Uma Semana em Lisboa [2]

| Partilhar
José de Almada Negreiros: Auto-Retrato num grupo (1925)
© nfcastro

É uma enorme emoção percorrer os corredores de alguns dos museus de Lisboa, tão recheados que estão da melhor arte nacional e internacional. O Museu Colecção Berardo, o Museu Nacional de Arte Antiga e o Museu Calouste Gulbenkian ocupam o topo das minhas preferências não só pela beleza dos espaços, mas também pela variedade e qualidade das colecções que albergam. De Monet a Almada Negreiros [na imagem], de Bosch a Rembrandt, de Le Corbusier a Nuno Gonçalves, de Picasso a Amadeo Sousa-Cardozo ou de Paula Rego a Júlio Pomar, há um apaixonante mundo de arte e cultura para descobrir. De visita absolutamente obrigatória.

3 comentários:

  1. Posso sugerir alguns programas?

    1. Atravessar o Tejo de cacilheiro, a partir de Belém ou do Cais-do-Sodré, para Cacilhas e/ou Trafaria. Horários.
    2. Trajecto a pé desde o Chiado até ao Museu de Ciência (R. Escola Politécnica).
    3. Viagem (passeio) no eléctrico 15, entre Algés e a Praça da Figueira.
    4. Passeio no eléctrico 28 (este toda a gente conhece; cuidado com as carteiras).
    5. Qualquer dos outros dois trajectos de eléctrico que restam (antes que se acabem de vez, que já faltou mais). Horários AQUI.
    6. Belém, dos pastéis aos Jerónimos, passando pelo planetário e pelo CCB; possibilidade de assistir ao render da guarda no palácio de Sua Alteza o Senhor...aaah... digo, do PR (terceiro domingo de cada mês, às 11 h).
    6. Bairro Alto, numa 6ª Feira ou num Sábado à noite.(Ui!)

    Enfim, isto são apenas algumas sugestões de um vimaranense, lisboeta adoptivo (aliás, tão adoptivo como a esmagadora maioria dos lisboetas).

    ResponderEliminar
  2. Caro JPG,

    Cumpri 6 dos 7! Obrigado.

    Abraço,
    PM

    ResponderEliminar
  3. O Tejo não deve ser atravessado (por razões turísticas) a partir do Cais do Sodré ou de Belém: deve ser a partir do grande (e tão amaldiçoado pelos regionalistas) TERREIRO DO PAÇO, uma das mais belas praças da Europa. Aproximares-te do Terreiro do Paço de barco é uma imagem única.

    Quanto a ir a Belém, tudo bem, mas não percebo essa obsessão com os pastéis de Belém. Pastéis de nata também há (bons) em Braga!

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores