Hasta La Victoria Siempre

| Partilhar
Hugo Chávez venceu o referendo que abre caminho para a sua eternização no poder venezuelano. Apesar de ter escolhido a via pretensamente democrática para implementar a revolução bolivariana, alegre eufemismo, não há qualquer legitimidade nesta ditadura eleitoralmente sufragada. A democracia e os Direitos Humanos são inegociáveis e irreferendáveis.

Tal como escreve João Ferreira Dias, com este referendo «provam-se duas máximas: que o poder é um afrodisíaco e que a maioria nem sempre tem razão».

6 comentários:

  1. Sócrates tem limitação de mandatos?

    ResponderEliminar
  2. A estratégia do Chavez foi simples, repetir um referendo até obter o resultado que pretendia.

    Onde será que eu já vi isto?

    ResponderEliminar
  3. "Sócrates não é chefe de Estado."
    Os reis da Europa democrática têm limitação de mandatos?

    ResponderEliminar
  4. acho que em frança também não havia limite de re-eleição para chefe de estado/governo presidencialista...

    De qq forma o Chavez está lá ao mesmo tempo que o Cavaco esteve né?

    ResponderEliminar
  5. Chavez, num golpe de génio, acredita que é possível construir o socialismo pela via eleitoral, sem o anátema da ditadura e, logo, sem atiçar o poder norte-americano, num contexto (favorável)de pós URSS...
    Mas será sempre um socialismo "dos nossos dias" já que não é possivel destruir as bases do sistema capitalista.Beneficia, porém, do poder do petróleo e de, à partida, não provocar os americanos...
    Parece também servir a entrada de Cuba na nova ordem internacional, agora que, creio, Obama viabilizará o retorno à normalização.Será?

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores