Advogados Estágios

| Partilhar
Os advogados estagiários estão a contestar o seu próprio Bastonário. As razões são justas e, como tal, apoio. Mais informações aqui.

6 comentários:

  1. O Bastonário da Ordem dos Advogados é sem dúvida uma figura caricata (que é como quem diz ridícula) e cómica (que é como quem diz deprimente) na forma como desvaloriza aqueles que constituem o futuro da própria Ordem e da justiça em Portugal.

    Com Bastonários assim, quem precisa de inimigos... ?

    ResponderEliminar
  2. É uma questão complicada. Não há dúvidas de que o Bastonária tem razão quanto à necessidade das defesas oficiosas, especialmente por serem concedidas a quem não tem recursos, serem 'verdadeiras' defesas, que um advogado estagiário raras vezes será capaz de dar.

    Agora o problema é que essa é uma parte muito importante da formação do advogado estagiário... Se tiram isso, têm garantir a formação (e formação do mesmo tipo) de uma outra forma. Enfim é o Bestanário.

    ResponderEliminar
  3. As declarações do Bastonário são um atestado de incompetência quer aos advogados estagiários, quer aos Conselhos Distritais e Centros de Formação.
    Se quer limitar o acesso à profissão que tal limitar o nr de universidades privadas que ministram o curso de Direito, por exemplo?
    Ou achará mais adequado fazê-lo depois de termos pago a módica quantia de € 700? Depois dessa inscrição, de meses de formação e de aprovação nos três exames que fizemos, será que seremos apenas e ainda "candidatos à advocacia"?
    Além do mais e de outros erros, as declarações do sr. Bastonário contém um erro crasso, patente sempre que se generaliza; com as suas declarações estigmatiza os advogados estagiários, atribuindo-lhes a responsabilidade de condenações e violações de direitos, liberdades e garantias dos cidadãos. Esquece-se o sr. Bastonário que a Justiça é feita por homens e para homens; e da mesma forma que um estagiário pode, eventualmente, falhar e ter um desempenho menos positivo, também assim é e sucede com os advogados mais experientes.
    É pena o sr. Bastonário também se ter esquecido de realçar o empenho e brio profissional que os estagiários, por norma, dedicam ao que fazem...

    Enfim, desabafos de uma simples advogada estagiária... perdão! Candidata à advocacia...

    ResponderEliminar
  4. Casa onde não há pão todos ralham e ninguém tem razão.
    É claro que a perspectiva do Bastonário é que o serviço de advogacia para desgraçados e tesos tenha alguma dignidade e tenha qualidade, que, claramente, não pode ser prestada por estagiários.
    Não basta, como se diz na giria e passe o exagero caricatural, "pedir justiça"!
    Porém, os estagiários também têm que evoluir e treinar!Como?Pois deixo isso a quem sabe...

    ResponderEliminar
  5. Caro Contra-corrente,

    conhece advogados estagiários?
    Como pode afirmar que não têm competência ou qualidade naquilo que fazem?
    Note-se que uma coisa é competência, outra EXPERIÊNCIA. E esta última vai-se adquirindo com PRÁTICA que é o que agora nos é vedado.
    Além disso, queira acreditar que, pelo muito que tenho assistido em tribunais, vê-se mais depressa um advogado já experiente (e até os próprios magistrados do MP) só a pedir justiça do que um estagiário, uma vez que, por vezes, nem tempo dedicam ou podem dedicar a preparar as alegações.
    Não quer dizer que os estagiários também não o façam mas não sao, com toda a certeza, os únicos.
    A solução não é, não poderá ser assim tão drástica como pretende o sr. Bastonário... não é assim que as coisas se resolvem porque bons e maus profissionais haverá sempre, sejam estagiários ou não.

    ResponderEliminar
  6. Polémicas à parte, este Bastonário veio questionar o sistema, foi eleito, tem apoiantes e mantém ideias que entende são as melhores.Porque será que esta polémica não ocorre a nivel de outras ordens profissionais?Afinal depois de concluir um Curso Superior, aumentam as exigências mesmo para iniciar o trabalho?Formar não deve ser continuar a dificultar o acesso ao trabalho ao mercado, onde aí sim se formam os verdadeiros profissionais.Uma coisa parece certa, os jovens licenciados não devem nem podem estar dependentes, apenas dos critérios de ordens ou mesmo de sindicatos...

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores