Falar Verdade a Mentir

| Partilhar
O Ministro que tutela a comunicação social diz que a Câmara Municipal de Braga tem que se desfazer do Correio do Minho. O lapso de Augusto Santos Silva não é grave. Qualquer pessoa que leia o jornal sem reparar na ficha técnica poderia dizer o mesmo...

Adenda - O Vitor Pimenta também lê o Correio do Minho!

25 comentários:

  1. Resido em Braga e sempre tive a ideia este periódico estaria ligado à Camara.Não espanta pois o Senhor Ministro também assim o entenda.Quem alguma vez viu publicado textos criticos sobre a Camara?

    ResponderEliminar
  2. Salazar terá tido pasquins? Todo o poder gosta de ter um órgão de comunicação social ao seulado, onde possa ver retratados seus objectivos e nunca ser molestado.Se for o caso, está de parabéns quem tiver taios favores...

    ResponderEliminar
  3. Não acredito.O jornal tem Relax, Publicidade, Desporto. Opinião e julgo outros temas que em nada beneficiam a Camara.É lamentável tanta confusão.Se calhar apenas se trata de simpatia e agrado pela politica da Autarquia.Depois o periódico só publica o que entender, ninguém tem de pôr em causa a sua isenção é o direito de tendência e as opções da sua Direcção.Tudo OK...só compra ou lê quem quer.

    ResponderEliminar
  4. Temos dois Jornais Diários tendencialmente fontes de informação da Igreja e da Camara? A liberdade de Imprensa fica condicionada a partir do momento em que para lém dos limites e obrigações inerentes a quem escreve, se impõe regras próprias, limites a quem escreve, ou se adopte critérios de obediência a regras impostas por quem manda e dirige o Jornal.Parece pois ficar a ideia em Braga a liberdade de Imprensa estará, sendo assim, bastante limitada.

    ResponderEliminar
  5. "Falar verdade a mentir" Titulo sugestivo, merecedor de análise.Então pressupõe-se o Autor concorda com o Ministro? É mesmo verdade apesar de só em teoria? Quais são as ligações conhecidas entre as instituições referidas? Que interesses estão em causa? Para já fico-me pelas interrogações à espera de mais dados objectivos!

    ResponderEliminar
  6. Que ideia mais complicada...cheira a calúnia.Não é possível ser verdade, estamos a falar de imprensa livre.

    ResponderEliminar
  7. Meus caros:

    Ainda não vi explicitado o contexto da afirmação do ministro... ou se é uma "afirmação/desinformação" do jornalista da Lusa de Lisboa (o que é natural que ande mal informado sobre Braga...

    A ser verdade alguma referência do titular da pasta da comunicação social a Braga, e em concreto ao CM, a mesma é grave já que devido ao seu currículo e responsabilidades deveria saber que o Correio do Minho foi privatizado... há quase 20 anos.

    A partir desse momento,o jornal passou a ser, primeiro, uma cooperativa de jornalistas, que, com este argumento, venceu o concurso de privatização "na secretaria" contra o grupo do Diário de Coimbra. (processo que se arrastou anos no Tribunal, e que deu mais recentemente origem a outros conexos e mias complicados).

    Passou, depois, a ser cada vez mais uma "cooperativa de empreiteiros", liderada por Freitas Costa, que manda e desmanda ao sabor do vento... e umas vezes do "punho" e outras da "rosa".

    Quando à alegada falta de liberdade de informação em Braga, tal não tem o mínimo fundamento. A existência de vários órgãos de comunicação concorrentes faz com que aquilo que, eventualmente, não seja publicado num o seja noutro, e são vários... sem contar com os nacionais que também têm delegações em Braga.

    Vi com agrado numa rápida visita aos dois orgãos na net, que o DM têm o seu estatuto esditorial definido, a que chama "leis da redacção", (que se pode implrimir e levar para casa) para que toda a gente possa saber com o que pode contar...
    Pelo contrário, na página do CM não vejo qualquer estatuto editorial (o que não quer dizer que não exista) deste órgão, mas apenas um "termo de responsabilidade genérico", que nada diz sobre o conteúdo do jornal/portal e que mais parece um termo de desresponsabilidade...

    É só a minha opinião.
    É, por isso, que a liberdade de expressão, a pluralidade e a liderdade de imprensa e de empresa é tão bonita...
    Depois do 25 de Abril... ou do 25 de Novembro, conforme os gostos.

    Viva o debate

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  9. O Correio do Minho não foi privatizado há quase 20 anos. O processo de privatização foi concluído em 1999.
    Também não foi uma cooperativa de jornalistas que ganhou o concurso público, mas sim uma sociedade constituída, maioritariamente, por jornalistas.

    ResponderEliminar
  10. Eu não considero grave os jornais e restantes média tenham uma linha editorial alinhada. Se a assumirem ela é aceitável. Como leitor (cliente) depois faço a minha opção. O que não goste é das coisas cinzentas. Dos alinhamentos mal assumidos. Dos independentes que só vêem os méritos de um lado e os deméritos no outro. E deste ponto de vista Braga é um vergonha. Só que não é apenas o CM. Há muito mais alinhamentos encapotados. Eu sou laranja e adorava ver um jornal que tivesse uma linha editorial assumidamente pela mudança. Só que sei também que esse jornal não teria um euro de publicidade. Publicar lá um anúncio significaria perder as graças da CMB e dos rosas. Não estamos preparados para isso. O que é uma pena, porque isso seria sinal de grande maturidade democrática. Mas na realidade quantos de nós não cometemos os mesmo pecados que acusamos os políticos nas nossas relações sociais e profissionais? Quantos de nós somos tão tolerantes? E esse é que é o problema. Os políticos são cidadãos que actuam com os vícios trazem. Os políticos nasceram cidadãos. A má política resulta de uma má cidadania.

    ResponderEliminar
  11. O Correio do Minho foi já o pasquim ,no tempo da outra senhora,da União Nacinal e da Acção Nacional Popular.Hoje continua a ser o pasquim do Poder cá do burgo.Continua a padecer da mesma moléstia e não tem cura, apesar de enfeitado pela página do relax e pelas curvas da última.

    ResponderEliminar
  12. Não vejo problema nenhum no facto do jornal ter uma linha editorial de apoio ao consulado de Mesquita Machado. Apenas gostava que a linha editorial fosse assumida abertamente.

    Mas isto não é só um problema do Correio do Minho, mas do facto de quase toda a imprensa em Portugal não ser carne nem peixe, isto é são todos supostamente imparciais...

    ResponderEliminar
  13. "Não vejo problema nenhum no facto do jornal ter uma linha editorial de apoio ao consulado de Mesquita Machado. "

    ?????

    Com o Dr. Ricardo Rio como editor de economia? Valha-nos deus tanta confusão.

    ResponderEliminar
  14. Aprendi muito neste debate.Vou procurar estar atento aos jornais locais e se possível comparar noticias!

    ResponderEliminar
  15. Jornais de Braga parece repetem apenas noticias dos maiores periódicos do País, com algumas referências mais precisas sobre a região.

    ResponderEliminar
  16. Políticos? Dass... raça...
    Contam-se os que não são corruptos!

    ResponderEliminar
  17. O Ministro tem toda a razão, pois quem não for assinante do CM, sócio do SCB e militante do PS, não pode concorrer para funcionário da autarquia.

    ResponderEliminar
  18. eehhehehe... e quem ousar fazer jornalismo a apontar as "asneiras" xoxialistas tá fod.... é logo uma tentativa de banir o dito "diabo" da sociedade!! E ainda se dizem defensores do socialismo... Ó BALHA-NOS DEUSES!!!!

    ResponderEliminar
  19. O Correio do Minho é o herdeiro natural da Voz do Dono , que o diga o Artur Moura .

    ResponderEliminar
  20. Tanta letra contra o Mesquita, a começar pelo administrador Morgado, e ninguém cuida de perguntar porque é que o jovem Rio mandou o Sá Machado comprar capital n'O Falcão e pôr o Marado a editor!!!!!!!!
    sim, e porque é que o jovem Rio faz questão de ser o editor de um suplemento de economia que ninguém lê, no Diabo do Minho!!!!!!!!
    Sim, e porque é que de vez em quando alguns jornalistas do Diabo do Minho têm de pedir licença para o jovem Rio os deixar trabalhar em pas na Redacção do Diabo do Minho!!!!!!!!
    E porque é que o jovem Ricardo, quando SCBraga dá um arzinho de graça, toca a reivindicar espaço no Diabo do Minho para debitar pseudo-teorias de treinador de bancada!!!!!!!!!!!
    Ah, o Diabo do Minho assume-se apenas como propriedade da Diocese de Braga, não de uma cor partidária. Pelo menos, o Correio do Vinho não procura as ambiguidades.
    Tanto para dizer, Sr. Administrador Morgado. Conte mais umas coisas. Sim, porque é melhor corrigir aqueles que daqui a uns anos hão-de assumir o poder autárquico do que estar sempre a bater em que só vai reinar mais cinco anos...

    ResponderEliminar
  21. De facto a comunicação soacial e os jornalistas em Portugal não têm tradição de manifestar o seu alinhamento, embora ele exista, claro...

    Ao contrário designadamente do Brasil, onde também existe paixão, mas os jornalistas de desporto, por exemplo, creio, em geral assumem as suas simpatias.

    Seria, aliás, um espécie de declaração de interesses.

    Mas, no Correio do Vinho (bem achado...) o seu antigo director e estratega, Costa Guimarães, até vai dando porrada na Câmara Municipal...Será sincero ou estratégia?

    No Diabo do Minho (também bem inventado...), as tendências são indiscutivelmente da linha social democrata...

    MAIS ESTADO MELHOR ESTADO MENOS ASAE (MENOS REGIONALIZAÇÂO:o Jardim vai autorizar na Madeira o fumo em estabelecimentos!Estado de excepção?E ninguém reclama?Só eu?UM LEI IGUAL PARA TODO O TERRITÓRIO NACIONAL - que aliás é bem pequeno!)

    ResponderEliminar
  22. Engraçada a comparação pelo que existe de comum entre Braga, Jornais da cidade e Madeira ...É claro imprensa livre tem enormes custos e só idealistas podem julgar existir Liberdade de Imprensa.SEjamos claros quem paga aos jornalistas tem ideias e dinheiro, só investe com lucro e obediência ás suas regras.

    ResponderEliminar
  23. Tanto medo de dizer a verdade, tantos anónimos em braga...aqui é que está o problema da cidade.... devem ser todas loiras e bonitas. os blogues são para se discutir ideias.. não vejo razão para se esconderem nas vossas cavezinhas com as suas bananas a disparar em todos os sentidos mas muito escondidinhos... e pq não dar o nome ás coisas, talvez pq às vezes n se sabe do que se está a falar...talvez não! Ass Diabo do Minho

    ResponderEliminar
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  25. Caro MR,

    O seu comentário está eivado de preconceitos e revela desconhecimento de uma matéria que dá a entender dominar.

    1) Acha que é estranho que seja um economista o coordenador de um suplemento de Economia? O natural seria um biólogo a coordenar o suplemento de Economia, um arquitecto a coordenar o suplemento de Religião, um engenheiro agrónomo a coordenar o suplemento de Cultura e um historiador a coordenar o suplemento de Saúde?!

    2) O DM é uma instituição hospitaleira, na qual todos os esforços são feitos para tratar o melhor possível quem a procura, desde os alunos das escolas que visitam o jornal com regularidade até às personalidades dos mais diversos quadrantes da vida da região. No entanto, a principal tarefa dos jornalistas não é “fazer sala” a quem ali se dirige, seja essa pessoa quem for.

    3) A colaboração de Ricardo Rio na secção de Desporto não se verifica apenas «quando o SCBraga dá um arzinho de graça», como poderá confirmar se se juntar aos milhares de leitores que há pelo menos cinco anos consecutivos dão ao DM a liderança entre os jornais regionais do distrito de Braga. Esta é uma rubrica regular. E não é fácil escrever regularmente uma coluna de uma área específica, com prazo e número de caracteres definidos.

    4) O que insinua tratar-se de uma ambiguidade nada mais é do que a total transparência de procedimentos. O nome de Ricardo Rio – assim como o de muitas outras personalidades ligadas aos mais diversos quadrantes políticos – aparece perfeitamente identificado nas páginas do jornal. O estatuto editorial do DM está à distância de um clique na página do jornal na Internet, como até aqui já foi referido por outro anónimo. Uma consulta da ficha técnica permite ficar a saber de quem é o diário e qual é a equipa que diariamente o faz. Se ler diariamente a página 2, pode ficar a conhecer os jornalistas e saber o que é que eles pensam. Todos os dados são apresentados aos leitores para que possam ajuizar sobre o que estão a ler. Está, portanto, convidado a fazer o mesmo.

    Um abraço

    Luísa Teresa Ribeiro

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores