Capítulo 35: democracia participativa

| Partilhar
Na passada Terça-feira, foi notícia no Diário do Minho a intervenção de um cidadão na última Assembleia Municipal de Braga. Henrique Castro, informa-nos o jornal, aproveitou o período destinado à intervenção do Público para apresentar "um novo modelo de habitação social para o concelho".

Henrique Castro falou na "urgência de encontrar modelos alternativos" aos bairros sociais, lembrando as propostas que a sociologia urbana apresenta para a questão e, oportunamente, sugeriu aos partidos que não esquecessem esta matéria aquando da elaboração dos programas eleitorais.

Este exemplo parece então demonstrar que, ao contrário do que se pensa, a nossa democracia autárquica até pode ser participativa, desde que os cidadãos cumpram a sua parte: assistir às Assembleias Municipais e aí apresentar as suas ideias para o município. O problema é que se por um lado a democracia permite que os cidadãos falem, por outro lado não obriga os políticos a ouvir; afinal, somos todos livres.

E o dado curioso é que a liberdade, bandeira da democracia, acaba por ser um dos seus principais obstáculos. É que como também se lê na notícia: Henrique Castro falou e falou bem, mas discursou sozinho; a maioria dos nossos autarcas tinham aproveitado o espaço dos cidadãos para um intervalo.

6 comentários:

  1. Quando foi lá o cidadão manuel monteiro, os deputados sairam...

    ResponderEliminar
  2. A democracia permite que os cidadãos falem e que os políticos não ouçam.
    Mas, sendo tão boa aquela proposta e tão genial esta sua observação tomo a liberdade de as fazer também minhas e reencaminhá-las para o Ex.mo Sr. Dr. João Nogueira, Presidente da Bragahabit.
    Eu sou um cidadão cheio de Esperança. Pode ser...
    Amistosamente, Fernando Castro Martins

    ResponderEliminar
  3. Coitados dos senhores deputados. Têm direito ao seu intervalinho. Que interessa o que um Zé Ninguém tem para dizer?

    Ridículo!

    ResponderEliminar
  4. Os cidadãos falam no fim da AM, em lugar de falarem no início, como tem defendido o BE.
    E convém que quando se escreve que a maioria dos autarcas fez um intervalo, se diga de que partidos eram esses autarcas. É que nenhum dos quatro eleitos do BE alguma vez abandonou a sala quando intervém o público.
    Claro que a intervenção provocatória do senhor Manuel Monteiro foi uma caso à parte.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário do António é interessante, quando consideramos que o que o outro vai dizer é provocatório, já podemos abandonar a sala. Mas o que disse o sr Henrique castro também não pode ser considerado uma provocação? Seja ela no bom sentido ou no mau sentido?
    Ouvir somente quando nos agrada não é bom exemplo de democracia, venha ele de onde vier, mesmo do «angélicos» do BE.

    ResponderEliminar
  6. Algumas notas:
    1. O Sr. Henrique Castro, vindo de Lisboa, chega agora a Braga com muita vontade, não de ver implementado o "seu modelo", mas antes na expectativa de ser absorvido por algum partido político;
    2. Penso que o Sr. terá falado no período da AM destinado ao público, pelo que, o que terá acontecido é que pelo tardar da hora muitos deputados (de vários partidos) terão abandonado o recinto;
    3. As repostas habitacionais fazem sentido quando se sente a sua necessidade.
    Se alguém leu a proposta pôde verificar que não traz nada de novo.
    Os bairros sociais já não se constroem em Braga há muitos anos, a política de dispersão está a ser seguida desde os anos 80, e fazer mini-bairros sociais nas freguesias é uma necessidade que não terá sido sentida em Braga, mas disto perceberá a Bragahabit que não só faz a gestão dessa área, mas tb pelo que sei, produz investigação...
    4....

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores