7 Horas, 60 Quilómetros

| Partilhar
Lameira 02 Neve 09012009

Num país à espera de feriados, toda a oportunidade conta para descartar responsabilidades aborrecidas. Assim se terão portado, porventura, parte dos responsáveis da IEP e AENOR, que coitados, pouco acostumados como eu a uma borrasca maior de neve, não se adiantaram às consequências (pre)visíveis da intempérie. Nem um limpa-neves nem um punhado de sal que se deitasse em 60 km, entre Braga e Cabeceiras de Basto.

Vergonhoso. Sou cliente da AENOR desde que montaram barraca(s) com portageiro. Deixo-lhes como quem não quer a coisa - e não quero - à volta de 500 euros anuais em tarifas. Não me ofereceram fatia de pão-de-ló, nem caneta, nem garrafa de Porto pelo Natal, como faz o merceeiro ou o dono do café central - com mais razões de queixa de mim. Ainda mal acabados os Reis e mandaram-me para a EN 206, entre Fafe e Arco de Baúlhe, estrada que já mal me lembrava de quantas curvas tinha e por que lugarejo passava, sob alçada de IEP e Câmaras tão pouco para ali virados. Pouco mais amanharam que carros de bombeiros. Contei meia dúzia de cantoneiros a fazer bonecos de neve e a imitar palestinos. Mesmo assim, que para trás mija a burra, adiantei-me valente, fazendo patinar o velho mazda quentinho por dentro de chauffage ao máximo, ziguezagueando como o orçamento do governo a cada pára-arranca, em guinadas, para não esfregar a pintura de alheios e os calços ao GNR de tenra idade, que quase me enviava à valeta porque insistiu em parar-me para aconselhar que conduzisse com cuidado - fosse eu lá adivinhar que com neve e gelo em vez de asfalto era preciso tal coisa.

Estava cortada, ora acima ora abaixo, sem mais nenhuma informação para lá de confusos telefonemas e da Rádio que nos ignorava. Via dezenas de pessoas presas a contar horas, em carros, autocarros e carrinhas de operários. Um casal de meia-idade agoirava no "nem amanhã por estas horas", que estavam "desde as 6 da manhã com um pinga de leite". Tomados pela ideia de não pernoitar por ali, largamo-nos, eu e quem trazia, de sacos às costas, abandonado o carro que ainda lá está por estas horas, com muitos outros, gelando a tinta que lhe resta algures no meio da voluptuosa Serra da Lameira. Não faltou ali quem o fizesse de modo a poder comer alguma coisa. Fomos recolhidos 4km - mais coisa menos coisa - numa aldeia por alguém que já nos esperava.

De que mundo é este País em que as autoestradas de gestão privada não respeitam quem lhes paga pela segurança e pelo conforto, e imitam a pior inércia do Estado? De que mundo é este País em que gente para lá dos montes não se pode dar ao luxo de um enfarte ou de um abdómen agudo em dias de neve? Provavelmente o mesmo país emaranhado que, mesmo em dias de sol, faz 60 km em 7horas.

4 comentários:

  1. Mas que vergonha de país o nosso.

    ResponderEliminar
  2. Em Dezembro passado aconteceu-me algo idêntico na A7, mesmo antes da área de serviço. Apanhei neve, o carro começou a guinar para todos os cantos, enquanto alguns carros que seguiam à minha frente começaram a bater nas laterais. Por sorte, consegui chegar à área de serviço.

    Entretanto perguntei a vários funcionários quando é o limpa-neves chegava, estupefactos com a minha pergunta disseram que aquele lance da auto-estrada era recente e ainda não havia "meios".

    Arrisquei-me a seguir viagem com a neve a 20km/h durante muitos quilometros. Quando passei para Espanha o mesmo aconteceu: auto-estrada cortada mas vários agentes da Guarda Civil e cerca de três limpa-neves prontinhos para começarem a trabalhar.

    É a diferença!

    ResponderEliminar
  3. É lamentável. O Estado - que lhes concessiona a exploração, manutenção e conservação da estrada - deveria responsabilizar judicialmente a AENOR. Não tinham equipamentos? Deviam ter.

    ResponderEliminar
  4. É simplesmente inadmissível. A A7 deve ser das poucas auto-estradas concessionadas à AENOR que têm um trajecto sobre um maciço montanhoso frequentemente com neve como é o Alvão. Era obrigação desta gente fazer o esforço para que as populações que atravessa não ficassem isoladas. Para isto, mais vale manter gestão pública e imposto de selo.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores