Stress Crónico Afecta Tomada de Decisão
Estudo de Portugueses Publicado na Science

| Partilhar

© jamberckmans

Lisboa, 30 Julho (Lusa) - O stress crónico afecta o processo de tomada de decisões, levando as pessoas a depender mais de hábitos e menos de comportamentos orientados por objectivos, demonstra um estudo de investigadores portugueses hoje publicado pela revista Science.

São vastas as implicações da descoberta, na medida em que envolve desde aspectos da vida quotidiana até processos patológicos, como as toxicodependências ou as perturbações obsessivo-compulvisas.

O estudo foi realizado por uma equipa coordenada por Nuno Sousa, do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e da Saúde (ICVS) da Universidade do Minho, e Rui Costa, na altura nos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) dos Estados Unidos e actualmente investigador no programa de Neurociência da Fundação Champalimaud.

Este trabalho revela que o stress crónico altera a estrutura de circuitos neuronais que ligam o córtex pré-frontal, comparável à memória RAM de um computador, ao estriado, a zona do cérebro relacionada com as decisões.

O que se passa, segundo Nuno Sousa, é que o stress promove a atrofia das dendrites dos neurónios do circuito associativo responsável pelos comportamentos orientados por objectivos (córtex pré-frontal medial e estriado dorsomedial) e aumenta as dendrites no estriado dorsolateral, o circuito sensório-motor envolvido nas acções habituais.

Isso torna o comportamento dos sujeitos submetidos ao stress "mais dependente de hábitos e menos de comportamentos orientados por objectivos", explicou à Lusa o investigador coordenador do Domínio de Neurociências do ICVS e director do curso de Medicina da Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho.

"Este aspecto influencia o processo de tomada de decisão nesses sujeitos, tornando-o mais dependente de comportamentos habituais mesmo quando a situação contextual não o justifica", observou.

Dado o interesse e a grande relevância do estudo, disse ainda Nuno de Sousa, a equipa decidiu submetê-lo aos editores da Science, que logo decidiram publicá-lo.

"Trata-se obviamente de um momento de enorme importância para todos nós, tanto mais que o estudo é assinado apenas por portugueses e com um trabalho experimental feito em Portugal [no ICVS]", assinalou.

A investigação resultou de "um esforço de colaboração que representa a nossa visão de abordar os assuntos de forma multidisciplinar", acrescentou.

A equipa foi constituída por sete elementos que pertencem ao Domínio de Investigação em Neurociências do ICVS, sendo o primeiro autor Eduardo Dias-Ferreira, um aluno de doutoramento que está agora a continuar o estudo com Rui Costa.

Entre os seus projectos em curso, Nuno Sousa salientou os mais directamente ligados a este trabalho, centrados na tentativa de compreender melhor os mecanismos moleculares e funcionais envolvidos na conclusão a que chegaram.

Esses desenvolvimentos terão por objectivo "delinear estratégias que permitam modular os efeitos do stress nos processos de decisão e eventualmente utilizá-los futuramente como estratégias terapêuticas", concluiu.

Referência: Chronic Stress Causes Frontostriatal Reorganization and Affects Decision-Making. Eduardo Dias-Ferreira, João C. Sousa, Irene Melo, Pedro Morgado, Ana R. Mesquita, João J. Cerqueira, Rui M. Costa, Nuno Sousa. Science, 2009.

Nota: O estudo foi realizado integralmente no Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) da Universidade do Minho, em Braga. A equipa foi constituída por sete elementos que pertencem ao Domínio de Investigação em Neurociências do ICVS, sendo o primeiro autor Eduardo Dias-Ferreira, um aluno de doutoramento que está agora a continuar o estudo com Rui Costa.

Notícias: Science, AFP, Expresso, Visão, Diário Digital, IOL Diário, Ciência Hoje, Público, i, redOrbit, The Scientist, ABC, Nu.nl, AGI Salute, JN, DN, RTP, SIC, Correio do Minho.

6 comentários:

  1. Parabéns Pedro!!
    Agora não deixes de falar com o pessoal "só" porque o teu nome aparece na science :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. É sempre uma excelente notícia quando, com todas as limitações da investigação em Portugal, se conseguem trabalhos de qualidade. Mais ainda quando esse trabalho é publicado numa revista do prestígio e do "impact factor" da science.
    Estão de parabéns todos aqueles que contribuíram para o trabalho, bem como o próprio instituto mas naturalmente e em particular e por ser a face mais visível, o Eduardo.

    ResponderEliminar
  3. Só por curiosidade.E o Socrates já foi inaugurar esse Instituto ou ainda vai?Se não foi, perante foi tal estudo e sobretudo porque foi publicado em revista de top a aí o vão garamr para mais uma cortadela de fita

    ResponderEliminar
  4. Parabéns sr. Pedro Morgado:)! Em grande! Nada que já não se esperasse... por isso a surpresa foi mínima:)
    Grande Abraço

    ResponderEliminar
  5. "Vamos colocá-lo a viver no segundo andar de um prédio. Pode ser? Pronto. Agora, imagine a sua rotina diária. Todos os dias, entra no elevador e carrega no botão 2 para chegar a casa. Porém, se mudar de edifício - suponha que está a visitar alguém -, vai escolher outro piso, adaptando-se a esta nova realidade. O problema é que, segundo o estudo agora publicado na revista Science por investigadores portugueses, quando está sujeito a uma situação de stress crónico o mais provável é que continue a carregar no botão 2, em qualquer elevador, de qualquer prédio. O seu cérebro mudou e agora responde com as acções de rotina." Jornal Público

    Há a possibilidade de ser apenas distraído ou o meu cérebro já está atrofiado?!

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores