Que Perspectiva Horrorosa!

| Partilhar
«Um homem nunca se deve entregar a uma mulher, o contrário é que é natural e, como também sabem, mesmo assim nem sempre resulta. O PSD escolheu uma mulher para nos governar e vai querer que votemos nela. Uma mulher a mandar nos homens e nos homens todos. Que perspectiva horrorosa, socorro, preferia o Eng.º Obama! As mulheres são muito ingratas, querem é o nosso voto e depois não nos ligam nenhuma. E falo com conhecimento de causa… Mas é preciso muito cuidado com as mulheres, sobretudo na política.» [Eduardo Tomás Alves]

Nem dá para acreditar, mas estas palavras saíram na edição de 11 de Junho do Diário do Minho. Em nome do humor, ainda bem que não inventaram um sistema de quotas para limitar a quantidade de disparates que se lê na imprensa.

15 comentários:

  1. Enfim ao que parece as mulheres não são aqui bem tratadas! Estou certo poucas pessoas lêm notícias deste teor...pior o próprio periódico referência não possui muitos leitores porque os temas versados a não ser quando sobre relegião, raramente motivam os leitores.Portanto o dito vale o que vale e deverá ser entendido como mera opinião sem grande relevância.

    ResponderEliminar
  2. Nota... ao comentário anterior, não minimizo o periódico só que entendo os temas são muito próprios e conformes com a linha seguida, nada de mal.Ao contrário do que sucede noutros periódicos, mais sensacionalistas na forma como noticiam ou desenvolvem questões.Questão de opções ou de gosto.

    ResponderEliminar
  3. Qualquer psicólogo estagiário bota que a explicação está aqui:
    «
    As mulheres são muito ingratas, querem é o nosso voto e depois não nos ligam nenhuma. E falo com conhecimento de causa...
    »

    Até Freud teve problemas destes!

    ResponderEliminar
  4. Vá lá... temos que reconhecer que está divertido. Eu pelo menos ri-me por um bom bocado.

    ResponderEliminar
  5. "As mulheres são muito ingratas, querem é o nosso voto e depois não nos ligam nenhuma. E falo com conhecimento de causa…"

    Tenho que concordar com o sem anestesia, isto é penoso de ler, pelo revelador.

    ResponderEliminar
  6. Também acredito que Manuela Ferreira Leite nem a Junta de Freguesia da terra dela ganha que fará o país...

    O que não quer dizer que não seja séria...demais!

    Apesar de ser dificil dizer algo de diferente foi surpreendente não perturbar o Socrates aquando da crise dos camiões...Não é normal;oposição é mesmo para dizer mal nem que engula depois tudo...

    Pois é, as mulheres ligam menos aos homens depois de terem filhos, certo?Mulher é mesmo um ser complexo!Tal como os homens!Só que têm passarinho, pois!

    ResponderEliminar
  7. O Homem descende da Mulher e compete-lhe viver com elas.Nada vejo de mal no poder das mulheres, porém creio nas últimas décadas se deu uma viragem histórica com a chegada da mulher ao poder em diversos sectores.Veja-se no ensino, na saúde, enfim em quase todo o lado a forma como surgiram em força.Depois há os casos de abuso de poder, tentativas de demonstrar qualquer coisa como superioridade...aí lamento.

    ResponderEliminar
  8. Caro anónimo das 10h50 e pressuponho que das 10h58, há alguma imprecisão conceptual nas suas afirmações.

    O que está em causa não são “notícias”, mas artigos de opinião, em que os autores manifestam os seus pontos de vista, no exercício do pluralismo essencial para a vitalidade de um Estado democrático.

    Por outro lado, o Diário do Minho é um jornal com uma identidade perfeitamente assumida, que não procura esconder ao sabor de eventuais conveniências.

    Refere, e muito bem, «periódico referência», tal como confirmam os dados de todos os estudos relativos à audiência da imprensa regional, que ano após ano lhe atribuem a liderança.

    Segundo o Bareme Imprensa Regional da Marktest, em 2007, por exemplo, o Diário do Minho consolidou a liderança entre os jornais regionais do distrito de Braga, mantendo-se o título mais lido, pelo quinto ano consecutivo, com uma audiência média de 67 mil leitores.

    Um abraço

    Luísa Teresa Ribeiro

    ResponderEliminar
  9. OK a Luísa tem razão, aceito a sua opinião.Quanto ao texto publicado num jornal da cidade, o que me espanta é a ironia que parece estar subjacente à noticia...não creio alguém se refira ás mulheres na politica com menos apreço e muito menos as critique desta forma.Daí supor poucos leitores terão reparado na noticia, que destoa ( ameu ver) do conteúdo geral do periódico.Entendo opiniões do tipo da referida são negativas para o sistema politico actual.

    ResponderEliminar
  10. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  11. Nada de confusões.Em qualquer tarefa ou cargo conta a experiência a capacidade de liderança, a objectividade, as ideias, a vontade em agir e vencer batalhas.Ter programas, objectivos e ideias.Eventualmente ser Mulher, atrai mais investimentos, mais interesses de contacto, mais procura...mas cuidado elas não brincam em serviço e têm grande vontade em liderar a todo o custo.

    ResponderEliminar
  12. Um exemplo chega, apreciem a lider do PSD, este Fim de semana em Guimarães e logo encontram submissos mesmo os chamados "rebeldes do partido".Depois vai dar para ver os que aparecem correndo a apoiá-la para possível obtenção de boas graças e tacho no futuro.Não adianta o País não muda.

    ResponderEliminar
  13. Um exemplo chega, apreciem a lider do PSD, este Fim de semana em Guimarães e logo encontram submissos mesmo os chamados "rebeldes do partido".Depois vai dar para ver os que aparecem correndo a apoiá-la para possível obtenção de boas graças e tacho no futuro.Não adianta o País não muda.

    ResponderEliminar
  14. caro, pedro: o teor dessas afirmações não espantam... é o patriarcado, amigo.

    ResponderEliminar
  15. Previsivel o resultado deste fim de semana em Guimarães.Nada de novo e tudo vai continuar como antes.Sócrates pode continuar a beneficiar alguns e prejudicar muitos, o País vai continuar a ter fome, miséria, famílias endividadas a entregar casas aos Bancos, desemprego e salários precários ou em atraso.Vejam só...milhares com vencimentos e reformas abaixo dos 400E! classe média, talvez 2 milhões com rendimentos abaixo dos 700E! Uns milhares na Administração Pública com reformas acima dos 1500E! Uns milhares na AP, com vencimentos ou reformas acima dos 1800E!Finalmente uns milhares mistos Privados e Públicos, com salários e Reformas acima dos 2000E.Que futuro? Que País? Que EStado? Que Governo? Que Objectivos para os próximos Anos.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores