| Partilhar
Avenida do Mal

Cidade Fiasco

A 3ª cidade do País, conhecida desde o Sul como um mero bairro católico para lá do Porto, guetto de benfiquistas e gente estranha, é uma verdadeira desilusão turística, segundo o Jornal de Notícias. A cidade bimilenar teima em não vender, apesar de burgo importante desde a Idade do Bronze. Os turistas são em grande parte espanhóis, portugueses afrancesados e velhos em excursões do INATEL, que por esta altura deixam a hotelaria com ocupação pela metade. Poderia ser a falta de Praia, mas não é.

Anos de mau planeamento urbanístico e invasão maciça de gente de concelhos em redor para as torres de cimento, deturparam-lhe a identidade, facilitaram o estupro de património arquitectónico e agudizaram falta de respeito pela história de Braga. O que sobrou de património da Igreja lá se foi aguentando face a quase tudo o resto. A restante cidade, metida dentro, sem querer saber de assuntos públicos ou de estratégias comuns, confiou todo o seu destino ao socialismo parolo de Mesquita Machado.

Sobrou para agora uma sombra de cidade que vista do Bom Jesus, até que parece bonita com o fumo que a desfoca. Ironicamente verde. De resto, é pouco mais que uma rua que vai do Arco da Porta Nova até à Avenida Central, um punhado de Igrejas e uma mão cheia de lamentos. Um café na Brasileira e um porto no Vianna por momentos engana, mas tanto a cidade como o partido socialista bracarense vão ter de reflectir seriamente sobre o que tornou uma das mais potenciais cidades portuguesas para se elevar na UNESCO num flop turístico, que até no de religião chega a ficar bem atrás do complexo piroso de Fátima. São favas, senhor, são favas...

7 comentários:

  1. Braga é um autêntico falhanço como cidade. Basta ver a desilusão no rosto dos turistas.

    ResponderEliminar
  2. Quem dera que a invasão maciça de pessoas dos Concelhos limitrofes lhe tivesse deturpado a identidade; era sinal de que já havia respeito pela história e património da cidade.

    A saga demolidora e de autodestruição em Braga é secular e não está para mudar.

    No início do Sec.XX houve demolições de bradar aos céus no centro de Braga perante o júbilo não dos migrantes de agora (conclusão no mínimo infeliz) mas dos verdadeiros brácaros de gema, esses sim gente ignorante, benfiquista, católica e analfabeta.

    Valha-me ao menos a Casa do FC Porto de Vila Verde.

    O que não tem remédio remediado está.

    Amém.

    ResponderEliminar
  3. São favas...com chouriço cozinhadas em grandes cimenteiras cá do burgo.http://liberdadeparabraga.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. como a igreja se deve separar do estado, tambem qualquer funçao da Camara, sobretudo o planeamento, se deveria separar do partidarismo, senao as manobras de coorupçao estarao sempre presentes,e depois quem paça a campanha de fulano ou trajano?enquanto a arquitectura e o planeamento nao pertencer exclusivamente aos arquitectos, a coisa vai andar má.Uma boa intervençao arquitectonica tem o poder de mudar positivamente uma cidade, mas uma má tambem so que pela negativa.
    So os arquitectos sao formados para transformarem a natureza com harmonia, embora nem todos façam jus á formaçao que tiram, mas mesmo assim estao sempre melhores preparados que qualquer outros.

    ResponderEliminar
  5. Eu moro em Braga porque gosto de Braga! Se não gostasse, teria mudado. Não quero com isto dizer que concordo com a política do betão.

    ResponderEliminar
  6. Caro Carvalho Leite;
    A quais Arquitetos te estavas a referir.
    Olha o que dizem as pombas dos Congregados.

    ResponderEliminar
  7. nao me estava a referir a nenhuns arquitectos especificamente, apenas nao gosto de generalizar as coisas. mas há muita gentinha que tambem ficaria com a carapuça bem metida e sentiriam-se ofendidos por o canto das pombas lhes lembrar aquilo que sao, ao passar na igreja dos congregados.lol
    nao quero estar aqui a passar por "pomba" senao...
    pummm... e nao ha mais...
    http://www.pensarbasto.blogspot.com/
    abraço

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores