«Braga no centro do mundo da mobilidade»

| Partilhar
«A ligação de alta velocidade entre o Porto e Vigo é uma grande oportunidade para o desenvolvimento do Norte. A secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino, entende que este é um "investimento estratégico" e uma "opção fundamental" para a região. "É um investimento gerador de riqueza para todo o Norte e que vai trazer benefícios ao nível da mobilidade e da competitividade", resumiu a governante. Ana Paula Vitorino esteve presente na apresentação de um estudo da Universidade do Minho e da Universidade do Porto sobre os efeitos económicos da alta velocidade entre o Porto e Vigo, em Braga. A capital de distrito, onde será construída uma das duas estações intermédias da ligação em território português, será, na opinião da governante, uma das grandes beneficiadas do investimento: "Braga fica no centro do mundo da mobilidade".

A linha Porto-Vigo entrará em funcionamento em 2013 e será construída de forma faseada. A existência de uma estação em Braga vai permitir à cidade "reforçar a sua centralidade" e vai permitir "canalizar para a região grandes investimentos, com claras vantagens a nível empresarial", destacou Ana Paula Vitorino.A localização da estação da Rave em Braga não está ainda definida. Segundo a secretária de Estado dos Transportes, essa questão está ainda a ser estudada e a decisão tanto pode ser favorável à utilização da actual estação, com necessárias obras de ampliação, como vir a ser adoptada outra solução, num local mais afastado do centro da cidade.

A governante abre, no entanto, a porta a uma possível ligação ferroviária Braga-Guimarães. O Governo está neste momento a analisar vários eixos ferroviários complementares ao traçado da Alta Velocidade que poderão ser melhorados ou construídos de raiz. A ligação entre as duas cidades minhotas é um dos projectos em cima da mesa. "Se pensarmos a alta velocidade como as auto-estradas dos comboios, temos que pensar também nas seus complementos e vamos precisar de IC e estradas nacionais", ilustrou.» [Samuel Silva, Público]

6 comentários:

  1. 1-) Braga não pode ficar de forma alguma fora do projecto. Não concordo com estações entre Braga e Barcelos, ou em Vila Verde, mas que a estação em Braga é um verdadeiro desafio ao planeamento e à engenharia...

    2-) "uma das duas estações intermédias".. Não são duas, são tres..Mario Lini garantiu a Daniel Campelo que Pt de Lima ia ter estação. (Se não tiver,quero ver se vai haver compensação cm houve para o Oeste). E futuramente a estação do Aeroporto..Ainda há muitas indefinições...

    3-) Com ou sem AV Braga e Guimarães já deviam estar há muitas decadas ligadas por caminho de ferro...

    ResponderEliminar
  2. As notícias são boas e eu corrobora quase tudo o que disse a Secretária de Estado. O problema é a credibilidade - a história recente mostra que os políticosmentem com a maior das facilidades. Temos que isto não passe de espectáculo pré-eleitoral, mas dou-lhes o benefício da dúvida.

    ResponderEliminar
  3. Se fosse eu a decidir, fazia uma linha dupla por Vila Verde, Pt da Barca, Arcos, Monção (ao lado) e Valença.
    Assim poderiamos ter o comboio de alta velocidade a circular sem problemas, o de mercadorias, e um regional de Valença até Braga, ou quem sabe até Guimarães ou Lousado. Assim também as populações por onde passa o comboio também ficariam servidas por comboios "normais". E acredito, pelo relevo do teritório era capaz de ficar mais barato que a opção de Ponte de Lima. Mas provávelmente a ligação do comboio rápido demoraria mais uns minutos... são opções!

    ResponderEliminar
  4. Caro César,

    Mas isso seria ter visão. Não exijas demasiado aos nossos governantes...

    ResponderEliminar
  5. E a viabilidade económica dos projectos?Hoje vê-se tudo nesta perspectiva, bem ou mal...
    Se há 100 anos esse critério fosse seguido, haveria linhas do Tamega, Tua, Corgo, etc.?
    Está bem visto que não...houve foi uma opção desenvolvimentista que agora encontra muitos obstáculos!Eu próprio "nem sei que diga nem sei que faça!" ...

    ResponderEliminar
  6. contra,

    há cem anos atras o pais era mais ou menos homogeneo em termos de população..por isso fazia sentido ligar o pais de comboio..hoje mesmo com a centralização e consequente desertificação já não faria muito sentido construir linhas para esses locais..Mas não estou de modo nenhum, a favro de encerramentos de linhas, muito pelo contrario..

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores