A Democracia de Joelhos

| Partilhar
«A missa das 11 horas ainda não tinha acabado quando o autarca, de cima do púlpito, foi ovacionado por centenas de fiéis, que se rejubilaram com o facto de Menezes ainda ter prometido a construção de casas mortuárias na freguesia dos Carvalhos (um projecto a rondar os 250 mil euros).» [JN]

A laicidade do Estado é uma das maiores anedotas do Portugal democrático. A política subterrânea que se faz à custa da iliteracia política de alguns crentes e a complacência com que padres e bispos aceitam comícios nas celebrações religiosas são espectáculos profundamente emetizantes. Ainda a procissão vai no adro e já se multiplicam os casos de padres que fazem comícios e de comícios que se fazem nas missas. O ano eleitoral de 2009 promete...

5 comentários:

  1. Pedro,

    Não discordo de nada do que escreves mas convém acrescentar algo: à nossa classe política é-lhes indiferente se vão visitar uma Igreja, Sinagoga, Mesquita ou Templo , o objectivo é simplesmente instrumentalizar a emotividade destas organizações para esconder a sua mediocridade política e colher votos (com o conluio das respectivas hierarquias religiosas que também não saem a perder do negócio).

    ResponderEliminar
  2. Ainda vamos acabar com José Sócrates a fazer como Cavaco Silva em tempos e gritar bem alto que Portugal é um país católico...

    ResponderEliminar
  3. É-se sempre mais religioso do que aquilo que se pensa...

    ResponderEliminar
  4. A "padralhada" em Gaia, em Braga ou em Celorico, infelizmente anda sempre de mãos dadas com a política...perdão, com os dinheiros de todos nós.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores