Religião e Política

| Partilhar
«Alguns dignitários da igreja católica têm afirmado sobre o projecto do Governo de assistência religiosa nos hospitais aquilo que ‘Maomé não terá dito do toucinho’.

Consultei esse projecto e fiquei pasmado! Afinal, no seu conteúdo não consta quase nada do que tem sido apregoado – até o padre coordenador das capelanias já o reconheceu. É um documento equilibrado, na linha da Constituição, da lei da liberdade religiosa e da Concordata.

Tem 2 pontos que se destacam: (i) todas as crenças passarão a poder prestar assistência, terminando o monopólio da igreja católica nos hospitais; (ii) os futuros capelães hospitalares já não serão funcionários públicos a cargo do Estado. A igreja diz concordar com a primeira condição – então, a sua feroz contestação ao projecto só pode resultar da segunda. Para isso, dizem que está lá aquilo que não existe. É só política. E pouco piedosa.»

Carlos Abreu Amorim, no Correio do Manhã

1 comentário:

  1. http://fazerbicha.blogspot.com/2007/10/deve-o-estado-pagar-assistncia.html

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores