O Criacionismo

| Partilhar
«Em suma, a argumentação criacionista descredibiliza-se a si mesma e, pior que isso, descredibiliza o cristianismo, oferecendo alegremente aos seus críticos muitas das armas com que actualmente acreditam conduzir uma guerra conclusiva contra a religião em geral, e contra o cristianismo em particular quando, de facto, apenas combatem contra um moinho de vento
[Alfredo Dinis, SJ]


Da leitura deste interessante comentário do jesuíta Alfredo Dinis fica a ideia de que o abandono do criacionismo pelos sectores mais esclarecidos da Igreja Católica pode ser meramente estratégico. Na realidade, a defesa da teoria do criacionismo, sustentada durante séculos pela Igreja Católica como a única explicação aceitável e plausível para a origem da vida, está a tornar-se absolutamente insuportável e, pior do que isso, o patrocínio cego de princípios contrariados por toda a racionalidade e razoabilidade científicas continua a abrir brechas significativas na catequese católica, tornando ainda mais vulneráveis os incipientes fundamentos da fé.

No mesmo texto, Alfredo Dinis escreve que «seria bom não identificar o combate contra este terrível equívoco [do criacionismo] com uma crítica inteligente e informada da religião em geral e do cristianismo em particular.» Mas, na verdade, a crítica inteligente e informada da religião não pode ignorar o facto de existir uma teoria, defendida como dogma durante séculos, que se vai desmoronando às mãos da razão e do conhecimento científico. É que, essa teoria que vai sucumbindo, é tão solidamente fundamentada como as outras: do aborto à homossexualidade e da insolubilidade do casamento à demonização da clonagem terapêutica.

Ainda que este assumir de erros seculares seja positivo, convém não esquecer que apedrejados na Nigéria, enforcados no Irão ou impedidos de conhecer novas formas de tratamento na Europa, hoje, tal como no passado, ainda há quem sucumba injustamente às mãos das certezas absolutas da fé.

7 comentários:

  1. Ámen. Adão e Eva afinal não existiram porque agora não lhes convém... Foi como o Limbo! Num futuro muito próximo vão permitir missas celebradas por Madres. Depois vão deixar que os Padres se casem. Daqui a 500 anos, já os Padres se vão poder casar com Padres e Madres com Madres. Até lá, nós que cá estamos, lixamo-nos com as mentirinhas que lhes convém no momento!

    KK*BB!

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  5. O criacionismo da teologia cristã (que foi uma marcha atrás face às muito mais esclarecidas filosofias "pagãs") é insustentável da forma como é apresentado pelas Igrejas, mas tenha em conta que também o evolucionismo darwinista (apesar dos méritos de Darwin) tem muitas falhas, muitos pressupostos e hipóteses não comprovadas. Na comunidade científica, o assunto não é pacífico e há muito quem procure um outro modelo mais de acordo com os dados realmente existentes.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  6. Que maldades lhe terão feito na catequese...
    Apesar de tudo fico contente de não pertencer ao bloco dos apedrejados e enforcados. É que eu saiba as questões éticas relativas à clonagem e outros temas não preocupam apenas a Igreja Católica. São questões transversais a muitos sectores. Não percebo esta necessidade de atacar a Igreja por tudo e por nada. Eu sou Católico apesar de não gostar de muita coisa na Igreja. Deixei de cumprir alguns ritos, mas não ponho em causa os valores fundamentais em que continuo a acreditar.
    Dou cada vez mais razão aos que afirmam que um dos sinais de decadência do Ocidente é a necessidade de desculpabilizar as atrocidades em nome de outras fés e culturas e culpabilizar-se pela sua história.
    Por muito iluminado que possa parecer, o jacobinismo já não é deste século.

    ResponderEliminar
  7. "Mas, na verdade, a crítica inteligente e informada da religião não pode ignorar o facto de existir uma teoria, defendida como dogma durante séculos, que se vai desmoronando às mãos da razão e do conhecimento científico. "

    Muito pelo contrário. Graças ao avanço do conhecimento científico, estamos a descobrir n+iveis de complexidade e elegânia nas formas de vida, que nunca poderiam ser logicamente atribu+idas ao "acaso", ou a forças não-inteligentes.


    A ciência tem confirmado a Biblia no que toca Às origens do universo.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores