Minho: Politicamente Abaixo de Zero (II)

| Partilhar
A Câmara de Braga anunciou que, apesar dos aumentos dos combustíveis, o preço dos passes sociais vai manter-se. Perante a discriminação imposta pelo governo socialista, Mesquita Machado apenas tinha duas saídas: ou reflectia a escalada dos preços dos combustíveis no valor dos passes sociais ou obrigava todos os bracarenses a suportarem essa mesma despesa. Optou pela segunda via, o que se aceita tendo em conta a necessidade de reduzir os impactos da crise junto das classes socialmente mais desfavorecidas.

O que não se aceita é que os bracarenses continuem a ser discriminados perante a passividade dos políticos locais. Segundo a Antena Minho, «o autarca lamenta que os bracarenses sejam tratados como portugueses de segunda. Os lamentos têm a ver com a ausência de apoios estatais aos transportes urbanos de Braga ao contrário do que sucede com os do Porto e Lisboa onde o governo decidiu não aumentar os passes sociais.»

Estas declarações políticas que, aliás, subscrevemos em absoluto são manifestamente insuficientes tendo em conta os prejuízos acumulados. Apesar dos passes sociais dos Transportes Urbanos de Braga não aumentarem no próximo mês de Julho, é bom que os bracarenses tenham presente que a factura está a ser paga por todos, em prejuízo de investimentos que terão necessariamente que ser adiados.

6 comentários:

  1. Qualquer cidadão pode falar livremente desde os factos referidos sejam públicos e notórios.Parece ser óbvio que os politicos Regionalistas apenas conservam seus lugares sem se preocuparem com o povo eleitor.Não será nunca ofensivo dizer que fazem pouco ´, muito pouco, ou quase nada pela Região, sendo certo que defender os amigos é engenho e não arte.Num Blog Democrático entendo não ser ofensivo discordar de tanta falta de iniciativa demonstrada ao longo dos Anos. Em política não deve haver proteccionismos sendo evidente porém, que é nobre defender os amigos.

    ResponderEliminar
  2. Pago os meus impostos tanto quanto o fazem os portugueses de Lisboa e Porto.

    Pago o gasóleo tão "barato" quanto o fazem todos os outros portugueses (excepto os raianos).

    O meu distrito paga portagens ao dobro do preço do distrito de Lisboa.

    As empresas locais e regionais de transportes públicos do meu distrito não são monstramente suportadas pelo Poder central.

    posto isto, viverei no mesmo país?

    Dario Silva.

    ResponderEliminar
  3. Tenhamos calma e prudência na análise e nos comentários, sejamos também capazes de não desejar a censura...mesmo no Blog.Sem pretensionismo e apenas procurando entender o antes e pós da Politica e dos Politicos, deixem-me aconselhar a leitura de Obras, que parece não são lidas ou simplesmente continuam a incomodar muito BOA GENTE:-"Tarrafal, Testemunhos,da Edit. Caminho, julgo 1976!Um Homem chamado SALAZAR,de Ápio Garcia,1968,Editor Lisboa.PIDE,A História da REpressão,Edição Editora Fundão e de Paradela de Abreu, Do 25 de Abril ao 25 de Novembro, do Centro do Livro Brasileiro--Lisboa. Comparando entendemos quem somos e porque temos os Politicos que temos.Acreditem vale para reflexão e ajuda a entender a verdadeira História...dos últimos 60Anos.

    ResponderEliminar
  4. Hummm, neste bi-país... as coisas custam a mudar.

    ResponderEliminar
  5. Pois, eu sou do Porto e de facto isso é uma palhaçada mas há que saber ler nas entrelinhas o que isto significa...
    Antes do mais, se o governo quer poupar dinheiro congelaria em todo o país menos em Lisboa e no Porto. Lisboa e Porto são das regiões que menos necessitam de uma medida dessas logo, não creio que o objectivo seja poupança para os cofres do estado.
    Convém também relembrar que isto pode ser uma medida eleitoral pois são as àreas metropolitanas que representam quase 50% do voto útil.
    O mais importante e que penso que será o verdadeiro objectivo desta medida é que se tem ouvido muitas vozes a norte, nomeadamente encabeçadas por portuenses, que têm enorme peso, com murmúrios de revolta contra o centralismo. A melhor forma de controlar uma revolta, ao melhor estilo de Maquiavel,é lançar a discórdia no nosso meio...
    Gostaria que os habitantes do Minho reflectissem nisso e gostaria também de ouvir muitas vozes do Porto contra esta medida...

    ResponderEliminar
  6. Tudo Bem...aumentem os Transportes j� ponham os combust�veis muito mais caros, andem a p� apertem o cinto e talvez o POVO acorde do marasmo dos �ltimos 20 Anos.Chega de dizer Sim...Sr� Ministro.� preciso uma verdadeira Revolu�o... nas mentalidades e no agir.S� assim haver� verdadeiras mudan�as e a palavra SOCIAL ter� raz�o para existir.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores