Os Espanhóis e o Jornal de Sexta

| Partilhar
O fecho do programa de Manuela Moura Guedes suscitou inúmeras perorações. Muita gente tirou conclusões tomando como certa a circunstância de o Grupo PRISA, que manda na TVI, depender ou, pelo menos, ter boas relações com o governo socialista espanhol. “É uma ordem socialista através do seu aliado, a PRISA”, disse, por exemplo, Paulo Portas. Saber alguma coisa do assunto, evidentemente, só atrapalharia os comentários. O certo é que o Grupo PRISA e o governo espanhol têm, presentemente, uma péssima relação, como saberá qualquer pessoa medianamente informada sobre o que se passa em Espanha. Um dos mais agressivos ataques feitos, recentemente, ao governo socialista espanhol partiu do administrador delegado do Grupo PRISA, Juan Luis Cebrián. Não vale a pena resumir o artigo que ele publicou no diário El País do dia 21 de Agosto. Quem quiser, pode lê-lo aqui.

2 comentários:

  1. Os favores/deveres da PRISA só podem ser negociados através de Espanha?

    Tantas offshores, tanta forma... tanta vantagem em acabar com um jornal que ia noticiar supostas evoluções no caso.

    Democracia isto!?
    Ninguém acredita, uns tentam enganar-se outros têm motivação para enganar.

    O péssimo jornalismo podia ser avaliado por todos, os jogos de poder, esses passam ao lado, e com os ínfimos meios de prova deste país, na minha opinião a justiça e os seus meios estão de tal forma controlados, que ninguém toca nos "cabecilhas" dos principais partidos.

    ResponderEliminar
  2. Talvez o mais importante, neste caso, é percebermos temos um primeiro ministro que não gosta de ser alvo de chacotas.
    Há 4 anos atrás, o PSD, numa campanha negra, insinuou que Sócrates era homossexual. O bom do português conduiu-se e premiou-o.
    Hoje Sócrates é vitima de novo ataque. Só que desta vez é ao seu perfil de cidadão. E pela forma como reagiu, prova ter uns tiques de autoritarismo e de pouco contacto com a vox populi. Parece um caso de eu quero, posso e mando e se não fazem como eu quero, mexo as influências internacionais para os silenciar.
    Atenção, porque se a Prisa está disposta a correr este risco, é porque a contra proposta deve ser muito boa. É ter em atenção se o governo daqui os recompensará com algo e se serão agraciados por este favor do outro lado da fronteira.

    farricocomaldito.blogspot.com

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores