O Darwinismo em Portugal

| Partilhar
Júlio Henriques
© Biblioteca Digital de Botânica

Alas abertas para Júlio Henriques, minhoto de nascença, brotado ao mundo no ano da graça de 1838 em Arco de Baúlhe (Cabeceiras de Basto), que foi seguramente o primeiro evolucionista português assumido. Isto numa altura que era de maior pecado e excomunhão, dizer-se que o Homem e o Macaco eram parentes, do que agora defender que dois homens (ou duas mulheres) também têm o direito de se parentar e gostar de macacadas.

Terminado o Bacharel em Direito, Júlio Henriques matricula-se em Filosofia e atinge o Grau de Doutor em 30 de Julho de 1865, com a tese "As espécies são mutáveis?". Anos depois, é convidado como lente substituto em várias cadeiras (da Química à Mineralogia) e finalmente torna-se Lente Catedrático de Botânica e Agricultura, cargo onde faz carreira, fundando e aderindo a Sociedades Científicas, cá dentro e lá fora.

A Júlio Henriques está também associada a introdução e promoção do uso dos primeiros microscópios nos laboratórios da Universidade, bem como o reflorescimento do Jardim Botânico de Coimbra - do qual foi director - o mesmo que ladeia a Alameda com o seu nome e que finda, ou começa, no aqueduto junto da acrópole universitária. Nem só de ultramontanos vive o Norte, graças a Deus.
[mais informação: Biblioteca Digital de Botânica]

1 comentário:

  1. Veja esta matéria a respeito, muito interesante...

    http://teorizando-tudo.blogspot.com.br/2012/08/evidencias-de-criacao.html

    Evidencia de Criação. Deixei seu comentário após assistir, obrigado!

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores