Enfiar o Barrete

| Partilhar
Mosteiro S. Miguel Refojos Cabeceiras de Basto
© VRfoto

Joaquim Barreto, edil de Cabeceiras de Basto, e alto quadro do aparelho socialista, na circunstância de presidente da distrital do PS de Braga e com lugar na comissão nacional do Rato, dá-se mal com a opinião livre e os exercícios de literatura. Vendo-se retratado num texto criativo e pleno de humor, entre a paródia e a realidade crua, escrito por Alexandre Vaz, um respeitado professor e historiador-amador cabeceirense, atiçou João Pedroso para lhe defender a honra e o bom nome na barra do tribunal. Este trâmite de duvidosa cultura democrática parece já habitual por estes lados, não olhando a despesas, mesmo quando se chega a insistir instância acima sem razão nenhuma...

Pessoalmente, não desdenho que alguém faça por repor, dentro do bom senso, a sua iniquidade deturpada na exposição da praça pública. Mas um político de craveira, como qualquer outro, que nunca há-de agradar a gregos e a troianos, tem de saber dar a volta nos palcos próprios da política e responder com as armas devidas da democracia. É que assim a aura de "medo de levantar o toutiço", que Joaquim Barreto tanto abomina que se lhe aponte no feudo, é apenas confirmada por este modus operandi, de silenciar na Justiça, com o alto patrocínio dos contribuintes, os detractores da paranóia que tanto lhe incomodam. Há dias e lugares onde festejar Abril se torna simplesmente uma anedota.

14 comentários:

  1. Este senhor António Barreto não aquele democrata que, perante a liberdade concedida na altura por uns, intimou os socialistas da distrital de Braga a jurarem fidelidade ao candidato Mário Soares, por oposição a Alegre?
    O dissidente, cujo nome me escapa mas de cuja livre vontade me recorda, foi severamente castigado...?

    Precisamos de uma nova Abrilada, a de 74 foi fraquinha....

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente cá por Cabeceiras já estamos habituados a este tipo de procedimentos por parte do actual Presidente da Câmara. Como é seu timbre, procura esmagar adversários políticos e antigos aliados, como é o caso do professor Alexandre Vaz, homem de cultura e do jornalismo ( foi Director da Voz da Abadia, Jornal de Cabeceiras, colaborador do Diário do Minho etc, etc)escritor local, que foi um grande apoiante de Joaquim Barreto na escalada que este teve que travar para chegar à presidência da Câmara de Cabeceiras, no longínquo ano de 1993, derrotando a família Campilho. É desta forma que Barreto actua, à moda dos mais requintados ditadores sul -americanos. Populista quanto baste, serve-se das pessoas, por aquilo que elas representam de importante, estejam ligadas a importantes sectores culturais, desportivos ou empresariais do concelho, e depois esmaga-as quando delas já não necessita, não suportando a crítica e a liberdade de opinião. Desde 1994 e é bom que o Distrito de braga saiba isto, este senhor tem desbarato milhares de contos ( é verdade basta consultar as contas de gerência da Câmara relativas a 2003) do erário público em honorários com advogados para custear despesas com tribunais levando à barra do tribunal dezenas de antigos dissidentes, adversários políticos e órgãos de comunicação social local, como o Jornal "O Basto" que resiste com grandes dificuldades há 5 longos anos, mas não verga a espinha ao poder instituído no antigo Convento de Refojos. Os advogados que representam a Câmara nestas investidas contra adversários políticos do autarca, são os grandes amigalhaços do partido socialista, Joaquim Loureiro de Famalicão militante de cartão, e João Pedroso, o irmão do Paulo da Casa Pia. É curioso que as investidas judiciais do autarca contra adversários políticos sãoi sempre feitas a título pessoal e também note-se, na qualidade de Presidente da Câmara, pois quando se ganha, mete-se os despojos ao bolso, mas quando se perde temos a autarquia a pagar as custas. É tempo de dizer basta e começar a denunciar esta pouca vergonha. Afinal somos todos nós que pagamos, os cabeceirenses, os vizelenses, os bracarenses e por aí fora, porque somos todos contribuintes portugueses. É engraçado que há pouco mais de duas horas quando entrava em cabeceiras, vi um lindo cartaz que anunciava as comemorações do 25 de Abril promovidas pela Câmara Municipal. É irónico mas é verdade. o engenheiro que lidera a Câmara Municipal e que nos seus tempos de menino erguia bandeiras e vestia os calções da Mocidade Portuguesa discursando enquanto aluno do Colégio nos anos 60, para governantes da Ditadura que visitavam o estabelecimento de ensino em alturas festivas, é o mesmo que em nome da democracia dá lições sobre o 25 de Abril à novas gerações e aos alunos das escolas. Ao mesmo tempo processa tudo e todos que discordam da sua gestão por delito de opinião. Cabeceiras, como alguém disse é idade média em termos de liberdade e democracia e até tem Mosteiro e tudo. Até quando é que vamos aguentar isto?????

    ResponderEliminar
  3. Manuel Sousa Pereira ( refojos)13 de abril de 2009 às 01:00

    O país está a ser comandado por gente com a formação humana e democrática do Eng ??? Joaquim Barreto. Este senhor é um dos apóstolos do Eng??? Sócrates. Vêmos na actuação dos dois grandes semelhanças senão vejamos: Sócrates processa público e Sol. Barreto esmaga tudo e todos que discordem da sua acção. A JS Cabeceiras abafa manifestação de estudantes do Colégio de S. Miguel de Refojos em visita da Ministra da Educação, deitando as tarjas ao lixo, que pediam uma nova escola secundária para o concelho. O Governo Civil de braga faz uma participação no ministério público contra sindicalistas que se manifestavam numa visita do Primeiro-Ministro a Guimarães. Sindicatos são invadidos pela PSP em véspera de manifestação de professores contra políticas educativas. Barreto controla com mão de ferro todas as instituições escolas, associações, centros sociais, clubes de futebol Bombeiros do concelho, ( menos o Jornal "O Basto está claro), colocando testas de ferro ( fantoches) em lugares de relevo. Digam-me por favor quais são as diferenças entre os dois.

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  5. A ser verdade o que o manuel sousa pereira disse, a ditadura em cabeceiras ainda não acabou, só mudou foi o mestre e os fantoches.

    ResponderEliminar
  6. Já é tempo de,nas proximas eleições,os cabeceirenses não enfiarem mais o barrete.Viva a liberdade e não há que ter medo dos novos senhores feudais.

    ResponderEliminar
  7. Contra os caudilhos,marchar,marchar.....

    ResponderEliminar
  8. Estou espantado.Como é que um regente agrícola(inginheiro do 25 de Abril)conseguiu "embarretar" os cabeceirenses.Nas próximas eleições, espero que haja o devido correctivo.

    ResponderEliminar
  9. Ó Cabeceirense e vais lá por quem? posso saber?

    ResponderEliminar
  10. Caro Anónimo,olhe que os cemitérios estão cheios de "insubestituíveis".Não queira fazer dos cabeceirenses uns tótós ou mentecaptos.

    ResponderEliminar
  11. Caro Cabeceirense a pergunta que lhe fiz é séria, precisava mesmo de uma resposta séria também sabe? é que estou mesmo preocupado com o futuro político dessa Vila. Não querem "barretes" ah desculpe Barretos mas, não apresentam ninguém??!!! ou estão a pensar tirar alguem da cartola?

    ResponderEliminar
  12. Ai... que este Anónimo doeu-se.Se calhar só se dá bem de barrete.Tire o barrete e pense como pessoa inteligente,que deve ser.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores