Ryanair Aposta no Norte

| Partilhar
A partir do próximo mês de Setembro, o Aeroporto Sá Carneiro, em Pedras Rubras, vai receber a trigésima terceira base da Ryanair, num investimento que ronda os cem milhões de euros e que irá criar cem postos de trabalho. Além disso, a empresa de aviação anunciou quatro novas rotas a partir do Norte (Basileia, Eindhoven, St Etienne e Tours) e ainda a intenção de criar voos domésticos a ligar Porto, Faro e Funchal.

A notícia é excelente para o Norte do país e reforça a necessidade de autonomizar a gestão do Aeroporto Sá Carneiro para que melhor possa servir a região sem se subjugar aos interesses de Lisboa e do mega-aeroporto que se perspectiva para 2017.

A ler: O Aeroporto do Minho.

7 comentários:

  1. note-se a cuidadosa obliteração do nome "Porto" deste post.

    tema interessante seria discuir a contribuição de Braga para este sucesso. além das palavras circunstanciais de Ricardo Rio, talvez o mais significativo tenha sido a diatribe fanfarrónica do mesquita contra os árbitros. :->

    ResponderEliminar
  2. Aqui vai a contribuição.

    O Aeroporto Francisco Sá Carneiro, situado na Maia, junto à fronteira com Matosinhos e Vila do Conde, devia ser pensado como o aeroporto do Norte Litoral, e o aeroporto de referência para 6M de habitantes, sendo o principal aeroporto do Noroeste da Península Ibérica.

    Como tal é uma falta de ambição, investir até 2030 num aeroporto que apenas possui uma pista, e que no máximo comportará segundo as previsões mais optimistas até 15M de passageiros por ano.

    Por muito bem gerido que esteja o aeroporto, e por muito bem que sirva actualmente a NUTS III Grande Porto (ligações rodoviárias sem portagens, ligação ao metro), todos os distritos interessados deviam participar no debate, e encontrariam o melhor local para um aeroporto com a dimensão adequada.

    Mas a Braga resta a sorte de ficar próxima da A3 que segue para Espanha, pois caso contrário o aeroporto ainda estaria com piores ligações.
    "Nossa", temos a A11!! Desde 1975 que as estradas nacionais que saem de Braga e a colocavam como referência para uma região de 600.000 (Monção a Braga, Montalegre a Braga, Este Barcelos, Povoa Lanhoso, Norte Famalicão, etc...), não receberam qualquer melhoria.
    Mas essa Área de Influencia ainda existe:
    http://s245.photobucket.com/albums/gg64/karlussantus/?action=view&current=FluxosFME.jpg

    Enquanto o PIDDAC do Porto de 2001 a 2007 demonstra que receberam o mesmo per capita que Lisboa e acima da média nacional.
    http://s245.photobucket.com/albums/gg64/karlussantus/?action=view&current=TabelaPIDDACResumo2001_2007.jpg

    Enquanto o QREN demonstra que o Grande Porto centralizou 42,4% do investimento total, 45,5% do regionalizável, quando apenas possui 3,8% da área, 34,2% da população e era a região mais rica do Norte com 130,9% em relação à media do Norte.
    http://s245.photobucket.com/albums/gg64/karlussantus/?action=view&current=CCDReditar.jpg

    Estámos a criar uma Nova Lisboa, mas esta nem é a capital de Portugal.
    Enquanto o desinvestimento em infra-estruturas estruturantes merecidas e devidas no Distrito de Braga continuam, e Braga continua a perder aquilo que sempre foi, uma referência no Distrito e no Minho. Enquanto o Distrito se torna cada vez mais num subúrbio do Grande Porto.

    Temos que ver o Grande Porto como um parceiro, mas primeiro temos que conquistar o direito a ser ouvidos, e actualmente não o somos.

    O "Aeroporto do Porto" é mais um exemplo disso. O Distrito de Braga não tem voz, e até já foi destruído em 3 NUTS III para não fazer sequer sombra. O Minho continuam a querer enterrar os 800 anos que teve de existência.

    ResponderEliminar
  3. eu bem digo. quem é que este antónio alves julga que é? Então a AIMinho não falou???? Se calhar o antonio marques é do porto também... Este desprezo por tudo o que nao é dito pelo Rui Rio e pelo Rui Moreira mete-me nojo. Esta sobranceria com que o porto olha para os outros é execrável e apenas serve para dividir.

    ResponderEliminar
  4. António Alves: "e ainda a intenção de criar voos domésticos a ligar Porto, Faro e Funchal."

    O Pedro depois pede desculpa por ter dito a verdade quanto ao local onde se encontra o aeroporto.

    Tanto se queixam gajos como tu do centralismo de Lisboa, mas no Norte sentem-se únicos. Haja paciência.

    ResponderEliminar
  5. Só para ser um pouco desmancha-prazeres:

    http://klepsydra.blogspot.com/2009_04_01_archive.html#5026435792852994127

    http://klepsydra.blogspot.com/2009_05_01_archive.html#8549070165757458923

    Mas não deixam de ser boas notícias para o Porto, perdão, para o nuorte!

    Agora se a base fosse recusada, tu dirias (com uma certa lógica) que tal "reforçaria" a necessidade da autonomização do aeroporto, certo? Como se concretizou... tu afirma-lo à mesma. Faz sentido (?).

    ResponderEliminar
  6. Este Tema não vale a pena discutir... Daqui a dez anos os aviões estão todos em terra porque não haverá dinheiro para o querosene e só os muito ricos se darão ao luxo de queimar o pouco óleo que ainda haverá para queimar.

    Almerindo Margoto

    ResponderEliminar
  7. "a diatribe fanfarrónica do mesquita contra os árbitros. :->"

    Teria sido uma absoluta supresa ter ouvido Mesquita Machado a falar de acessibilidades de/para Braga que não fossem as suas auto-estradas, a via circular, os múltiplos parque de estacionamento sem névoas.
    Teria sido uma supresa já que o executivo de MM demorou quase cinco anos a colocar um autocarro a ligar a renovada linha do comboio à Universidade do Minho. Cinco anos de espera a juntar a quase três décadas em que a autarquia pouco ou nada falou de acessibilidades que não passassem pelo CARRO.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores