Da Censura ou o Advento das Mães de Braga

| Partilhar
courbet, crayons et d’autres choses drôles

© Pedro Vieira

Foram precisas mais de vinte e quatro horas e muita polémica para a PSP de Braga anular o auto e deliberar que, afinal, a pintura do francês Gustave Courbet (1819-1877) não é pornografia. Contudo, esta decisão está longe de ser o epílogo do caso,
tal foi o desnorte da PSP de Braga ao longo dos últimos dias, desde a apreensão que considero ilegal até às desculpas inimagináveis que foram sendo apresentadas ao longo do dia.

Adenda 1: O subintendente Henriques Almeida diz que «o livro não era apropriado para ser exposto numa feira de livros que estava a ser frequentada por crianças». Para lá do evidente moralismo, esta afirmação abre mais um precedente gravíssimo. Nem quero imaginar o que sucederia se estivesse nas mãos da PSP decidir o que deve e o que não deve ser exposto numa Feira do Livro...

Adenda 2: No site do Ministério da Administração Interna pode ler-se uma acertada tomada de posição, ao considerar a acção da PSP de Braga como «desprovida de fundamento e, se valesse como precedente , não daria descanso às forças de segurança: doravante passariam a ter de tomar partido em choques de opinião sobre questões de gosto, moral e opinião, quanto às quais lhes cabe tão só velar pelo pluralismo social e pela defesa das liberdades.»

14 comentários:

  1. Afinal estes marretas sempre têm autoridade! Podem confiscar livros, arte, tapar o sol com a peneira, por as mentes estropiadas pela vagina descansadas.
    Não têm poder para multar a evidente falta de civismo e urbanidade alegando falta de poder ou desculpando-se com o poder camarário ou judicial.
    O ministério público mandatóriamente deveria investigar esta extrapolação de poderes da PSP e seus responsáveis e deveria levar a tribunal o cretino queixinhas desconhecedor do que é arte ou a vagina que o pariu.
    Parabéns Courbet toleraste tudo na altura da exposição mas não imaginavas que os sacristas bracarenses tantos anos depois ainda te iam fazer publicidade!

    ResponderEliminar
  2. Vergonhoso, simplemente Vergonhoso!
    “Onde é que já se viu? A PSP apreender livros porque alguém não gostou da capa? Parece que a PSP presume que é um ilícito. Para além do ridículo que representa do ponto de vista cultural porque se trata de um quadro mundialmente célebre, há aqui um problema grave de liberdades em que há uma actuação da PSP que é fiadora de direitos fundamentais. A actuação da polícia no caso em questão é um precedente grave que tem que ser devidamente explicado”

    ResponderEliminar
  3. Ah! Calem-se! Foram precisos 24h de repúdio para rectificar um incidente. Lamento que o post que eu gostaria de ter visto escrito num blogue de Braga venha de Coimbra, cidade que eu gosto mas que ontem apelidei de provinciana quando atacava Braga como uma cidade moralista (outro blogger).
    Ver A natureza do mal do Luís Januário, finalmente bom senso e leitura inteligente do incidente.
    Se faz favor, aprendam.

    ResponderEliminar
  4. E a Cividade não tem direito a polícia?...
    http://dn.sapo.pt/2007/08/26/cidades/estatua_simbolo_falico_causa_polemic.html

    Está visto que isto da "pornocracia" depende muito da posição. Com que é observada.

    ResponderEliminar
  5. Parece que a deriva moralista não vem de agora. Vamos sendo despertados do torpor por estes pequenos episódios, que apenas revelam a mentalidade que ainda comanda o país. Há uns anos foi o episódio do Império dos Sentidos, vinte minutos chegaram para que o Arcebispo de Braga aprendesse mais do que em toda a vida; há tempos, também o título de um livro, em Viseu; a cruzada contra o erotismo e os corpos despidos em canais de televisão (porque a horas impróprias há que transmitir novelas); o autocolante do Magalhães; a capa do livro de Braga...

    De censurar livros e ideias até censurar pessoas só porque saem da linha recta traçada pela autoridade moralista, vai um pequeníssimo passo. Há que fazer a revolução das mentalidades. Andam muito poluídas.

    ResponderEliminar
  6. E a estátua do D. João Peculiar que segura 1 pila na mão , ninguém a tira de lá? Não é apropriado para crianças!

    E os anúncios ordinários "É bom dormir em Braga", como é que eu vou explicar aos meus filhos o que aquilo quer dizer ?

    ResponderEliminar
  7. O pior é desconfiar que este acto, como o do carnaval censurado, são apenas sintomas dos efeitos de uma governação autocrática.
    São quase 4 anos de um poder que logo na noite eleitoral nos disse, por Vitorino: habituem-se.
    E ainda pior é achar que seguimos o conselho.

    ResponderEliminar
  8. "Andar de comboio é tão bom que chega a ser pornográfico"


    Isto pode-se dizer ou é preciso pedir licença?

    ResponderEliminar
  9. Eu estou mesmo a ver o agente com o livro na mão...

    ResponderEliminar
  10. Uma questão para debate, tendo em conta os recentes episódios: Será que poderei ligar à PSP qundo vir um menor com o Correio do Minho na mão?

    Tem-me andado a remoer...

    Obrigado

    ResponderEliminar
  11. Caro JAC,

    Não foi o único a ter essa ideia...

    ResponderEliminar
  12. JAC,

    também já me ocorreu a ideia.
    E não falo sópor causa dos anúncios relax ou da última página.

    ResponderEliminar
  13. JAC

    Muito bem lembrado :)

    Por outro lado, eu que me iniciei nestas lides bloguistas penas esta semana, também já me lembrei do seguinte:

    "Serei só eu a achar que isto de uns homens de bigode

    1. Dirigirem-se à feira do livro;

    2. Escolherem só os livros que têm pipis e afins na capa;

    3. Levarem-nos para casa; e

    4. Devolverem-nos logo no dia seguinte,

    está a mesmo a pedir uma intervenção da ASAE?"

    http://ruadosouto.blogspot.com/2009/02/e-asae-ninguem-chama-asae.html

    ResponderEliminar
  14. Para a polícia apenas um excessivo velar pelos "bons" costumes do povo de Braga; para o livreiro apenas uma questão de sensibilidade e bom gosto, não de mentalidades. Também não gostei, assim como não gosto das ditas páginas de certo jornal cá do burgo. Ponto. Será que não havia mais imagens/pinturas para colocar na capa do livro, que, ao que sei, não é original? Será que o nível de instrução/mentalidade de um povo se mede por gostar ou não de uma pintura que retrata as "pudenguices" humanas? Pronto, digam lá, sou analfabeto, provinciano e mentalidade tacanha. Ponto.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores