estiver errado, desde já peço desculpa.

    Orgulhosamente sós.

    Mais uma vez se fala do Alto Minho com um desconhecimento que em nada abona quem tanto fala de uma hipotética porque é disso mesmo que falamos "Região do Minho".

    Os Alto Minhotos identificam-se a todos os níveis como Alto Minhotos, mesmo os que defendiam o SIM, neste referendo.

    E as gentes de Braga (Distrito) como se intitulam?

    Os de Braga (concelho) Minhotos.

    E os dos outros Concelhos??

    Quando os Alto Minhotos se dizem Alto Minhotos, dizem-no em oposição ao Minho e nada disto vai mudar com a vitória do NÃO.

    O Alto Minho, continuará a ser o Alto Minho e por muito que custe, é e continuará a ser indiscutivelmente, a região com maior identidade colectiva do Noroeste Penilsular e quanto a isso nada nem ninguém irá conseguir mudar.

    Viana do Castelo sempre foi o maior empregador do Distrito, agora, por razões que tem haver com o encerramento de várias empresas nos concelhos de Vila Nova de Cerveira e Valença é o ainda mais, pois é aqui, que as gentes desses Concelhos e também porque não dizê-lo de Esposende, e Barcelos encontram a sua tábua de salvação.

    Quanto ao populismo e só para terminar vou dizer ao Pedro Morgado o seguinte.

    Conheçe algum Concelho nos Distritos de Braga e de Viana do Castelo que tenha colocado todas as suas áreas industriais incluíndo os novos que estão em início de execução, nos limites do Concelho, com todas as vantagens para as gentes dos outros Concelhos?

    A unidade faz-se com actos e não com palavras e quanto a isso, os VIANENSES , NÃO RECEBEM LIÇÕES DE NINGUÉM.

    De um Vianense e sempre Alto-Minhoto que votou NÂO.

    ResponderEliminar
  5. O Pedro Morgado anda muito distraído em relação a Viana do Castelo.

    A concelhia do PS de Viana do Castelo é que esteve do lado do NÂO, porque a Distrital, as duas deputadas e alguns elementos de Viana do Castelo votaram SIM.

    O seu a seu dono.

    ResponderEliminar
  6. Não Pedro, o PS curiosamente, através dos deputados do distrito estava do lado do sim..em termos politicos só uma equipa da camara é que defendia o não..

    Aliás, o ps como seria de esperar nem podia falar muito, isto era um verdadeiro pau de dois bicos...

    ResponderEliminar
  7. A atitude que se critica a Viana não é a mesma que defendem para Braga quando a questão que se põe é a Região Norte?
    Eu estava tentado a pedir coerência, mas isso é coisa que por aqui nunca abundou.

    ResponderEliminar
  8. Caro António Alves,

    Não, não é a mesma. O que defendo para Braga é uma unidade com o restante Minho. O que Viana defende é o isolamento.

    Caros anónimos e Salem,
    A concelhia do PS de Viana também é PS, ou não?

    ResponderEliminar
  9. eu não falei da concelhia de Viana do Ps..

    ResponderEliminar
  10. Salem,

    O que eu disse e digo é que o PS em Viana também mudou de opinião.

    ResponderEliminar
  11. Ainda há alguns fóruns de debate capazes no Norte fora da Blogosfera. A fundação social do Porto é um deles. E deixo aqui link para o debate desta semana, para quem se interessar pelo tema:
    http://ovalordasideias.blogspot.com/2009/01/e-agora-obama-debate-sobre-relao-entre.html
    Obrigado,
    CS

    ResponderEliminar
  12. Deixe-se de demagogias. Primeiro convinha perguntar ao Minho se quer o que vocês pretendem. Segundo, Viana não defende o isolamento: Viana defende que o seu peso demográfico seja levado em conta. Apenas isso. Aliás, o problema destas putativas 'comunidades' nunca se colocaria numa Região Norte unida (aquilo que que vcs combatem) porque aí, por força da lei, cada homem vale um voto. E isso alguns não querem. Têm medo da Democracia.

    ResponderEliminar
  13. se morasse em viana, votaria sim. também me parece uma atitude isolacionista.

    mas pondo a mão na consciência, Braga, como terceira cidade do país, é bem mais isolada. tirando a ligação (e crispada) com guimarães, muito por conta da UMinho, parece-me estranho como é que nestes anos todos, braga tenha crescido "fechada"; ainda não há ligação ferroviária e viária directa para Viana. não há nenhum eixo de intercâmbio cultural, académico, ou em qualquer outra área, com Viana. A AIMinho ainda terá algumas ligações a outras cidades... de resto, Braga isolou-se bem mais, não interage com Porto, Barcelos, Viana. Não interage com o país, execepto pela UMinho.

    Tendo vivido noutras cidades, noto a diferença. Agora se a culpa é dos Bracarenses, já não sei.

    Ás tantas dá jeito a alguns que ninguém no país saiba o que por cá acontece...

    (impressionante como no Porto e em Aveiro há um desconhecimento geral sobre Braga e acerca de Braga)

    ResponderEliminar
  14. O resultado deste referendo foi uma pesada derrota para os defensores da "Região do Minho", em particular para o seu líder, Mesquita Machado e para o seu homem de confiança no distrito de Viana, Rui Solheiro. A estratégia de esvaziar Viana de poder, diluindo a sua influência a todos o níveis para que Braga se assumisse como "líder natural" da região Minho, acabou ontem, nas urnas, pela vontade expressa e soberana do povo de Viana. O desenvolvimento económico e social do Alto Minho passa por uma integração em "pleno direito" numa futura região Norte, liderada pelo Porto, com massa crítica suficiente e renunciando de uma vez por todas a "caciques e caciquismos" que tão mau resultado têm dado quer a Viana quer a Braga. Para os derrotados, que agora choram e culpam a abstenção, a falta de informação, etc. - os Vianenses não se deixam enganar pelo "Choro das Hienas". Bem hajam os que estão por bem!

    ResponderEliminar
  15. Triste, foi assistir na TV à ignorância dos vianenses em relação ao referendo...

    Limitaram-se a escolher seguindo indicações alheias, sem ter consciência das consequências de tal acto.

    A "democracia" provinciana no seu melhor.

    ResponderEliminar
  16. As Cim não são pontes de passagem para a regionalização, pelo contrário, podem ser a sua substituição.

    Criaram-se com o objectivo único da possibilidade de arrecadarem "massa" da UE.

    Os executivos e a assembleia serão distribuidos pela malta que domina a Câmara de cada concelho.

    Não há eleição para esta "tropa", claro, o que interessa são os fundos e rapidamente.

    É triste todos os partidos abanarem a cabeça a este golpe anti-democrático.

    Os deputados europeus portugueses acataram sem discutirem uma alternativa!

    ResponderEliminar
  17. Apenas tomei conhecimento dos argumentos de uma forma muito breve.

    Há que dar razão quanto ao argumento do peso do voto. E em boa verdade, só essa razão bastaria para que Viana não entrasse na Comunidade. Não é assim nas eleições para as várias assembleias, nem é assim no peso do voto de cada país, dentro da UE - sem prejuízo das críticas que se possam fazer a esse modelo e ao possível peso "a mais" ou peso "a menos" de alguns países.

    ResponderEliminar
  18. «O que Viana defende é o isolamento.»

    Pelo contrário, Viana apenas não defende este modelo de união. E há que reconhecer os méritos da sua argumentação. Como referi no comentário anterior, considero que, aquele ponto apenas, bastaria para rejeitar esse modelo.

    De qualquer modo, os poderes destas comunidades são muito limitados. e os "horizontes do progresso" são limitados pela sua própria natureza e pela não eleição, pelo seu universo de cidadãos, de um líder e de uma equipa. Os projectos que se concretizarem terão uma boa dose de mero acaso e de eventual convergência de uma "personalidade", com uma outra "personalidade", como (bem) os apelidas. Tratam-se de pessoas que conseguem ser reeleitas no seu município, mas que dificilmente seriam eleitas no município vizinho e muito menos numa eleição regional ou intermunicipal.

    ResponderEliminar
  19. Meus Amigos, que fique claro o seguinte: Sou a favor da Regionalização, as assimetrias são claramente demonstradas e provam o centralismo existente na nossa classe Politica...LISBOA.
    Há um factor que convém efectuar-mos uma analise profunda: Caso haja referendo na próxima legislatura sobre a Regionalização...cuidado é a segunda, já que a primeira foi efectuada através do Pioneiro na altura: Marcelo Rebelo de Sousa.
    Se há segunda não passar então esqueçemos de vez a regionalização.
    Faça-se quando a mesma estiver bem debatida-Madura.

    ResponderEliminar
  20. Tal como um anónimo que por aqui passou, também eu sou um vianense de carne e osso. Votei Sim!

    E não votei contra o isolamento e esses blás, blás todos. Votei sim porque não admito que alguém, com a mania que é superior, ache que lá por ser do maior distrito tem que ser ele a mandar. Não tem. Ponto final.

    E conto uma história rápida! Esse mesmo senhor quando "liderava" a Liga dos Amigos do Hospital, e ele vangloria-se disso, não aparecia às reuniões, era preciso andar a trás dele para assinar papéis e depois quando aparecia acabava com tudo o que, entretanto, tinha sido planeado.
    Há, inclusive, uma situação contada na altura: uma iniciativa apresentada em conferência de imprensa, com datas e convidados marcados foi adiada porque o tal senhor, num acesso de fúria (digo eu), lembrou-se que não tinha estado presente na dita conferência de imprensa. O mais curioso é que foi ele que deu o aval para a data da apresentação pública, uma vez que tinha ido a um país qualquer a convite de uma indústria farmacêutica...

    Tinha decidido, depois do resultado do referendo mudar a minha domiciliação partidária. Mas depois de pensar achei que era melhor não: o meu voto pode ser importante nas próximas eleições, nem que seja por ser o único contra...

    ResponderEliminar
  21. Em resposta ao Post anterior do Minho Conection, Tenha vergonha, já viu as afirmações que fez? "uma iniciativa apresentada em conferência de imprensa, com datas e convidados marcados" - era conferência de imprensa ou um casamento? - " foi adiada porque lembrou-se que não tinha estado presente na dita conferência de imprensa" - afinal houve ou não, ou o evento foi adiado porque o senhor não tinha estado no evento? ou o ovo e a galinha? - "tinha ido a um país qualquer a convite de uma indústria farmacêutica..." - mas que vigarista esse senhor, ir a um país qualquer, ao menos podia ter ido a um país de jeito e ainda por cima pago por uma farmacêutica, que tristeza, um político que se preze gasta dinheiros públicos, não anda a ofertas de empresas de remédios. Já agora gostava de saber qual o país e qual a indústria farmacêutica em causa e em que ano foi isso, mas presumo que não deva saber porque É MENTIRA SUA. TENHA VERGONHA NA CARA.

    ResponderEliminar
  22. Para se debater realmente sobre este tema há que conhecer minimamente a lei 13/05/2003 (se não tou em erro), ver o que os senhores do psd da altura quiseram fazer para tapar o buraco da asneira por não terem apoiado a regionalização, e ver as belas estruturas administrativas que essa lei permite criar...

    Depois disso pode-se falar com mais calma sobre o referendo à CIM Minho e Lima e o que de bom ou mau veio do resultado do referendo.

    Mas, como vianense, tenho obviamente de admitir que acho que 90% das pessoas certamente votaram sem saber no que estavam a votar...

    Mas também quem sou eu para saber o que se passa na cabeça das pessoas, bem como o seu grau de esclarecimento em relação a este tema em concreto... ainda não tive aulas com o professor Karamba... Logo não vou colocar em crise hipotéticos casos de caciquismo, nem pôr em causa a inteligência dos munícipes vianenses, tão bem esclarecidos como qualquer bracarense que há boas décadas vota sempre Mesquita.

    A isto chama-se democracia, e nela, o povo é quem mais ordena, seja para o bem ou para o mal. Daí que se costume dizer que cada um tem o que merece...

    ResponderEliminar
  23. Ao Pedro Morgado

    Tenho a impressão que te sentes um pouco incomodado com os meus comentários e não tens razão para isso, afinal, limito-me a transcrever os meus pensamentos como pessoa livre que sou Vianense e Alto Minhoto.

    Voltei a este post e tive a curiosidade de clicar no sublinhado "fragilidades da lei".

    Afinal os que votaram no NÂO em Viana do Castelo e onde me incluo, pelo vistos não estão isolados e muito menos sós.

    Pelos vistos, outras gentes noutros concelhos, tem o mesmo ponto de vista.

    Já agora, votei NÂO.

    NÂO, porque não me revejo numa Comunidade Inter Milhões (CIM).

    NÂO, porque mesmo antes da aprovação desta Lei já os Vianenses a contestavam conscientes que era uma má lei.

    (O Prós e Contra foi disso o melhor dos exemplos, ninguém a defendeu)

    NÃO, porque mesmo antes da aprovação desta Lei já se sabia quem seria o seu "Presidente".

    NÂO, porque como Alto Minhoto nunca ninguém me perguntou quem deveria representar o meu Distrito.

    Votaria SIM, se ela fosse na realidade uma Comunidade Inter Municipal em que toda a gente se sentisse como parte de algo que não se junta sómente por razões dos milhões a distribuir, qual espólio de uma conquista.

    Votaria SIM, se esta comunidade nascesse por razões de identidade.

    Votaria SIM, se os dados não estivessem viciados antes do jogo.

    Votaria SIM acima de tudo porque sou Vianense e Alto Minhoto.

    De um Vianense, Alto Minhoto que votou não.

    ResponderEliminar
  24. Bem, este post veio mostrar, acima de tudo, que há muita gente na blogosfera de Viana e com vontade de discutir a cidade e a região..Eu propunha a criação dum blog sobre Viana ou mm o Alto Minho aos bloggers e anonimos do alto minho que vieram aqui comentar para assim podermos ter umas discussões de qualidade..Se quiserem, eu estou muito interessado..

    Est post mostra também que, não é por falta de audiencias de comments, que o Alto Minho não possa ser discutido aqui..

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores