| Partilhar
Avenida do Mal

¡Olé!, RTP...

Por esta altura tudo se esquece, tão entretidos estamos nós com a selecção e a idolatria ronaldesca. Muito se enganou Marx: o futebol é o ópio do povo, se bem que na Argentina lhe erguem igrejas. No entanto, convém (re) lembrar os mais desatentos que esta semana o Tribunal de Lisboa proibiu a RTP de transmitir a Tourada de domingo (amanhã), antes das 22h30 – ao contrário das 17h30 como planeava a televisão pública. Mais, esta tem de ser levar o tal identificativo visual a avisar do inapropriado da coisa, para gente impressionável ou de tenras idades, na bolinha ou rodinha vermelha.

Ao contrário do que parece, é uma óptima salvaguarda para os telespectadores exigentes e interessados, pelo menos no que à Televisão do Estado obriga, do que é qualidade e dever do serviço público na sua forma de comunicação audiovisual, e numa altura em que os paineleiros dos jornais televisivos parecem tocados pela idiotice como febre de Dengue. É ver, por exemplo, o espectáculo degradante de Moita Flores, Rogério Alves, onde se salva, quase que por milagre que até a ele lhe incomoda, o psiquiatra José Gameiro. E não, não é solidariedade de classe.

Ora a decisão precipitada por uma queixa da associação Animal é, repito, um sinal de cidadania activa nos tribunais neste país em que parece que ninguém se mexe para nada, em espontâneo, para abanar a mentalidade colectiva da dormência... Tirando claro, aquelas grandes operações logísticas da CGTP - mas isso é sobre salários

Mas voltando às Touradas. Vai daqui o aplauso – meu, que seja, meu que de Ribeiro e Castro é assobio – pelo fim da barbárie em horário nobre. E acrescente-se, mais que a prevenção de "influir negativamente na formação da personalidade de crianças e adolescentes”, como saiu da sentença, poupa-nos daquele que é o mais representativo e vergonhoso espectáculo da pobreza intelectual portuguesa. Melhor, obriga também a televisão do Estado, paga pelos contribuintes todos, até mesmo por um chafariz de praça com contador de luz, a ponderar o que deve ser prioridade sua programação, obrigatoriamente formativa, mesmo no entretenimento, e informativa.

E nisto, a tourada até chega a ser coisa pequena quando comparada com 12 horas de transmissão televisiva em redor de um autocarro de futebolistas, ou outras tantas à volta de andores e sermões desde a Cova da Iria, a 13 de cada mês. Dá vontade de meter bolinha vermelha no canto de tão gritante, sobretudo quando as televisões privadas já estão a fazer a mesma coisa e do zapping parece que só se nota mudança no tom de cor. Arre!

11 comentários:

  1. "...Tirando claro, aquelas grandes operações logísticas da CGTP - mas isso é sobre salários...
    Vai daqui o aplauso – meu, que seja, meu que de Ribeiro e Castro é assobio – pelo fim da barbárie em horário nobre..."

    Pois... claro!
    A luta contra salários baixos que impedem uma vida com um mínimo de dignidade, são meras operações logísticas.

    É bem mais importante a luta contra a barbárie em horário nobre, sim que, no telejornal das 20h não se vêem as barbáries cometidas contra os mais desprotegidos e pobres e a matança por parte dos states, não de touros, mas antes de SERES HUMANOS.

    São opiniões, talvez de quem nunca lhe faltou o queijinho fresco no frigorífico...

    ResponderEliminar
  2. Caro ASC.

    Eu simplesmente fiz a distinção entre o que é o protesto na luta salarial e o protesto pelas questões de mentalidade e cultura. Não quis misturar as coisas embora estejam de certo modo interligadas. Não era isso que queria abordar hoje.

    E não diga que não é uma grande operação logística, que o é. Porque os resultados estão à vista: um imenso nada na história sindical portuguesa - os tais direitos adquiridos vão-se perdendo de alguma maneira. E poderá dizer-me que os sindicatos vão tentando amainar a sangria. Mas no fim, há um enorme vazio na tal contestação generalizada dos portugueses: é que estes na hora certa não tomam atitudes espontâneas e congruentes com o descontentamento e mais facilmente se deixam levar com o entretenimento gratuito. A tourada como o futebol e outras coisas são o tal entorpecimento que transformam voto democrático num acto de puro clubismo, os comícios em missas campais e líderes políticos em santos de pedestal.

    ResponderEliminar
  3. E não é que eu estou de acordo???

    ResponderEliminar
  4. Hoje deve ter havido algo de grave neste país: pelas 20h as estradas estavam vazias, os parques de estacionamento desertos.
    O que se passou?

    ResponderEliminar
  5. Herbert von Karajan8 de junho de 2008 às 19:44

    E o que dizer da diarreia mental que é tranmitida na TVI das 18:00 às 20:00?

    ResponderEliminar
  6. Não gosto propriamente de tourada.Vi alguma na TV desde que os espectáculos eram transmitidos (há 30 anos...)a qualquer hora do dia...

    È espantoso o trabalho dos forcados...

    Mas estou farto de medidas proibicionistas, agora extremamente rotineiras.

    Parecemos o Estados Unidos que nestas matérias vão do oito ao oitenta...Numas coisa só não vale tirar olhos noutras é só puritaneza...

    Em Portugal está tudo a perder o juizo!A começar pela ASAE...(A propósito a Directora Regional do Norte da ASAE perdeu o concurso na entrevista, certo?).Que não se descubra agora a pólvora...

    Já não sei quem vai pôr este país na ordem da liberdade...

    MAIS ESTADO MELHOR ESTADO MENOS ASAE

    ResponderEliminar
  7. Não gosto propriamente de tourada.Vi alguma na TV desde que os espectáculos eram transmitidos (há 30 anos...)a qualquer hora do dia...

    È espantoso o trabalho dos forcados...

    Mas estou farto de medidas proibicionistas, agora extremamente rotineiras.

    Parecemos o Estados Unidos que nestas matérias vão do oito ao oitenta...Numas coisa só não vale tirar olhos noutras é só puritaneza...

    Em Portugal está tudo a perder o juizo!A começar pela ASAE...(A propósito a Directora Regional do Norte da ASAE perdeu o concurso na entrevista, certo?).Que não se descubra agora a pólvora...

    Já não sei quem vai pôr este país na ordem da liberdade...

    MAIS ESTADO MELHOR ESTADO MENOS ASAE

    ResponderEliminar
  8. Estes médicos de meia tigela criticam tudo e todos mas obviamente salvaguardam os da própria laia.então só se salva o tal psiquiatra...enfim...vejam a incompetência da classe médica portuguesa quando comparados com os estrangeiros que para cá vêm demosntrar a verdadeira vocação aco conttário dos mercenários portugueses que saem das nossas universidades para o privado.

    ResponderEliminar
  9. Caro anónimo,

    Os ataques pessoais dizem muito dos seus argumentos: nenhuns!

    ResponderEliminar
  10. Não conheço o Pedro Morgado, mas muitos dos seus textos são deliberadamente polémicos para suscitar e animar o debate...

    E isso ele faz bem!

    E faz bem aceitar as criticas!

    MAIS ESTADO MELHOR ESTADO MENOS ASAE

    ResponderEliminar
  11. Caro anónimo,

    Este texto não é da minha autoria.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores