O Marketing Religioso

| Partilhar
«Todas as expressões de ateísmo, todas as formas existenciais de negação ou esquecimento de Deus, continuam a ser o maior drama da humanidade.» [D. José Policarpo, 25/12/2007]

«Aliás, os médicos que avaliam os casos de milagre são na maioria das vezes ateus e agnósticos.» [D. José Saraiva Martins, 22/04/2009]

O marketing religioso é um indústria verdadeiramente impressionante. Vejam como os ateus, o maior drama da humanidade, às vezes servem para a própria Igreja tentar legitimar o que é cientificamente impossível de demonstrar.

Por outro lado, não há médico, seja ateu ou religioso, que tenha competência para afirmar que esta ou aquela cura «não é explicável cientificamente». O máximo que se admite é que aquele médico diga que naquele momento não encontra explicação científica. Isto é coisa bem distinta do que atestar a inexplicabilidade de um facto.

Quem quiser acreditar em milagres que acredite, mas por favor não nos passem atestados de menoridade.

18 comentários:

  1. Ouçam a nova música da Banda Zé Ninguém:

    Corrupção

    Corrupção em Portugal
    Não vai nada nada mal
    Este país é a loucura
    Está pior que uma ditadura

    O governo é uma piada
    Nem o circo tem tanta palhaçada
    Este país à beira mar
    Vamos todos afundar

    Por isso eu digo não
    Por isso eu digo não
    À corrupção
    À corrupção

    E depois, quem vai pagar!
    Andamos todos a brincar!
    Nem o gato nem o cão!
    Eu aposto um milhão

    Autarquia fraudulentas
    Presidentas pestilentas
    Sabem de quem estou a falar
    Ou é preciso explicar?

    Senhoras e senhores:
    Bem vindos a Portugal!
    O País mais corrupto da Europa!
    Mais corrupto da Europa!
    Não tenha medo, aqui ninguém vai preso!
    Ninguém vai preso!
    Mais corrupto da Europa!
    Mais corrupto da Europa!

    Este país é uma demência
    É uma grande decadência
    Autarquia fraudulentas
    Presidentas pestilentas

    E depois, quem vai pagar!
    Andamos todos a brincar!
    Nem o gato nem o cão!
    Eu aposto um milhão

    Por isso eu digo não
    Por isso eu digo não
    À corrupção
    À corrupção

    Banda Zé Ninguém
    www.myspace.com/bandazeninguem

    ResponderEliminar
  2. Ao contrário do que diz D. José Policarpo, o ateísmo é o maior equilibrador das sociedades modernas. Não se conhece alguma guerra que tenha sido provocada ou desencadeada por algum ateu.
    A laicisação dos estados promoveu a democracia, a libertação da mulher e o reconhecimento válido para as sociedades das minorias sexuais...

    Almerindo Margoto

    ResponderEliminar
  3. Declaração de intenções: sou católico.

    Quanto mais reflicto sobre a unicidade da vida, e de quão breve ela é, mais me apercebo da desumanidade que existe em julgar os outros pelas suas crenças e modos de viver.

    A vida é tão curta, e há pessoas que passam boa parte dela a fazer a vida de outras pessoas um inferno.

    Será que um Deus que seja Amor irá castigar um ateu/agnóstico que em toda a sua vida agiu para buscar a sua felicidade e procurar a felicidade dos que os rodeiam?

    Enfim.

    Neste meu humilde blog, procuro reflectir sobre estas questões sobre a vida e a sua singularidade.
    http://peaodotempo.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. não quero ser advogado de ninguém, é apenas uma história:


    já vi serem passados "atestados de milagre", por médicos, em relação a uma situação grave envolvendo o meu sobrinho. e foi mais que um, que usou a terminologia "milagre".


    não quero com isto afirmar qalquer fé, porque em relação à religião, sou céptico, vulgarmente conhecido como agnóstico, com algumas oscilações entre ateísmo e uma maior dúvida - também não consigo ter fé que deus não existe.

    ResponderEliminar
  5. Pior do que isso, só mesmo o facto de os media continuarem a dar tempo de antena a estes demónios...

    ResponderEliminar
  6. isto é verídico, surgiu na sequência da aplicação de um "banzai" :) um inquérito... cá vai o trecho:

    (...)

    - «não, não acredito em deus nem em deuses; não acredito em porra nenhuma.
    - é ateu, portanto.
    - não sou ateu, quer dizer, sim às tantas sou... olhe, sou à toa!»

    m.ª

    ResponderEliminar
  7. Excelente post. Eu nem acredito que esses pândegos se vão meter nas eleições...

    RECUSO-ME A PAGAR IMPOSTOS PARA ESTA GENTE...

    FIM DA CONCORDATA JÁ!

    ResponderEliminar
  8. A questão é muito simples : se não houvessem "milagres" não haveria "esperança" de algo melhor, nesta vida ou na outra, e sem "milagres" a igreja de hoje não subsistia.
    O problema é que ser-se beneficiado por um "milagre" é mais problemático do que acertar-se no Euromilhões.
    Cordialmente

    ResponderEliminar
  9. Aquilo que a igreja católica diz quando declara um milagre é isso mesmo:
    segundo a ciencia actual, bla, bla, bla...

    ninguem vos passa atestados de menoridade, mas também ninguém tem culpa da vossa falta de cultura religiosa.

    Cam

    ResponderEliminar
  10. Religião,cada um come a que quer.Se não gostar,não come.O importante é não incomodar os outros e assim as digestões serão mais fáceis.

    ResponderEliminar
  11. O Almerindo Margoto por certo nunca ouviu falar do que se passou na China quando os comunistas subiram ao poder. Pessoas de todas as religiões foram perseguidas. Não foi uma guerra é verdade... Mas provavelmente só não o foi, porque os crentes perseguidos não puderam ou não quiseram pegar em armas para se defenderem, pelo menos de forma significativa.

    O Fanatismo e a intolerância revestem-se de muitas formas. Até mesmo de ateísmo!

    ResponderEliminar
  12. Caro Pedro Morgado,


    Em relação à questão dos "atestados de menoridade", não me parece que esteja a ser completamente justo. Sinceramente, acho que é uma questão de semântica: parece-me óbvio que quando se diz "não é explicável cientificamente" se pretende dizer que não é explicado à luz dos conhecimentos científicos da época. Porque obviamente que ninguém sabe que explicações a ciência pode fornecer no futuro.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  13. Eu também poderia falar de coisas que não percebo de uma forma que parecesse que domino... Mas não falo. Não gosto de falar por falar ou de dizer mal porque socialmente e politicamente me fica bem, porque estou a ser reaccionário e a combater poderes instituídos e assim a lutar por um regime mais democrático e justo.
    Sendo eu um católico que acredita em Cristo e pratico (não sendo santo), não só a parte da agua benta e ouvir padres a falar, invoco Saramago (um suposto ateu mas que acredita mais que muita gente que se diz praticante): "Se não tiverem nada para dizer não ocupem o tempo às pessoas!". Até pareço o Bruno Aleixo. Pensa nisso (Quem quer que tenha "escrevido" o poste)

    ResponderEliminar
  14. Cam, eu acho que falta de "cultura religiosa" tens tu. Estás a precisar de consultar o que diz a Igreja sobre isso. Eu informo-te: Milagre, em sentido próprio e canónico, para a Igreja, é um acto de Deus, normalmente por intermédio de alguém já morto. Por exemplo, uma figura conhecida que viveu no século XIV português conseguiu que uma mulher portuguesa centenas de anos depois de ele morrer, recuperasse a visão. O que a Igreja diz é isto: o que aconteceu não tem nada a ver com ciência.
    Quando os médicos, por exemplo, usam o termo "milagre", usam-no em sentido figurado. A Igreja não usa a expressão milagre em sentido figurado.

    Pedro

    ResponderEliminar
  15. Resposta ao Emanuel.
    1- Na China como na defunta União Sovética, quando os comunistas chegaram ao poder perseguiram todos aqueles que se opunham ao regime independentemente da sua religiaõ. Certos movimentos religiosos opuseram-se violentamente contar o regime e por isso foram mais perseguidos. Ou seja, as persseguições, ao contrário do que quer fazer crer naõ foram na sua essência por motivos religiosos, mas sim por uma questão de poder tal como em Portugal o liberalismo do sec.xix e o republicanismo, à sua maneira perseguiram a Igreja Católica por esta se opor ao poder e às reformas que este preconizava.

    2- Por norma e culturalmente o termo fanatismo só se referência em termos politicos ou religiosos. Ora o ateiismo ou os ateus nunca poderão ser fanáticos, porque como não crentes o termo não se aplica, a não ser que queira definir um novo conceito para o termo "fanatismo".
    É como tentar provar que existia alguma coisa antes do "BIG-BANG"o que não é possivel já que não havia nem tempo nem espaço.

    Almerindo Margoto

    ResponderEliminar
  16. O Alerindo Margoto confunde as coisas. Para além de muitos conflitos terem sido iniciados por sociedades laicas, teria ainda que considerar que muitos dos outros conflitos foram iniciados por crentes que agiram com indivíduos e não como crentes. E mesmo quanto às guerras religiosas, será que o foram mesmo? Ou foram outros interesses?

    ResponderEliminar
  17. Gosto destas discussões.
    Há uma palavra importante que todos conhecem mas poucos usam. De parte a parte. Crentes e ateus e agnósticos. Chama-se tolerância. Só houve o Papa, os cardeiais, os bispos, os padres ou os diáconos ou os baptizados quem quer. Há contudo que saber ouvir.

    Claro que a questão do que é milagre ou não milagre é muito complicada até para a Igreja. É muito difícl "confirmar" um milagre. A este respeito pode ver-se as afirmações que o Cardeal Saraiva Martins proferiu quando era Prefeito da Congregação dos Santos.

    Depois disso,só acredita quem quer...

    Agora não podem impedir a Igreja de exercer uma das suas dimensões mais importante: a dimensão profética, de anunciar e denunciar...

    Para quem quer é claro!
    Mas, falta tolerância de parte a parte!

    cumprimentos tolerantes a todos

    continuação de boa discussão

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores