Estádio AXA: Braga fechou contrato inédito em Portugal

| Partilhar
O Sporting Clube de Braga foi o primeiro clube português a ceder o naming right do seu Estádio. Assim, durante todas as iniciativas organizadas pelo S.C. Braga que decorrerem no Municipal, o recinto adoptará a designação de Estádio AXA. Ao apostar no 4º clube português com maior projecção internacional, a AXA faz um investimento com retorno garantido tanto no mercado nacional como internacional. Por seu lado, o Sporting de Braga garante um encaixe financeiro ao nível dos grandes clubes e começa a pensar em voos ainda mais altos. Haja ambição.

Adenda: Que fique bem claro que a Câmara de Braga não faz nenhum favor ao Sporting de Braga quando lhe cede a utilização do Estádio. A manutenção do recinto, com custos elevadíssimos, está a cargo do clube e, como tal, representa menos um encargo para a autarquia. Por outro lado, a cedência do nome do Estádio aplica-se apenas aos eventos organizados pelo Sporting de Braga e, como tal, a Câmara não tem nada a ver com o negócio. Conseguiria a Câmara vender o nome do Estádio se o Sporting de Braga não o utilizasse, projectando-o além fronteiras? É óbvio que não.
O aproveitamento político que Mesquita Machado tem feito do Sporting de Braga não pode levar a que alguns sectores da oposição elejam o clube como alvo da sua chacota política. Quem quiser ser Presidente da Câmara tem que perceber que o Sporting de Braga é o maior emblema da cidade e o seu maior embaixador nacional e internacional e que, como tal, merece todo o apoio institucional da autarquia.

47 comentários:

  1. Pois eu lamento que o Sporting Clube de Braga continue na prática a ser o "Grupo Desportivo da Câmara Municipal de Braga" e, por intermédio dos impostos municipais que eu pago, continue a ser sustentado com o suor do meu trabalho (e de muitos outros).

    Só a título de exemplo: é vergonhoso que seja o dinheiro de todos os munícipes a pagar o estadio que é efectivamente utilizado apenas pelo SCB.

    ResponderEliminar
  2. (Quase perfeito!!!
    O sublinhado é meu.

    A ler no blog:
    http://bragaparks.blogspot.com/2007/07/o-circo-e-cidade.html

    Caro Paulo Brandão, por favor, demita-se!!!…)

    O CIRCO E A CIDADE

    O recente Protocolo de Colaboração estabelecido entre a Companhia de Teatro de Braga (CTB) e o Theatro Circo, S.A., aprovado na reunião do executivo camarário de 28 de Junho, suscita-me várias perplexidades:

    - mesmo sabendo que os homens do palco têm grande facilidade em assumir os mais diversos papéis, não deixo de ficar perplexo com o facto de Rui Madeira director, encenador, protagonista principal da CTB, e simultaneamente, administrador-executivo do Theatro Circo, S.A., elaborar, negociar e assinar um Protocolo no qual ele é sempre parte envolvida. Os objectivos e interesses das duas entidades serão coincidentes em algumas matérias, mas também serão, de certeza, conflituantes noutras. A necessidade de estabelecer um documento, seja ele um protocolo, acordo ou contrato evidencia, precisamente, que há situações que importa clarificar, negociar e plasmar no papel, acautelando, da melhor forma possível, os interesses das distintas partes envolvidas.
    Em todo este processo, Rui Madeira procurou defender os interesses de qual das entidades? Será isto um simples ensaio de uma peça a apresentar pela sua Companhia de Teatro, onde, num momento, vemos Rui Madeira a degladiar-se pelos interesses da CTB e depois do outro lado da mesa, Rui Madeira, novamente, agora investido na sua qualidade de administrador-executivo, a defender acerrimamente os interesses do Theatro Circo?
    Este monólogo pode ser muito teatral, mas a gestão de uma importante estrutura bracarense, na qual foi feito um investimento de largos milhões de euros públicos, não se compadece com esta situação de gritante conflito de interesses, com consequências directas no perfil da programação e na gestão financeira do Theatro Circo;

    - sendo a CTB uma entidade privada e tendo o Theatro Circo assumido a forma jurídica de sociedade anónima, fico perplexo ao ver submetido à aprovação do executivo camarário um Protocolo de Colaboração entre estas duas entidades. Excluindo o subsídio a atribuir pela Câmara Municipal à Companhia de Teatro, não consigo entender a necessidade da aprovação pelo executivo camarário de um Protocolo de Colaboração entre a CTB e o Theatro Circo, S.A. Então para que é que se constituiu a sociedade anónima, se não tem sequer autonomia para estabelecer um Protocolo de Colaboração com uma estrutura que terá o estatuto de companhia residente? A não ser que a sociedade anónima só sirva de mero expediente jurídico para facilitar e aligeirar as regras de contratação de colaboradores, de aquisição de bens e serviços, de concessão de espaços, etc., conforme as conveniências?...

    - tendo ficado protocoladas 90 representações/ano da responsabilidade da CTB no Theatro Circo, o perfil da programação da sala de espectáculos ficará fortemente vinculado à CTB e às suas escolhas. Qual o papel de Paulo Brandão, director de programação, em todo este processo? Se é Rui Madeira que programa 90 espectáculos a apresentar durante o ano, qual a função do programador? Será apenas a de organizar um punhado de concertos de música? Mantendo-se a premissa enunciada por Mesquita Machado de não subsidiar a programação do Theatro Circo, cobrindo apenas os custos de funcionamento, e como a bilheteira das 90 representações da responsabilidade da CTB nada beneficia o Theatro Circo, só se pode prever a degradação contínua do nível da programação.
    Para isto, não vejo justificação para o esforço financeiro que implicou a contratação de Paulo Brandão.

    ResponderEliminar
  3. Já tinha lido esse post e farei referência ao mesmo oportunamente.

    ResponderEliminar
  4. Pareceis o Sporting CP... Sempre a vender os aneis e tudo.
    Agora até precisais de dar nome aquilo que tedes de melhor e mais bonito!!!

    ResponderEliminar
  5. Acho que esta foi uma jogada absolutamente brilhante por parte do S.C:Braga.
    Estou também certo que a CMB foi parte do processo e, como não vejo o mundo a preto e branco (existe toda uma série de cores), sou obrigado a dar também algum crédito ao presidente da Câmara neste processo.
    Temos de distinguir entre o combate político do ataque aos símbolos de uma cidade e região!

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. Apesar de também ser sócio do Braga, não posso concordar com mais esta negociata. Temos de ser capazes de separar o nosso fervor futebolístico das questões mais pertinentes que atravessam a nossa cidade diariamente.
    Já agora fazem ideia de quanto o SC Braga paga para usufruir das instalações do ESTÁDIO MUNICIPAL DE BRAGA?.....
    Duvido

    ResponderEliminar
  8. Caro Luís,

    O valor do pagamento, assim como o contrato de cedência, são públicos. Mas parece-me que é o contrato justo. Por algum motivo ninguém "pega" ao Estádio 1º de Maio embora a Câmara queira impingir a factura de 500.000 euros anuais a alguém.

    Nos termos da lei vigente, o acordo é completamente válido. As questões essenciais são:

    1) Haveria alguém disposto a utilizar o Estádio Municipal para dar projecção idêntica à cidade de Braga pelo preço que o SCBraga o faz? Se existe essa alternativa ou se a Câmara sabe como rentabilizar melhor o espaço, óptimo. Se não existe é porque este é o contrato de cedência que melhor serve as duas partes.

    2) Não caiamos no erro de Mesquita Machado que sistematicamente utiliza o SC Braga para fazer política e auto-promoção. Se este negócio não necessita do aval da autarquia, a sua presença na cerimónia de hoje não pode deixar de ser entendida como marketing político que se dispensa numa instituição que devia ser apartidária.

    ResponderEliminar
  9. A minha pergunta é se não seria a Câmara Municipal capaz de realizar tal negócio?

    ResponderEliminar
  10. «Se este negócio não necessita do aval da autarquia, a sua presença na cerimónia de hoje não pode deixar de ser entendida como marketing político que se dispensa numa instituição que devia ser apartidária.»

    O negócio necessita do aval da autarquia, evidentemente. Se é que não é só a CMB que o pode realizar (apesar de poderem autorizar o SCB a realiza-lo em seu lugar porque, enfim, o estádio, na prática, é do SCBraga... Não tou a ver os Leões das Enguardas a jogar lá.

    ResponderEliminar
  11. Um Estádio Municipal, um clube que usufrui de condições excepcionais (e isto é um eufemismo) para explorar esse mesmo estádio. Um estádio que é, foi e será pago por nós por muitos e bons anos e um clube que recebe 4,5 milhões de euros para vender o nome que não é seu (ainda que juridicamente possua poderes para o fazer). Se é certo que o S.C. Braga é a mais notória instituição desportiva da cidade, não menos verdade é a situação dramática de todos os outros clubes que pagam esse peso (pornograficamente empolado pelo executivo camarário), recebendo verbas irrisórias. "Não caiamos no erro de Mesquita Machado que sistematicamente utiliza o SC Braga para fazer política e auto-promoção", concordo totalmente. Agora, não me peçam para calar a revolta só porque o clube de 10 % da cidade (e estou a ser simpático, se não acreditam vão ver um jogo contra o Benfica ao Axa) é levado ao colo pela autarquia, e isto a encargo dos parvos do costume - os Contribuintes (os meus pais, eu, os meus filhos e, quem sabe, os meus netos).

    ResponderEliminar
  12. Então, o que é que se passa por aqui? Confesso que este era o último espaço onde eu esperaria ver defendida uma ideia tão obscena.

    Quanto ao mais, transformar a principal referência de modernidade de Braga num enorme outdoor publicitário para uma empresa qualquer, é algo que não me surpreende por aí além: está em linha com a apropriação privada de praças públicas.

    ResponderEliminar
  13. Este é um excelente negócio para o Braga. Fico contente por isso e não me choca rigorosamente nada o nome Estádio Axa. Já agora, desde 1998 não existe me Lisboa uma praça chamada Sony? Ou é só impressão minha?

    ResponderEliminar
  14. Ainda se o estádio tivesse um nome bonito, agora Estádio Municipal de Braga; não se perde nada, aliás ganha-se e muito.

    ResponderEliminar
  15. Caro João Marques,

    Lamento o que escreve. E concerteza que não foi aos últimos 3 jogos em que o Braga recebeu o Benfica. Estavam seguramente mais bracarenses que benfiquistas.

    Não há ninguém que seja melhor embaixador internacional da cidade do que o SC Braga. A Câmara não faz nenhum favor ao ceder o estádio por mais de 1.000.000 € anuais (que são os custos de manutenção).

    Se algum dia o contrato foi alterado, defenderei que o Braga deve jogar noutro recinto e, se for caso disso, fora do concelho. E quero ver então o que é que os paladinos do bom uso dos impostos têm para fazer do Municipal.

    Não misturemos as coisas: denunciar as sucessivas incursões de Mesquita Machado na vida do clube e o apoio institucional que o clube dá ao Mesquita Machado não pode cegar-nos a ponto de querermos mal ao melhor produto que a cidade tem para vender no exterior. É preciso sermos muito autofágicos para querermos destruir o que temos de bom só porque está associado a um projecto com o qual não nos identificamos na gestão da Câmara.

    Talvez seja interessante fazer-se um apuramento do dinheiro que Benfica, Porto, Sporting, Boavista e Vit. Guimarães recebem das respectivas autarquias. Acho que muita gente iria ficar surpreendida. Se aqui em Braga foi construido um estádio que é público mas cedido a um clube, nesses cidades são investidas verbas públicas em equipamentos privados... E ninguém diz nada. Ninguém denuncia este uso privado dos impostos dos pais e filhos nestas situações.

    ResponderEliminar
  16. Caro Pedro,
    À margem deste negócio em particular, só se engana numa coisa: é a Câmara que suporta os custos de manutenção todos. O Braga só assegura parte das despesas correntes relativas à sua utilização (que não são baratos, como não é o consumo de gasolina de um ferrari).
    Agora, toda a manutenção estrutural e até algumas despesas correntes são suportadas pela Autarquia! Veja o protocolo que existe. O Braga só paga 500€/mês mais as tais despesas.

    ResponderEliminar
  17. Pois é, tem razão. Muito haverá para contar em relação ao que fazem outras Câmaras, a outros clubes. Mas não me parece que seja bom princípio argumentar com as más práticas de terceiros, dizendo algo como isto: E então, os outros não fazem o mesmo, ou pior?

    Já agora, pobre da cidade que tem como "melhor produto" para vender ao exterior um clube de futebol lugar onde, como bem sabemos, em geral se mistura tudo o que de pior tem a nossa sociedade (e que, ainda por cima, não ganha nada de relevante).

    Cá para mim, Braga é muito mais do que isso a que a está a reduzir, meu caro Pedro Morgado.

    ResponderEliminar
  18. Pondo de lado a situação da Autarquia, este negócio era para mim impensável, num clube que se diz cada vez mais forte em termos de identidade. talvez no Boavista tal coisa fosse natural.. e no Beira-Mar..os de Leiria também não se importavam, parece-me.

    É pena que o "4º clube português com maior projecção internacional" tenha cedido.

    Sei de um clube onde tal coisa seria mera utopia.A identidade, e o orgulho são coisas chatas de contornar (para alguns).

    PS: Para quando a cedência do naming right do nome do SCBraga?

    ResponderEliminar
  19. Concordo plenamente com o Pedro Morgado. Realmente o cenário em Braga é desolador e os únicos embaixadores (se é que se pode chamar isso) da cidade são o SCB e, nunca esquecer, o ABC.

    Braga tem que encontrar rapidamente referências para tentar atenuar a imagem da cidade dos trolhas novos ricos que andam de BMW e Mercedes mas que não sabem comer nem falar. É preciso ter outras referências para além da cidade do betão e do caos urbanístico. O Theatro do Circo poderia ser outra referência mas a mesquinhez e ignorância está a dinamitar o trabalho do melhor programador cultural de Portugal. Além disso está lá um tal de rui madeira, que além de ser perfeitamente banal se julga o mais brilhante dos brilhantes - o que ainda coloca mais visível toda a sua incompetência.

    O EMB precisa de ser rentabilizado. Foi um erro colossal construir aquela anormalidade que não oferece o mínimo conforto. Há que tentar minimizar aquele erro absurdo. Foi uma excelente iniciativa da direcção do SCB, clube este que nunca pediu um estádio como o actual EMB.

    Só não entendo o que faz o rapazito do mesquita nas fotos...enfim mais um aproveitamente deste tipo que já mostrou não ter mesmo qualquer vergonha na cara.

    PS: para quem diz que em Braga o estádio contra o benfica está cheio de benfiquistas, recomendo que se actualize urgentemente. Os jovens bracarenses são Braguistas! O tempo do eusébio já lá vai...só alguns dos mais velhos que moram em braga ,e já nem energia têm para ir ao estádio, é que ainda são benfiquistas

    ResponderEliminar
  20. É preciso ser-se muito invejoso e desactualizado em relação à realidade para se criticar esta opção da direcção do SCB.

    O estádio ter o nome do patrocinador nos dias de jogo é só mais uma fonte de receitas. Tal como utilizar o logo do patrocinador na camisola oficial.

    O estádio tem que ser rentabilizado ao máximo.


    Os de guimarães que criticam esta opção só o fazem por nenhuma multinacional ter demonstrado qualquer interesse em fazer o mesmo no estádio do guimarães. Pura inveja e mesquinhice. Na crise em que estão mergulhados até mudariam o nome para "Estádio Tampax" caso a Procter & Gamble fizesse uma proposta.

    ResponderEliminar
  21. Caro Pedro,

    o erro não é ceder o usufruto do estádio ao SCB. O erro foi a CMB construir o estádio.

    Se a única entidade que precisava de um estádio era o SCB, então porque carga de água tem que ser todos os munícipes a pagar o estádio?

    ResponderEliminar
  22. Oh João Silva em que país tu moras??? Achas que o que se passa em Braga é exclusivo???

    Mais nem são todos os municipes a pagar o estádio são todos os portugueses.

    Foi um erro enorme cosntruir este estádio mas não façam disto uma situação exclusiva da cidade de Braga

    ResponderEliminar
  23. Caro Pedro,

    Não será da minha boca que alguma vez ouvirá qualquer ataque por motivos políticos ao SC Braga. Não é o meu clube, não tenho paixão pelo emblema, mas respeito profundamente o clube da minha cidade.
    Outra coisa completamente diferente é a discriminação (negativa) que a CMB faz em relação à política desportiva no concelho. Não me parece, não considero nem justo, nem verdadeiro. Mas isso é conversa para outras núpcias. Agora, que me faz confusão a quantidade de "cristãos novos" que por aí proliferam faz...
    Quanto ao negócio em si, meu caro Pedro, a verdade é que ultrajante. Reporto-me ao protocolo para utilização do Estádio e que me dispenso de explicar porque estão fidedignamente reportadas no comentário do Jcarlos, às 12,52. Não tenho dúvidas, nenhumas, que em situação análogo, não faltava quem quisesse explorar o 1º de Maio.
    Por outro lado, e agora no que toca à mudança de nome, o que me apraz dizer é que se fosse no meu clube doía-me. Por paixão e bairrismo, só. Mas que parece um bom negócio lá isso parece. Mas que parece que a cidade, enquanto marca que tinha no nome anterior, perde, lá isso perde...

    ResponderEliminar
  24. Este rapaz..."Mas que parece que a cidade, enquanto marca que tinha no nome anterior, perde, lá isso perde..."

    Esta gente vive em outro mundo. Achas que pelo facto de nos dias de jogo o estádio se chamar estádio AXA as pessoas não o vão associar à cidade de Braga??? Logicamente que será sempre o Estádio Municipal de Braga, onde joga o SCB cujo o principal patrocionador é uma seguradora chamada AXA. Quando o contrato de publiciade terminar o Estádio vai ter o nome de outro patrocinador nos dias de jogo mas sempre se irá manter o EMB.
    Haja gente tacanha e invejosa que não entende isto, quer criar um problema onde este não existe.

    O estádio do Arsenal de Londres chama-se Emirates Stadium, achas que as pessoas não associam o estádio á cidade de Londres? Ou pensam que o estádio é nos Emirados?

    ResponderEliminar
  25. Caro João Silva, pela sua lógica também digo: se só 700 pessoas vão ao Teatro Circo porque carga de àgua têm que ser todos os munícipes a pagar a factura?
    Pelo menos ao estádio vão semana sim semana não, pelo menos, 10.000 pessoas (nas quais eu me incluo).
    Começo agora a perceber o porquê de, na minha cidade, existir gente que não apoio o clube que a representa, mais!, o clube mais representativo da região minhota e preferirem apoiar clubes com os quais não têm afinidade alguma: essa razão é misturarem futebol com política.
    Meus amigos, Braga não é o Mesquita (felizmente), o Mesquita não é o SCB, e o SCB não é só de Braga, começa a ser o clube de muitos portugueses...
    Fico feliz pelo SCB ter conseguido este óptimo negócio (parabéns ao presidente Salvador), e pelo menos o nome do estádio ficou mais bonito!
    E quem fala tão mal do estádio é porque nunca foi a Londres, por exemplo, e ouvir alguém dizer-nos (porque nos viu com a camisola do enorme SCB) que já foi ao nosso estádio e ficou maravilhado...
    Ana Matias

    ResponderEliminar
  26. Caro anónimo das 16,19
    Só para dizer que vou aconselhar a tua contratação à seguradora AXA, para o sector do marketing! Como eles andam engandos!

    ResponderEliminar
  27. Caro Pedro Morgado, nada do que disse contraria o que argumentei. Quanto aos últimos jogos com o Benfica, eu estive no Axa (nos últimos dois anos) e vi (se calhar com percepção errada, mas foi a que tive). Quanto ao facto do Braga ser o embaixador desportivo, não o contrario, mas NÃO é o único. É que autofágico é o comportamento da autarquia que, a despeito de todas as outra instituições desportivas da cidade, privilegia (pornograficamente, volto a dizê-lo) o SC Braga, tendo como única preocupação a sua própria promoção política. Autofágico é fechar os olhos e branquear essa situação deixando perecer aquelas instituições. Convenhamos, SC Braga e Tony Carreira são pouco representativos do aproveitamento que, penso eu, todos os bracarenses imaginariam para um espaço tão dispendioso. É que, pode não lhe parecer, mas 1.000.000€ pela exclusividade do estádio, vistas bem as coisas, até que nem é mau (sobretudo se pensarmos se e como será paga essa quantia)! Finalmente, e quanto aos outros clubes, concordo inteiramente consigo e, se foram tão ou mais beneficiados que o Braga em detrimento dos cidadãos, então denunciem-se e combatam-se essas situações. Não se desculpem erros com outros erros (no mais sublime exemplo do pensamento falacioso).

    ResponderEliminar
  28. E parece que não é bem 1.000.000€ pois não!?

    ResponderEliminar
  29. vendam também o símbolo do Braga e adoptem o logotipo da AXA.

    a avaliar pelo design dos novos equipamentos, essa situação não estará longe de acontecer.

    abraço

    ResponderEliminar
  30. o erro não é ceder o usufruto do estádio ao SCB. O erro foi a CMB construir o estádio.

    Completamente de acordo.

    ResponderEliminar
  31. Caro Pedro,
    Tu que de tudo falas e do resto finges saber, sabes o que significa "usufruto"?
    O negócio entre a CMB e o Braga nada tem a ver com essa figura jurídica!

    ResponderEliminar
  32. É fácil: o Braga vai jogar para o Estádio 1º de Maio novamente, não me importo nada; os contribuintes e grandes mártires que usem o Estádio Axa. Façam lá umas peladinhas.

    ResponderEliminar
  33. Faz-me lembrar aquela história:

    - O estádio do Braga é frio - sim, porque muitos contribuintes nem sabem que ele se chama Estádio Municipal de Braga - é desconfortável, tem muitas escadas, não tem elevadores nem bares!!!

    - Pois, e quando é que lá foste?

    - Ainda não fui lá, mas sei que é assim.

    Tanta preocupação com o Estádio Axa, com o símbolo e identdade do Sporting Clube de Braga, tudo por causa de um excelente negócio. Pecado capital...

    ResponderEliminar
  34. Bla bla bla bla bla....

    SC Braga Sempre!

    ResponderEliminar
  35. E a estação de Metro ao lado do estádio do dragão, foi o FCPorto que a pagou?

    ResponderEliminar
  36. Depois de ler todos estes comentários houve varios que me ficaram mas este último do francisco Rodrigues ,particularmente, talvez por ser dos últimos...E quero dizer que eu no meu caso nao estou nada interessado no simbolo ou na identidade do Braga, nem sou do Braga, odeio o Braga e este no Braguismo hipocrita dos Bracarenses, na minha rua ha uma serie deles que sao do braga sao do braga, mas quando chega a hora lá vao todos lampeiros com o cachecol do benfica e do Porto...e verdade que e que querem , este fenomeno ainda muito incipiente e hipocrita tem 4 anos no maximo, mas estou preocupado com os meus impostos e com a meia duzia que ganha com eles , olhem talvez alguns dos jogadores do Braga, devido aos chorudos ordenados, sim porque eu tambem estou a contribuir com os meus impostos para pagar o estádio...

    espero que o braga desca de divisão, talvez assim metam a mao na consciencia e lá reconhecam o que não é bem feito

    ResponderEliminar
  37. Já era tempo de dar cor á caixa de ferramentas...será que a camara vai
    arranjar os caminhos da minha freguesia, com estes milhões todos!
    Espero para vêr.

    ResponderEliminar
  38. óh Eduardo
    Poderia arranjar mas na verdade o dinheiro ou é para o Braga ou é para a CTB

    ResponderEliminar
  39. É uma pena que a sede de oposição cegue completamente algumas pessoas. Este negócio é bom para o Braga e é optimo para a cidade. Se estamos a pagar o estádio com o dinheiro dos contribuintes então façamos oposição a quem o construiu e não a quem o usa e rentabiliza legitimamente.

    ResponderEliminar
  40. Depois de tantas AXAS para esta fogueira, será que o Estádio tem seguro de incêndio ?

    ResponderEliminar
  41. Muito me espanta...

    Ent�o e se o nosso executivo decidir que a pr�xima grande obra � construir um grande Santu�rio no centro da cidade, gasta uns largos milhoes e depois faz um protocolo com a Igreja e diz pois entao os srs. v�o usar este espa�o e rentabilizam-no como entenderem melhor...

    ahahaha mas pensavam que n�s somos parvos... v�o pagar 500euros maiiiiiiiis algumas despesas( li aqui que era qualquer coisa do g�nero com o est�dio)... sen�o olhem que IURD est� interessada...

    O que � que aqueles que que defendem t�o afincadamente estes �ltimos acontecimentos com o est�dio AXA, que eu diria � dos mun�cipes, mas j� n�o digo, uma vez que n�o tenho voto na mat�ria... e que acreditam que daqui a mil anos o est�dio vai ser recordado como uma esp�cie de coliseu de Roma, onde vai dizer aqui jogou e viveu o grande s�mbolo e embaixador( como li por a� da regi�o...O SP. de Braga...
    ou ent�o grande obra emblem�tica do executivo que governou os destinos da regi�o de 1975 a 2009,e onde jogou o emblem�tico sp de Braga e o rentabilizou, obra t�o emblem�tica que a plebe demorou v�rias d�cadas a pagar fruto dos seus contributos(impostos municipais)

    Eu sei dir�o voc�s que exemplo estupido mas se reflectirem bem at� s�o parecidas as coisas...
    Eu n�o tenho de contribuir para a Igrja, mas tamb�m n�o tenho de contribuir para o sp de Braga, e parece-me que quem ganha com isto afinal � o sp de Braga... Que ganhe, nao � isso que me faz confus�o, mas que ganhe rentabilizando o que � seu, digo eu... nao nos deixemos � levar por esta clubite aguda, s� porque � bem ser do sp d braga nos tempos que correm...Gosto que o braga ganhe sim senhor, n�o pensem que n�o mas nao gosto nada que os mun�cepes de Braga percam, mas parece-me que quem n�o ganha muito com a rentabiliza�o do est�dio ou n�o nao sao eles, e que se quiserem ir ver um jogo em lazer, pagam, nao entram � borlix...

    ResponderEliminar
  42. Francisco Rodrigues:

    não faz sentido haver uma estação de metro nos locais (estádios ou outros) que têm mas afluência de pessoas. Qual era a alternativa? Criar parques de estacionamento para que cada um fosse no seu carro?

    ResponderEliminar
  43. É o que eu digo: está gente mistura política com desporto.
    Façam oposição a quem construiu o estádio!!!! e não ao SCBraga. O Braga podia perfeitamente continuar a jogar no 1º de Maio, por isso não foi por causa do SCBraga que se construiu aquela obra (agora que seja a única colectividade capaz de a rentabilizar, já é diferente, mas não é culpa do SCBraga). Como é possível que o SCBraga seja responsabilizado pelas opções da câmara???
    Porque será que este post é o único que suscite tal interesse neste blog? Braga é uma cidade apática, alheada, comodista... mas se for para falar mal do SCBraga... ai Jesus, estão todos prontos!!!
    Que mal o SCBraga fez? Ser o clube de futebol da cidade? Vejam antes o mal que a gestão camarária nos faz!
    Sim, porque sois tão cegos, que sois capazes de falar cobras e lagartos do SCBraga e, por outro lado, votar ano após ano no dinossauro Mesquita.
    Haja paciência!!!!
    Ana Matias

    ResponderEliminar
  44. Anónimo: o 1º de Maio não reune as condições de segurança exigidas pela UEFA para as competições internacionais.

    ResponderEliminar
  45. Se o 1º de Maio não reunía as condições, que fizessem as necessárias adaptações. Ou se não fosse possível, construía-se um estádio para o Euro menos megalómano. Qualquer das hipóteses ficava mais barata para Braga.
    Agora, não posso concordar é que culpem o SCBraga (o clube da minha cidade) por uma decisão do nosso querido Mesquita!
    Ana Matias

    ResponderEliminar
  46. "O Braga podia perfeitamente continuar a jogar no 1º de Maio,"


    lololollol, estádio esse que oracaso também foi feito pela câmara para o Sporting de Braga! Ganda lata!

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores