Por Debaixo da Toga

| Partilhar
Ainda não fiz questão de passar o visto na tal festa à herança romana de Braga da qual, sendo honesto, pouco resta que meia dúzia de pedras espalhadas entre Cividade e as Frigideiras do Cantinho, e alguns vícios. Da revista à imprensa local, salta aos olhos os calores de Rui Madeira, que não se coibiu em mostrar a pintelheira corporal debaixo da toga que, de adorno da elite patrícia sobre a indumenta, mais se assemelhava a toalha em redor do corpo, fosse o homem estar recém-chegado de um banho nas termas ou de uma orgia organizada pelo Roxo. De temer pela saúde visual das criancinhas que lhe repetiram o "Avé, Mesquitus Machadus!" ao Governador local - bem mais católico nas vestes, como mandaria a mais recente cúria romana - ainda que no que à destruição do património da cidade diz respeito, lhe assentasse melhor o papel de Átila ou de Aníbal.

7 comentários:

  1. Aníbal era dono e senhor de uma grande civilização que em muitos aspectos suplantava a Romana.
    Compara-lo a Átila é um acto de ignorância.

    ResponderEliminar
  2. Pronto, chegou o Hermano Saraiva de serviço... Não estou a comparar Átila com Aníbal.

    ResponderEliminar
  3. Se não gosta do Hermano Saraiva problema seu.
    Você também escreve muita baboseira e o povo lê.
    Se não comparou tentou dizer que Aníbal tratava mal a civilização como Átila.
    E tenha mais respeito pelas pessoas que comentam no blogue.

    ResponderEliminar
  4. Eu referia-me na tentativa de destruir a civilização romana e Roma em si. Peço desculpa pela falta de acuidade.

    ResponderEliminar
  5. Adorei ver o Xicus Mesquitus vestido de romano,parecia o Nero.

    ResponderEliminar
  6. A Feira Romana demonstrou algumas coisas:

    1 - a feira é um evento a subir de qualidade e começa a deixar de ser uma feira mediaval trasvestida de romana. Mesmo faltando-lhe uma componente mais local e ligada com a história de Braga, algo que permitisse conhcer melhor a Braga romana, é um evento a ganhar dimensão.
    2 - que um turísmo cultural associado a Bracara Augusta poderia ter sido uma enorme afirmação de Braga.
    3 - reconstruir o teatro romano não é apenas um custo
    4 - Bracara Augusta vale mais do que feiras e é uma imagem de marca por explorar

    ResponderEliminar
  7. Querer fazer de Braga a Roma Portuguesa é não só irreal como um atestado de ignorância.

    Em Braga não se andava vestido como Romanos, não se vivia como romanos nem estávamos em Roma.

    Braga tinha traços Romanos pois a minoria que tinha o poder através das armas o era. Mas não deixava de ser uma minoria.

    A maioria esta era autóctone.

    A imagem de marca a explorar é a civilização Castreja onde os Brácaros estavam inseridos. Aliás, as ruínas desta civilização são centenas de vezes mais numerosas e imponentes que os calhaus que se encontram na cidade.

    Cada alto de cada monte tinha um castro, uma cividade ou citânia.

    Finalmente, Hermano Saraiva é a maior fonte de disparates desde que vale e azevedo foi expulso da sociedade.

    Todos os meus professores desde o secundário até à universidade diziam que ele era um demagogo fasco-nacionalista que especula ideias romanticas na TV como se factos fossem.

    Por por outras palavras, este senhor que defendeu Salazar na emissão dos maiores Portugueses, é um mentiroso simpático.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores