Das Portagens Que Pagamos Duas Vezes

| Partilhar
A6 - Auto-estrada da Marateca/Caia - Zona de Vila Boim
© moitas61

As populações de Braga, Guimarães, Fafe, Barcelos, Vila Verde, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto continuam a ser fortemente penalizadas e discriminadas pela(s) política(s) do(s) Governo(s) no que respeita às auto-estradas. Para além de pagarem as portagens mais caras do país, os baixo-minhotos continuam a pagar com os seus impostos as auto-estradas de outras regiões como o Alto Minho, Douro Litoral, Beiras e Algarve.

Os planos do Governo para taxação das SCUT's apenas a Norte são altamente penalizadores das populações da região do país mais fustigada pela crise. Contudo, é preciso que notar que a previsível cedência aos caciques locais não resolve o problema dos baixo-minhotos, enquanto não for definido um plano nacional minimamente lógico e coerente em termos de taxação de auto-estradas.

3 comentários:

  1. Esta é que é a maior verdade:
    Nós pagamos as nossas portagens directamente e pagamos as deles indirectamente através dos impostos!
    Também não temos alternativas para ir para Valença e a N14 não é alternativa para ninguém para ir para o Porto mas mesmo assim pagamos!
    A A28, por exemplo, tem alternativas: o que é o metro para a Póvoa? o Comboio para Viana do Castelo? e Autocarros para Esposende e para as outras cidades?
    Depois somos nós todos a pagar os deficites do Metro do Porto porque não tem passageiros suficientes para pagar a operação pois ninguém precisa de o usar..
    Depois a CP dá prejuízo...
    Depois não há como estacionar nas nossas cidades e os transportes públicos não funcionam,
    Depois temos elevada dependência de combustíveis fósseis e a poluição é elevada...
    Se todos pagassemos talvez todos pagassem menos!
    Ricardo Fernandes

    ResponderEliminar
  2. Pelo contrário, tudo devia ser pago e ainda acho que as autoestradas estão baratas. Uma autoestrada cara desencoraja o uso de automóvel.
    Quem quiser ir sozinho de Braga ao Porto, ou Lisboa ou Algarve pensaria duas vezes antes de utilizar o automóvel.
    Relativamente ao estacionamento, este também deve ser pago e quanto mais perto do centro das cidades mais elevadas devem ser as tarifas. Imaginem um peâo a andar no centro de Braga com uma armação de madeira e arames a ocupar o espaço de um carro. Como devem imaginar os protestos que isto causaria nos automobilistas. O carro individual é o meio de transporte mais estupido para se andar nas cidades.

    Almerindo Margoto

    ResponderEliminar
  3. "Depois somos nós todos a pagar os deficites do Metro do Porto porque não tem passageiros suficientes para pagar a operação pois ninguém precisa de o usar..
    Depois a CP dá prejuízo..."

    A Cp dá prejuízo? E as contas às externalidades, já as fez?
    Mas não deixa de ter sua piada o facto de a RTP receber mais dinheiro que os grandes operadores públicos de transportes... http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=1447487

    Ou seja, gastamos mais para ficar a ver televisão do que para sair do sítio, a ver se vamos a algures...

    Prejuízo?

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores