Galiza deixa o Norte para trás

| Partilhar
A edição de hoje do Jornal de Notícias parece vir dar razão aos que ontem (parece que adivinhámos!) defendíamos a cooperação transfronteiriça:

Os indicadores económicos mais recentes não deixam margem para dúvidas a Galiza atravessa o período mais próspero da sua história e promete, até, superar todos os índices de crescimento de Espanha. A produtividade dispara, impulsionada pelos sectores da indústria e serviços. O contraste com a crise que se vive na Região Norte de Portugal é evidente. Dois exemplos: o salário médio galego já vai nos 1240 euros, o dobro da Região Norte, que se fica pelos 635 euros. A taxa de desemprego da Galiza desceu para o nível mais baixo dos últimos 25 anos, enquanto no Norte continua a subir e a bater recordes pela negativa.

8 comentários:

  1. Será que a NÃO REGIONALIZAÇÃO não tem nada a ver com isto?

    Emilio Pérez Touriño
    Presidente da Junta da Galiza

    "Para a Galiza, a regionalização foi, sem dúvida, um processo de transição de primeira ordem. Quero crer que também operaria de forma positiva deste lado da fronteira. Mas, por respeito institucional, não quero fazer uma intervenção política neste sentido".

    Regionalização

    ResponderEliminar
  2. Mas para que é que os Galegos haveriam de querer uma "cooperação transfronteiriça" com uns "atrasados" como nós??? Só se eles fossem doidos....

    ResponderEliminar
  3. Caro Anónimo:

    se assim fosse, a UE também não abriría as portas a países terceiro mundistas tipo Portugal e outros...

    ResponderEliminar
  4. "Mas para que é que os Galegos haveriam de querer uma "cooperação transfronteiriça" com uns "atrasados" como nós??? Só se eles fossem doidos...."

    Porquê? Ora, porque o Norte de Portugal é a metade Sul da Galiza. O norte de Portugal é Galego não é lusitano.
    Ora as nações defendem-se sempre, nem que a outra metade esteja sub-desenvolvida.

    Um exemplo, Largaria você metade de Braga por essa metade ser menos desenvolvida?

    O que contam é a nossa verdadeira identidade, o que somos, a nossa nação e nós somos Galegos, logo mesmo que sejamos pobres (por causa de Lisboa) os Galegos têm todo o interesse em ajudar os Galegos do Sul.

    Carlos

    ResponderEliminar
  5. Último anónimo, acho que não tem bem a noção da realidade. Nenhum galego se quer juntar a Portugal. O que se fala é da preservação da língua "galega". Para eles é português mas todos sabemos que não é - aquilo está mais para portunhol.

    Os galegos que defendem a "língua gelega" fazem-no por demarcação de Madrid e para tentar dar força aqueles pequenos movimentos "pseudo-independentistas". Não o fazem para se juntarem a Portugal.
    A "língua galega" está reduzida às aldeias da Galiza, os jovens e os habitantes das grandes cidades galegas não sabem falar o "galego".
    É uma falsa questão esta da união Norte/Galiza. É assunto de quem não tem mais nada para fazer

    ResponderEliminar
  6. voce é que nao tem bem a noçao da realiadade.

    os varios independentistas galegos defendem a uniao com o norte de Portugal, a metade sul da Galiza.
    Querem reunificar a antiga Galécia, reunificar o povo Galaico.

    Tem de se informar melhor.

    Visite estes blogues

    http://calacia.blogspot.com/
    http://gallaeciaeuropa.blogspot.com/
    http://thorberg.blogspot.com/2007/05/reflexom-sobre-extensom-territorial.html

    Carlos

    ResponderEliminar
  7. http://econominho.blogspot.com/2007/04/euro-regies-sim.html

    Mesmo quem não gosta de economia pode deliciar-se com o mapa que alguns gostavam de recriar...

    Parabéns pela Avenida!

    Abraço,
    RR

    ResponderEliminar
  8. belo mapa sim,
    eu só adicionava o território do douro ao mondego. na reconquista estava praticamente deserto e foi colonizado por nortenhos portanto tambem merece ser independente do portugal mouro.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores