Sócrates, o Outro

| Partilhar
José Sócrates Viseu Primeiro Ministro Portugal

A entrevista de hoje ao Primeiro-Ministro foi um autêntico passeio, um passeio dos alegres num país deprimido. Sócrates continua sufocado pela soberba do ensimesmamento que lhe é característico.

Alguém que, enquanto líder do PS, perdeu 3 eleições, contradisse-se em projectos ditos estruturantes, foi e é fonte de polémicas, não pode ser magnanimamente entronado como a figura política de referência portuguesa.
Um Primeiro-Ministro que pensou o exercício do governo como a soma dos negativos, nisso empreendendo todas as suas forças, lançando guerras contra quase todos os sectores profissionais, certamente não serve como figura executiva máxima de um país..
As pseudo-reformas servidas em pacote (como o exigem os tempos modernos) já não justificam o estoicismo artificial que agregava militantes e reformistas. As regras do marketing revelaram o seu perigo original, o que é de plástico pode ser moldável, mas nunca deixará de ser plástico, por muito que as novas formas se diferenciem das anteriores.
Escolheu o caminho que os socialistas geralmente acolhem com bonomia, o da falta de exigência, assim conseguindo melhorar os rankings, é certo, mas piorando a realidade dos factos, o Magalhães venceu a tabuada.

Foi Blair e agora quer ser o seu contrário, pragmático como sempre, afirmou (sobre a conversão ao neo-keynesianismo): "isto não é política nem ideologia", com ele é sempre assim.

Foi arrogante e intolerante, agora mostra-se dócil e humanista. Ao agitar a bandeira da cultura como lapso quintessesncial (espantoso?!), pisca o olho à esquerda que (ele acha que) já não se revê nele. É o renascer do dogma proprietário da cultura como património da esquerda, mostra que perdeu algum tempo a recordar as fórmulas passadas (ou que alguém o fez por ele), valha-nos isso.

Elegeu as barragens, independentemente do que os bulldozers destruírem pelo caminho, como uma aposta determinante para o país, sem que alguma vez nos tivesse sido explicada a relação custo-benefício?!

Em síntese, ficará conhecido como o político dos 3 Pês, Propaganda, Propaganda, Propaganda.

No final, sentenciou um juízo digno de um epitáfio político - "Aqui jaz Sócrates, animal feroz, satisfeito consigo próprio".

14 comentários:

  1. Curioso como Sócrates não apresentou uma reforma, nem nenhum plano positivo para o país em 4 anos, da perspectiva deste texto.

    ResponderEliminar
  2. Excelente post. Na forma e no conteúdo.

    ResponderEliminar
  3. Deus Nosso Senhor não quer este Governo do PS. Muito menos um Governo do PSD. Precisamos de um PORTUGAL PRÓ-VIDA!

    ResponderEliminar
  4. Felizmente Deus Nosso Senhor não consta dos cadernos eleitorais, por isso o que ele quer ou não, conta muito pouco.

    ResponderEliminar
  5. O Socrates meteu o aborto e nós temos que gramar com ele. em espanah o zapatero nao fez isso.

    ResponderEliminar
  6. Em relação a "...lançando guerras contra quase todos os sectores profissionais, ...", uma pergunta:
    Quais são esses quase todos os sectores profissionais?

    Guilherme Gomes e Sousa, tenho ideia de ter havido um referendo. Tenho ideia de todos termos votado na questão do aborto. Se calhar estou enganado.

    ResponderEliminar
  7. Olhe se ele fosse um bom português seria católico no respeito pela tradição. e se fosse católico nao deixava um assunto tao sensivel nas maos do povo. o povo nao tem competencia para legislar sobre os designoos de Deus.
    A Deus o que é de Deus e a césar o que é de césar. As nossas vidas são de Deus.

    ResponderEliminar
  8. Médicos, enfermeiros, professores, juízes e magistrados, advogados, notários, funcionários públicos, polícias, militares, banqueiros, trabalhadores de todas as áreas (com o código de trabalho que o repugnava no tempo do governo PSD)... Não sei se lhe chegam, mas parecem-me esclarecedores q.b.

    Uma coisa é combater interesses corporativos não idóneos, outra coisa é declarar guerra ao mundo e esperar que ele riposte com améns.

    ResponderEliminar
  9. O Sócrates faz agora mea culpa em muitas coisas e também sobre os erros cometidos no processo de avaliação dos professores. Esta equipa ministerial desprestigiou a a autoridade dos professores na sala de aula, desautorizando-os, transformando a escola pública num autêntico barril de pólvora. Menosprezou a influência e a importância que os professores têm na sociedade portuguesa. E só agora, na ressaca eleitoral e com a máquina de calcular na mão é que percebeu finalmente que a esmagadora maioria dos professores que há 4 anos foram no engodo, das suas promessas, e votaram PS, transferiram-se em massa para o Bloco de Esquerda, fazendo ouvir e de que maneira o seu protesto e a sua revolta com este PS/Socrático arrogante e aldrabão. Espera com este mea culpa que os professores em Setembro voltem a votar PS. Pela minha parte, já decidi que continuarei a votar no Bloco, porque como diz o outro "Já dei para este peditório". Prefiro continuar a votar numa esquerda, de facto, que defenda os meus direitos do que numa "esquerda neo liberal" que me engana todos os dias.

    ResponderEliminar
  10. "A Deus o que é de Deus e a césar o que é de césar".

    É por isto que eu acho que... devíamos ser governados directamente por Deus (qualquer deus) que reuniria às quintas-feiras em Conselho de Ministros com as suas tropas divinas que, por deliberação de Deus, moveriam as guerras necessárias para, divinamente, impôr o reino de Deus na Terra.
    Se fossemos governados por Deus (qualquer deus), teríamos sempre a certeza de nos ser aplicada a "justiça divina", assim como fazem no Irão e nas Arábias.
    São governados por Deus, logo são livres, logo são felizes, logo obedecem, logo alcançarão a Plenitude.

    ResponderEliminar
  11. José Sócrates não é um político famoso. A única alternativa credível é o voto no BE.

    ResponderEliminar
  12. A sarna deu no animal feroz que Sócrates dizia ser.Quem acredita,no seu perfeito juízo,que o lobo virou a rafeiro?Acho que nínguém, nem mesmo com lágrimas de crocodilo.O seu tempo,de má memória,já foi.Acredito que o povo,apesar de o tentarem manter na ignorância,saberá dar a resposta a quem não o soube respeitar.

    ResponderEliminar
  13. Por acaso não partilho totalmente dessa "mudança de estilo". Bastava ver a sessão na AR "animada" algumas horas antes.

    A jornalista essa sim tem um estilo diferente para um programa também diferente.

    Não havia motivos para exaltações.

    A próxima é a Manuela Ferreira Leite, vamos la assistir a mais contradições entre o exercido e o dito, e perceber que tipo de alternativa temos da direita sem rumo.

    Dois apontamentos em comentário a alguns comentários:
    - o próximo governo tem de ter coragem e capacidade de tomar decisões difíceis, como as que o actual governo teve de assumir. É para isso que são eleitos representantes dos cidadãos. E reformas tem este governo efectuado desde o primeiro dia, e incluindo o próprio exercício politico;
    - em uma luta lançada desde os primeiros tempos da discussão pela Juventude Socialista, quem decidiu sobre a IVG foram os portugueses não o governo, a bem de uma sociedade mais justa e democrática.

    ResponderEliminar
  14. Há uma enorme contradição nesta mutação.

    Socrates diz que chegaram à conclusão que tiveram problemas de comunicação e que agora farão um esforço por comunicar melhor. No entanto, até há pouco tempo, todos os especialistas de comunicação assumiam que este governo tinha bons méritos de comunicação. Quantos artigos é que não se escreveram sobre as agências de comunicação, sobre a suposta central de comunicação? E a famosa guerra com a com as classes não foi até assumida como instrumental nessa política de comunicação.

    Assim, o que falhou não foi a comunicação, foram as políticas comunicadas. No plano Socrates 2009 seria uma ano para limpar. Os cheques estavam preparados e contava com a má memoria dos eleitores. A crise é que lhe estragou os planos.

    O novo Socrates só revela um pouco mais do velho Socrates: não político mais de plástico que o nosso Primeiro-Ministro. Todo é é oportunidade e nada de convicções.

    Façam um estudo da sua vida. Era JSD, perdeu umas eleições e virou-se para o PS.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores