Este Espaço Era Nosso

| Partilhar
Braga, Estação dos Correios

17 comentários:

  1. Que vergonha isso está, assim tudo tapado. :/ Há algum sítio onde se possa ver como ficará no final?

    ResponderEliminar
  2. Como dizia Camões: "outros valores mais altos se alevantam"...

    ResponderEliminar
  3. Que horror.... Aonde estas obras de desqualificação irão parar???

    ResponderEliminar
  4. Mas não podiam deixar ficar a fachada do edifício?
    Na minha opinião ficaria bem melhor, e teriam, na mesma, total liberdade para fazerem o que quisessem por dentro.

    Fotos da obra no site da britalar.pt

    ResponderEliminar
  5. Mais centros comerciais??? O "rolo compressor" do consumismo está vivo e de boa saúde em Braga. Para quando os investimentos inteligentes em coisas que realmente importam? Na leitura, no cinema (alternativo), em espaços para fazer e ensinar teatro? Em espaços de verdadeira liberdade.
    Porcaria de classe política é o que me apetece dizer.

    ResponderEliminar
  6. Palhaçada! Esta em obras... Esperem...
    Certamente que será mais nosso do que era como estação dos correios!

    Ó Linguas, o poster esta mesmo em baixo.

    ResponderEliminar
  7. Até poderá vir a ser mais nosso, de facto.... mas para que tapar as janelas e retirar o relógio??? daí aposto q não vai sair nada positivo.

    ResponderEliminar
  8. Que tal para preservar a fachada e o relógio, para que não caia os se estrague.

    Acha paciência!

    ResponderEliminar
  9. Mais uma negociata a lá Mesquitismo isto em braga está pelas ruas da amargura. Qualquer dia vendem o edifício da câmara municipal para fazer mais um centro comercial, mas cuidado porque o sob solo dessa zona também não é nosso. é dos privados do costume

    ResponderEliminar
  10. "liberdade street fashion" ? Isto é em Inglaterra não é?

    ResponderEliminar
  11. O senhor Lucio Silva tocou na chave, no busílis de toda a preservação de edificios em Braga: as fachadas! Sim senhor, esse ex-líbris de toda a arquitectura! De que interessa o interior de qualquer edificio quando podemos potencializar todos os milímetros quadrados comprados? Nada, deita-se tudo abaixo e reza-se que a fachada vá pelo mesmo caminho. Não caiu? Não interessa, fazem-se mais 2 andares e meio de chapa, ferro e vidro espelhado para dar um ar moderno ao edificio. O clássico fundido com o novo-riquismo parolo!
    Triste cidade esta em que podemos rever na preservação o poder instalado. A aparência bonita com uns toques de modernismo mas por dentro o mesmo vazio de sempre!

    ResponderEliminar
  12. Ainda não consegui entender muito bem o projecto. Aliás, só lhe conheço a imagem de apresentação.

    Quanto ao edifício dos CTT, não acredito que o Gonçalo Byrne (pelo trabalho que lhe conheço) o descaracterize e o inferiorize.

    No site do gabinete dele ainda não aparece nada referente ao projectos, como as plantas e os alçados.

    Mais um caso de esperar para ver...

    ResponderEliminar
  13. A todos os que pensa que preservar é não mexer em nada, espero que não seja com intuito de enganar as pessoas nas suas pretensões nessas afirmações, e seja apenas falta de inteligência.

    Sendo falta de inteligência, fica só esta afirmação, que não fosse a reconstrução sistemática do mundo e certamente sua excelência não seria vivo.

    Vejam lá que não se deite nada a baixo, pois o interior do edifício era muito útil e uma peça de extraordinário valor arquitectónico histórico. Ou não...

    Além do mais, segundo a ideia desse senhor anónimo, o antigo quarteirão dos CTTs nunca deveria ser construído porque está em cima património que nunca deveria ter sido deitado abaixo.

    Serra melhor deixar a apodrecer o edifício do que torna-lo no que vai ser, conjugado com o Theatro do Circo e a nova praça em frente, dá a Braga mais um espaço de excelência para os bracarenses.

    Não se preocupe com a oferta de lojas comerciais, para isso os privados já devem ter feito tudo para defender os seus investimentos. è porque há clientes.

    ResponderEliminar
  14. Há algo que não percebo:
    se essas decisões de construir, de deitar abaixo, de restaurar vem desse "poder instalado", dessa "porcaria de classe política" por que é que essa mesma classe politica está na cidade de Braga há mais de 30 anos?

    ResponderEliminar
  15. Falando de preservação, fui ao dicionário, só para saber se estaríamos no mesmo comprimento de onda: Preservar – Pôr ao abrigo (de algum mal); resguardar.

    Contrastando a actuação da CMB com a dos privados neste caso concreto da avenida podemos ver que: entidade pública que deveria ter o cuidado, não se deu ao trabalho de acautelar trabalhos arqueológicos e “ai meu deus que é preciso despachar obra dentro do calendário eleitoral” enquanto que os privados espanhóis, muito calejados na defesa e preservação do património, são exemplo no que toca a preservação. Se os papéis estivessem invertidos, até se compreenderia que o privado estivesse interessado em “fazer desaparecer” para não ter mais encargos mas sendo como é, é de estranhar… ou não, ou não.

    Mas repare nos seguintes exemplos:
    -edifícios onde aproveitam a fachada e depois ainda acrescentam monos de chapa, ferro e vidro espelhado: Doçaria de São Vicente, Rua D. Afonso Henriques junto à Escola da Sé, o recente caso da Torre da muralha onde está sediada o Museu da Imagem. Todo um vasto reportório de atentados à traça do edifício original e envolventes.
    -indique-me um único edifício no centro histórico que a sua recuperação tenha incluído o seu interior. É tudo arrasado e só se aproveita a fachada, muitas vezes gerando certos abortos como por exemplo algumas lojas da Rua do Souto.
    -em Lagos, um projecto para parque subterrâneo no centro da cidade foi suspenso e alterado quando encontraram vestígios arqueológicos. A principal artéria do centro da cidade vai ser reduzida para criar mais espaço pedonal para turistas poderem apreciar o que foi descoberto. Veja lá que é PS… Há coisas fantásticas, não há?

    Enquanto nesta cidade não faltam exemplos de deita abaixo e reconstrói (vulgo “preservação” no seu entender), não faltam outros tantos de mantém, preserva e utiliza como se de um edifício novo se tratasse.

    Sabe-se lá que tipo de interiores estaremos a perder. Casas com tectos e paredes trabalhadas que nunca mais poderão ser apreciados pelos futuros moradores e nunca poderão ser reconstruídos/recuperados/copiados por falta de gente especializada e/ou pelos valores proibitivos que este tipo de trabalhos hoje custam.


    Se o seu critério é idade, o meu é simplesmente a beleza interior do edifício que merecia ser preservada e que muito ficaria a ganhar enquadrada num espaço comercial como este. Preservação aliada a visitas garantidas num local bonito. Um pedaço de Braga de outros tempos que mais uma vez vamos perder.


    Quando à praça (?), fique lá com o seu palanque para fumar charutos nos intervalos dos espectáculos do Theatro que eu preferia 4 milhões investidos em cultura, espaços verdes e recuperação do centro histórico. Verdadeira recuperação disponível para qualquer um e não para meia dúzia de endinheirados.
    E se calhar ainda sobravam alguns trocos…

    ResponderEliminar
  16. UM ESPAÇO PARA MIM??

    QUERO UM APARTAMENTO, SE FAZ FAVOR!

    ResponderEliminar
  17. Cuidado com o apartamento, só pode ser em local nunca antes construédo e sem património, e não pode pintar, alterar ou furar paredes par quadros.

    Será um atentado...

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores