A Desordem Total

| Partilhar
A manifestação dos camionistas, pelas práticas ilegais que têm sido utilizadas com a complacência das autoridades e do Governo, transformou-se num grave problema de ordem pública. Aos caminonistas tudo é permitido e, no fim de contas, ainda serão premiados com mais subsídios e/ou benefícios fiscais e/ou isenção de portagens.

Adenda (23.10) - Acabo de ouvir na rádio que as sete entradas de Braga estão bloqueadas pelos piquetes de greve e que «quem furar o protesto verá os seus pneus furados e incendiados». É inacreditável.

11 comentários:

  1. Existe algo ao qual se deve recorrer quando se aplica a lei: bom senso!

    Segundo a posição do autor deste post, as autoridades deveriam desatar à bastonda para punir os prevaricadores. Foram pessoas com essa linha de pensamento que originaram os confrontos na Ponte 25 de ABril num passado recente.Talvez o autor não se lembre mas eu sim.
    Perante uma situação tão precária quanto esta urge actuar com serenidade.
    Intervir juntos dos casos pontuais e não lançar mais lenha para esta fogueira social.

    ResponderEliminar
  2. Ouvi dizer que em Portugal há uma nova modalidade olímpica... apedrejamento de camiões.

    Isto porque pelos vistos é normal que se apedreje camiões sem a actuação da policia.

    Antes do 25 de Abril havia pessoas que queriam fazer greve mas não podiam, agora há pessoas que não querem fazer greve mas têm que fazer! Descubram as diferenças.

    ResponderEliminar
  3. Nada do que se vem passando, claro, é normal...

    Mas, atenção, os camionistas são patrões que votam (aposto dobrado contra singelo) neoliberal.E isto é que é preocupante!Os protestos sociais já não são efectuados só só por miseráveis, pobres e rotos comunistas e associados, mas também pelo patronato da classe média...
    Significa que está iminente um levantamento popular (que linguagem revolucionária...)com consequências desconhecidas.

    Se não estivessemos na União Europeia os generais já estariam a pensar dar o salto para o golpe militar...É a ruptura dos abastecimentos...

    Se calhar, reconhecendo embora o sucesso do defice, claro há custa do projecto social (eu estava a 2 anos da reforma, agora estou a 10...), será de dar lugar a algum desafogo (entenda-se apoio à actividade economica), parando o processo e alimentando artificialmente o sistema, através por exemplo de alguma baixa da carga fiscal sobre os combustiveis...

    E atenção que, em abstrato, eu não sou pela redução da carga fiscal, sou pelo Estado social que precisa e muito dos impostos, mas há que ser pragmático...

    É o que se chama uma paragem para pensar...


    MAIS ESTADO MELHOR ESTADO MENOS ASAE

    ResponderEliminar
  4. Alguém deve explicar aos camionistas que a redução dos impostos sobre os combustiveis é só um paliativo e que não resolve problema nenhum. Daqui a três anos ou menos, haverá nova crise e daqui a cinco outra...
    O que está em causa é este paradigma de sociedade onde as principais fontes de energia estão baseadas nos combustiveis fósseis, nomeadamente o petróleo.
    Enquanto a classe política (governo central e autarquico)portuguesa, europeia ou mundial estiver á espera que acabem os seus mandatos para depois serem administradores das petroliferas, companhias do gás e electricidade, industria automóvel etc..., o problema nunca se resolverá.
    São completamente insenciveis ao sofrimento dos povos, e não mostram nenhuma piedade quando veem 1/5 da humanidade a viver em condições infra-humanas e a morrer á fome.
    Seria muito mais interessante por exemplo que exigissem medidas concretas por parte da União Europeia sobre a politica energética de forma que no médio praso as crises petroliferas não voltem a acontecer.

    ResponderEliminar
  5. Simplesmente lamentável, trata-se de abuso inqualificável, pois nem sequer é Greve.No momento em que há negociações com o Governo sentado à mesa com os representantes dos camionistas isto é GRAVE.o País tem leis e os Camionistas estão a manter um braço de ferro sem razão.Impõe-se medidas drásticas para restabelecer a ordem pública.Primeiro deixem concluir as negociações e só depois devem decidir as medidas a tomar.Há regras mesmo para uma classe fazer Greve...parece haver aqui desconhecimento e falta de conhecimento Sindical.

    ResponderEliminar
  6. Pedro,

    O «terrorismo» dos camionistas só tem paralelo com o «terrorsimo» do Estado Central que cobra ISP e outros impostos para alimentar as «máfias» da construção, financiamento e exploração de infraestruturas rodoviárias (lobby betão, lobby project finance, lobby SCUTS/PPP, Lobby Galp, Lobby importador de automóveis que decresce o PIB). Os maiores «terroristas» são estes lobbys que conseguem extorquir impostos a milhões de portugueses via Estado Central.

    José Silva

    ResponderEliminar
  7. somos e continuaremos a ser servos de uma teia que esta montada a favor daqueles que cada dia que passa, escravizam mais o povo e se enriquecem à custa da sua mendiguidade... Só um país unido é que consegue lutar contra as injustiças socias, que são segregadas por politicas de interesses minoritários... É compreensivel que se critique alguns actos menos próprios que se tem realizado nestes protestos, mas ponham-se no lado destes trabalhadores, estes como muitos outros, que se sentem lesados...mas no tudo que é isto, o que mais me custa é não ter um pa~is unido, porque só assim é que conseguimos uma justiça em todo este problema grave e socialmente catastrófico...

    JM

    ResponderEliminar
  8. Desculpem lá, mas pelos vitos todos estes comentários pertencem a pessoas imensamente pacificas e que não percebem ainda que´, bem ou mal, todo o conflito tem um efeito regenerador... é como a panela de pressão, se não houver alívio da pressão/tensão de quando em quando, a panela estoura. Não pretendo com isto dizer ou manifestar que sou a favor da rebelião, muito pelo contrário, sou a favor das revoluções... Em Portugal falta a principal, a Revolução Mental...

    ResponderEliminar
  9. Começo por dizer que isto ainda é a ponta do icebergue;não se iludam portugueses porque isto ainda não acabou;a crise tem sido potenciada pelos vários governos após o 25 de Abril, e os portugueses das classes baixa,média baixa,média e média alta estão num nível de saturação como à muito não se via, porque ao verem os vários governos a encherem os bolsos das empresas de especulação e as empresas que gerem os monopólios, quer petrolíferos, quer de transportes, quer de construção civil, e fico-me por aqui para não alongar mais no assunto, é claro que os portugueses
    revoltam-se, e com muita razão, uma vez que os governos deste país,agora muito mais o PS(onde está o socialismo??) não são mais de que "porcos" numa feijoada onde muitos têm a dignidade de não entrar, sendo esses muitos, a voz de um povo revoltado e estrangulado pelas várias repressões que têm vindo a sofrer dos sucessivos governos, quer PS quer PSD.Caros portugueses, vós sois a voz de uma nação e revoltem-se porque isto não
    anda para a frente com falinhas mansas;não é admissível estarmos sempre na cauda da Europa pelas sucessivas "burrices" dos governos no poder, mas Deus escreve direito por linhas tortas, mas este governo
    escreve torto por linhas direitas, mas acredito na justiça, e a justiça e feita pelos justos, vós portugueses...

    ResponderEliminar
  10. Bem haja... amigo anónimo ultimo... eu sou o anónimo anterior e lhe aplaudo longamente... penso que estamos em sintonia!!!! BRAVO.

    ResponderEliminar
  11. Bem haja... amigo anónimo ultimo... eu sou o anónimo anterior e lhe aplaudo longamente... penso que estamos em sintonia!!!! BRAVO.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores