Há Mais Norte Para Além do Porto!

| Partilhar
Urbano 15278, Estação de Braga, 2008.12.22
© nmorao

A Assembleia da República discutiu no passado dia 6 de Maio uma petição da Associação Comboios XXI para que o serviço ferroviário urbano entre Braga e o Porto se faça em 45 minutos. Antes demais, é de toda a justiça enaltecer o trabalho de verdadeira cidadania dos promotores da Petição e reconhecer a pertinência das suas pretensões.

A linha de Braga (e o mesmo se aplica à de Guimarães) tem sido utilizada para fazer serviço de metro entre as estações de Trofa e São Bento, o que resulta num evidente prejuízo para os utilizadores provenientes das duas maiores cidades do Minho. Como bem referiu o deputado Bruno Dias do PCP, «quando se aumenta a oferta de transporte, o resultado é o aumento da procura e da adesão das populações ao transporte público». Do mesmo modo, a degradação do serviço prestado resulta inevitavelmente na diminuição do número de passageiros, o que é bem evidente nos dados referentes à linha de Guimarães.

No mesmo debate, o PSD aproveitou para anunciar a proposta de integração da ligação entre Barcelos e o Porto na rede de comboios urbanos do Porto. A proposta é interessante, mas integra-se no perigoso paradigma vigente de que os comboios urbanos a Norte apenas existem para transportar pessoas de e para o Porto.

Contudo, há mais Norte para além do Porto. Se olharmos para os dados do último recenseamento, verificamos que os movimentos pendulares entre Braga e Barcelos (4.908/dia) ou entre Braga e Guimarães (4.288/dia) superam em larga escala os movimentos pendulares entre o Porto e qualquer uma das três cidades (Braga 2.856/dia; Guimarães 1.752/dia; Barcelos 1.615/dia). Posto isto, é verdadeiramente incompreensível que a ligação ferroviária entre Braga e Guimarães continue por se concretizar e, ainda mais, que não exista uma ligação directa entre Braga e Barcelos. Saliente-se que esta última seria facilmente praticável em menos de 20 minutos, caso existisse a concordância de Nine.

A massa crítica do Minho tem sido verdadeiramente incapaz de sensibilizar os governos (tanto do PS como do PSD e do CDS/PP) para a resolução dos problemas estruturais que afectam a nossa ferrovia e, sobretudo, para a inexistência de alternativas ao transporte rodoviário no terceiro maior centro urbano do país (relembro que Coimbra já está a resolver o seu problema). Em vez disso, aceita-se passivamente a esmola de pertencer aos Comboios Urbanos do Porto que deviam ser, verdadeiramente, Comboios Urbanos de Entre Douro e Minho.

10 comentários:

  1. Primeiro que tudo, venho confirmar que estava errada quanto à forma de uma petição online...

    Em segundo lugar, essa ligação Barcelos/Braga é pertinente. Eu moro ao lado da estação em Barcelos. Quando não tinha automóvel para fazer as deslocações diárias, demorava de comboio, 45 min. para chegar a Braga.

    Ora, se de carro (pela A11) demoro 15 min. (1/3 do tempo despendido de comboio), para quê apostar no transporte colectivo se em quase nada me favorece (para além da seca de 15 min. em Nine...)?

    Em terceiro lugar, não percebo como só agora perceberam a importância da ligação Urbana de Barcelos ao Porto. Quando lá estudava, fazia a viagem todos os dias, tal como muitos amigos e conhecidos para quem morar na cidade Natal com os pais saía mais barato na factura final. O percurso é mais caro (Regional), e moroso que o quisermos mais barato (trocar em Nine, esperar 20 min., e comprar outro bilhete).

    ResponderEliminar
  2. Caro Pedro,

    O título deveria ser: «Há mundo fora do concelho de Braga». Brevemente colocarei no Norteamos um artigo referente à demissão da elite bracarense na reflexão sobre Portugal, sendo permanentemente uma caixa de ressonância de Lisboa... Quem está ausente, como você diz e bem, são os representantes de Braga. O Porto não tem culpa...

    Anyway, o que faz sentido é mesmo avançar com uma linha suburbana entre Viana-Barcelos-Braga-Guimarães-Vizela-Felgueiras-Amarante-Régua. Isto é, aproveitando linhas existentes e criando novas, Braga ficaria no centro de uma linha ferroviária transversal. É relativamente barato, serviria quase 1 milhão de habitantes e ... não passa pelo Porto.

    Abraços

    ResponderEliminar
  3. Esta associação cívica que nasceu duma petição online e se transformou numa associação nacional é em si mesma uma lufada de ar fresco. Tem a sua génese no povo e não na tal massa crítica muda do Minho (Machado & Magalhães). Parece portanto que algo está a mudar relativamente à realidade descrita há não muito tempo e bem pelo Dr. Carlos Abreu Amorim: " Braga vive aninhada sobre si mesma, aferrada num poder autárquico que reúne quase todos os defeitos que o ´localismo` consegue engendrar".
    Há que continuar a lutar pela rápida conclusão da variante da Trofa, remodelação do troço de bloqueio em Contumil e construção da linha Braga - Guimarães. Esta última linha é na opinião de técnicos abalizados condição essencial à rentabilização da ligação Porto - Guimarães.
    Quanto aos Comboios Urbanos do Porto o nome é para mim irrelevante desde que se faça o que foi acima referido. Mas atendendo à sua alergia ao Porto, não sei se palavra se cidade, então mudemos para o nome correcto:
    Comboios Urbanos de Entre Minho e Vouga pois como saberá a ligação com mais tráfego de passageiros não é Porto - Braga mas sim Porto - Aveiro.

    ResponderEliminar
  4. A ACXXI tem se mostrado de facto uma associação muito pertinente na luta pela melhoria dos serviços no Norte de Portugal, no entanto, precisa de mais força sob a forma de sócios e de sócios que queiram dinamizar novos nucleos de linhas ferroviárias.

    www.comboiosxxi.org

    ResponderEliminar
  5. Caro José Silva,

    Temo que não tenha percebido o que escrevi. A proposta sobre Barcelos é de um deputado eleito por... Braga.

    ResponderEliminar
  6. Pois Pedro, mas o título do post é seu. Nunca ninguem do Porto contrariou investimentos em Barcelos ou Braga...

    ResponderEliminar
  7. Nunca ninguem do Porto contrariou investimentos em Barcelos ou Braga...Esse "nunca ninguém" parece-me excessivo. Mas de qualquer modo não passa de uma interpretação sua. Eu não o escrevi.

    ResponderEliminar
  8. O Centralismo tem destas coisas, só há uma volta a dar e a chave está na Autonomia do Minho.Espero que todas forças vivas,sejam do distrito de Viana do Castelo ou de Braga se juntem e formem apenas e só a Região Autónoma do Minho.

    ResponderEliminar
  9. Como utente frequente quer da linha Braga-Porto, quer da Porto-Aveiro, ia escrever justamente o que escreveu o El Salvador. "Entre Minho e Vouga", ou "Entre Cávado e Vouga". Eu diria "Urbanos do norte".
    De resto concordo com as tuas reivindicações.

    ResponderEliminar
  10. "O Centralismo tem destas coisas, só há uma volta a dar e a chave está na Autonomia do Minho.Espero que todas forças vivas,sejam do distrito de Viana do Castelo ou de Braga se juntem e formem apenas e só a Região Autónoma do Minho."

    Viana do Castelo a que proprósito? Nem mencionada no post vem (para não variar).

    Por muito que custe, a verdade vem sempre ao de cima.
    Para vocês e salvo raríssimas excessões como o do "autonomista", quando estão a falar do Minho,na realidade estão a pensar é em Braga.

    De um Vianense e Alto Minhoto

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores