A Crise Social do Minho [2]

| Partilhar
«A Delphi, empresa de componentes de automóveis, tem em curso um processo de lay-off na unidade industrial de Braga.» [Público]

«Também em relação aos números do desemprego, António Marques é da opinião que estes devem rondar os 12% na região, ainda este ano. "Isto não tem a ver com partidos políticos. Tem a ver com a falsidade de powerpoints que andam a projectar no país."» [Jornal de Notícias]

«A empresa "Fehst Componentes", situada no complexo Grundig, em Braga, quinze dias depois de iniciar o processo de redução temporária do período normal de trabalho, mais conhecida como lay-off, atribui gratificações significativas a alguns trabalhadores da empresa.» [Jornal de Notícias]

«A Qimonda alemã, cuja filial em Portugal é o maior exportador nacional, entrou hoje em processo de falência[Público]

«Cento e cinquenta trabalhadores da empresa Intipor, em Figueiredo, Amares, vão engrossar a longa lista de desemprego do distrito de Braga. Após reunião com a administração ficou decidido pedir a insolvência.» [Jornal de Notícias]

2 comentários:

  1. Processo de insolvência afecta fábrica com 1800 trabalhadores (alguns do distrito de Braga) na fabrica de semi-condutores Qimonda, a maior exportadora nacional.

    ResponderEliminar
  2. Há lay-offs e lay-offs. O problema é que os "nossos" só servem para poupar, enquanto que há empresas (poucas, ainda assim) que fazem lay-offs também como um investimento. Investem, nesse período de tempo, na formação desses trabalhadores, para que, quando voltarem, sejam melhores, mais capazes, mais inovadores, mais eficientes.

    Mas sobre isso já escrevi em Novembro: http://jorgesousa.net/economia/o-que-uns-nao-sabem/

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores