Anjinhos

| Partilhar
Manuela Moura Guedes
© JN

Quem acredita na candura desta demissão?

19 comentários:

  1. Finalmente calou-se a MMG! Bendito de quem a calou. Isto sim é o serviço público que se proclama neste blogue.

    ResponderEliminar
  2. Se não os consegues vencer,nem juntar-te a eles, manda-os calar!

    Seria mais pacífico se tivessem simulado um acidente de automóvel...

    Pelos vistos a "máquina" está moderna mas anda necessita de algumas inovações aos estilo de filme americano.

    ResponderEliminar
  3. O mau jornalismo feito na frente de todos os portugueses, todos nós podemos com ele e somos capazes de criticar.

    A podridão politica que existe no país, os tabuleiros nos bastidores, as pressões politicas a todos os níveis, a criminalidade de quase 100% dos políticos sem punição,... com isso não podemos, e não sabemos até onde vai.

    Como dizia o Che Guevara, estou a ver que se queremos uma revolução/correcção da podridão que manda neste país, só de metralhadora na mão se lá vai.

    ResponderEliminar
  4. MMG devia continuar a apresentar o jornal de 6a. A decisão da Administração da TVI é completamente ilegal e uma afronta aos eleitores portugueses.

    ResponderEliminar
  5. Desculpem lá, liberdade de expressão em Portugal é cada vez mais parecida com a Venuzuela(Marcelo R.Sousa e Manuela M. Guedes), obrigado a todos a aqueles que não conviviem com a crítica, pois sem eles o 25 de abril seria uma realidade.
    Lamento pela cegueira popular que mais uma vez está prestes a dar continuidade a 30 anos de pura democracia!

    ResponderEliminar
  6. José Hugo Socrates Chavez.

    ResponderEliminar
  7. Os mesmos quadrados que criticam a pobreza de conteúdos da TVI (big brother, novelas, putos a cantar e afins) vêm agora indignar-se com esta decisão que limpa a imagem do 'jornalismo' em Portugal...

    Enfim, uns são mais democráticos que outros...

    ResponderEliminar
  8. Esta manobra da TVI é de meter nojo mas, há mais marés do que ditadores, e estes, onde levar um forte biqueiro nos fundilhos.O povo não quer, nem há-de querer,novos ditadores feudais.Viva a liberdade de expressão.

    ResponderEliminar
  9. Se não fosse a acção da TVI e do conhecido telejornal, ainda hoje pouco se sabia do caso Freeport - e possivelmente não teriam sido interrogados e constituídos arguidos quase todos os suspeitos que constavam da carta que as autoridades inglesas enviaram.
    Mais quatro anos passariam e mais quatro...até ao arquivamento final.

    ResponderEliminar
  10. finalmente alguem calou esta pseudo jornalista, que era uma vergonha para o jornalismo em portugal

    ResponderEliminar
  11. «Se não fosse a acção da TVI e do conhecido telejornal, ainda hoje pouco se sabia do caso Freeport»

    O mais estranho nisso tudo, é que toda a informação nova que surgiu sobre isso, surgiu em sextas feiras, num determinado canal. Não surgia noutros dias, nesse canal. Enfim, seria repetida. Como era reproduzida nos outros meios.

    E a estranheza aumenta, quando se passou um Agosto tão tranquilo. Quem diria que a Moura Guedes pode ir de férias sem que ninguém lhe roube o filão de ouro? Estranho, hein?

    ResponderEliminar
  12. Existe ainda o direito de opinião, mas também a responsabilidade de quem opina.Este caso não parece ser importante, mas convenhamos políticamente alguém pode colher votos, seria uma manobra inteligente.Depois o PS, não deixou de se manifestar incomodado com o Jornal da TVI e isso permite agora todas as interpretações por muito que desagrade ao PS.Nada seria anormal...mas estamos em Portugal a poucos dias de eleições e joga-se o vale quase tudo.Terá a política regras?

    ResponderEliminar
  13. Jorge Sousa,

    o mesmo aconteceu aqui há uns anos com as reportagens do Independente.

    Que culpa têm algumas publicações de terem uma equipa de investigação jornalística que realmente investiga, sem se limitar a fazer copy/paste do que recebem das agências noticiosas e de press releases?

    ResponderEliminar
  14. Já que o Pedro Morgado não quer adiantar a sua visão do do episódio, eu quero dizer o seguinte:

    - O jornal nacional era programa do canal com mais audiências.
    - Foi o único sítio onde se fez um mínimo de investigação sobre um caso obscuro que envolve o primeiro ministro.
    - O primeiro ministro atacou directamente este programa ("jornalismo travestido").
    - O governo tentou tomar controlo da estação, através da compra da TVI por uma empresa controlada pelo governo.
    - O programa esteve de férias e ia voltar hoje com novas peças sobre o assunto.
    - Apenas na véspera de voltar ao ar, com novas peças sobre o assunto, o programa foi suspenso.


    Depois de tudo isto, anjinhos são os que acreditam que a suspensão do jornal nacional foi inocente e estes factos são apenas coincidências.

    ResponderEliminar
  15. Eu não acredito nessa cara!

    ResponderEliminar
  16. Jorge Coelho, aí mesmo é que está a questão. A TVI revelou-se absolutamente incapaz de publicar o que quer que fosse nestes dois meses de férias. Nada. Zero. E incrivelmente ninguém foi capaz de explorar um filão que dava audiências.

    Só nesse Jornal das Sextas - e não no Jornal Nacional - é que surgiu alguma coisa.

    Nota: o programa já foi suspenso na semana passada, segundo dizem. Uma semana depois da ruptura entre a Prisa e o PSOE... Você acredita em coincidências? Como referi no meu próprio post, podem existir várias teorias sobre o porquê, mas, a meu ver, só uma bate certo com a pergunta: porquê agora?

    ResponderEliminar
  17. Alguém que explique ao Pedro Morgado que o problema não foi a demissão de Manuela Moura Guedes mas a suspensão do seu programa, mas sim a suspensão do seu programa.

    ResponderEliminar
  18. Coisa importante? O País passa bem sem esses dois.Preocupem-se com os que não têm que comer e sem emprego querem realmente trabalhar.Deixem de pagar subsídios a quem nunca quis trabalhar e até consegue ter casa do Estado...depois digam que não há minorias protegidas...

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores