O Norte para Além do Porto

| Partilhar
«O FC Porto é um símbolo do Norte, aqui nasceu Portugal. Não nos calarão por mais pontes que façam, nem por mais milhões que nos levem. Temos de lutar contra o centralismo absurdo.»

Eis uma declaração altamente reveladora. Cerceado pela justiça, o Presidente do Futebol Clube do Porto volta a ressuscitar a «guerra Norte-Sul» para galvanizar as hostes portistas e manter os adeptos unidos em torno da sua figura. Pinto da Costa sabe que não há melhor garantia de unidade do que a existência de um inimigo comum externo, capaz de mobilizar recursos excepcionais na luta contra os infiéis.

Por outro lado, o facto do Norte continuar sem liderança e sem rumo abre caminho ao populismo bairrista nos mais diversos sectores da sociedade. Enquanto não existir uma verdadeira regionalização, continuaremos reféns deste tipo de demagogia de circunstância.

Por último, o «portocentrismo». Por muito que os portuenses esqueçam, há mais Norte para além do Porto. Felizmente.

22 comentários:

  1. Pinto da Costa, apenas reacende a pseudo guerra Norte-Sul quando se sente apertado.
    Quando o aperto é pequeno a médio, considera um ataque não a ele mas sim a todos os portuenses (que são mais que os portistas).
    Quand está mesmo entalado, considera que é o Norte e não ele quem está a ser atacado.
    Apenas mentalidades tacanhas e que sofrem de complexos de inferioridade utilizam argumentos deste calibre.
    Vejamos:
    Lisboa anunciou a realização da Expo 98. O FCP foi campeão.
    Lisboa anunciou a construção de mais uma ponte sobre o Tejo. O FCP foi bicampeão.
    Lisboa inaugurou a nova ponte. O porto foi tricampeão
    A Expo 98 de Lisba foi um sucesso. O FCP foi tetracampeão.
    Lisboa inaugurou a linha de combóios na ponte 25 de Abril. O FCP foi pentacampeão.

    Então onde está a força do PC?
    Na corrupção, no submundo dos bordéis, no pagamente de férias aos árbitros no Brasil, ETC, ETC.?
    Há um ditado popular que diz: Os cães ladram e a caravana passa....Lá p'ráquelas bandas a que chamam Norte (estadio das Antas/Dragão), ainda continuam a ladrar, ladrar...sentem-se felizes por isso, mas Lisboa continua a desenvolver-se em termos económicos e a dar cada vez menos importancia ao futebol e seus agentes.

    ResponderEliminar
  2. Como benfiquista do norte ferrenho preciso de um Pinto da Costa assim, é sinal de que está acossado e com medo da justiça civil e desportiva...
    É que corre o risco de ficar manchado na história...Mas mesmo que se seja absolvido ficará maculado, os relatórios das escutas o condenam na praça pública...

    Não tenho dúvidas que nos anos 80 e 90 muitos dos campeonatos foram ganhos nos bastidores, independentemente de também o Porto poder ganhar alguns deles por mérito, como é evidente...

    Já não se lembram dos tempos em que a Associação de Futebol do Porto, por ser a mais representativa do país, teria direito natural à Presidência da Federação Portuguesa de Futebol, mas por cortesia dispensava tal prestigiante cargo, para optar pela mera Presidência do Conselho de Arbitragem?

    Mas gosto de Pinto da Costa principalmente como orador e como cómico e à falta do Gato Fedorento e de Alberto João Jardim (outro cromo a não perder...)que haja Pinto da Costa...Há, também me esquecia do Presidente do Nacional da Madeira...Todos precisamos de algum Prozac não quimico...

    Mas com a Regionalização iremos ter mais alguns cromos a pensar que vão sacar à Administração Central mais que o seu bolo regional, igual ao que actualmente é transferido, mas multiplicador de investimentos e de riqueza

    ResponderEliminar
  3. "Por muito que os portuenses esqueçam, há mais Norte para além do Porto."

    Infelizmente, para o Norte, este postulado, politicamente, não é verdade. Braga, por exemplo, é a 3ª cidade do país quanto a população. Onde está o peso político de Braga?

    "Lisboa continua a desenvolver-se em termos económicos e a dar cada vez menos importancia ao futebol e seus agentes."

    O desenvolvimento económico é discutível. É feito essencialmente monopolizando (via estado) os sectores resguardados da competição internacional, as empresas públicas e parapúblicas. Mesmo assim não sobrevive sem a cíclica injecção de milhões através de gigantescas obras públicas pagas pela totalidade do país. Quanto ao futebol: se Lisboa não desse tanta importância ao futebol, como alguém aqui diz, não se assistiria a tanta sanha persecutória e a tantas 1ªs páginas sobre o futebol, o FC Porto e Pinto da Costa em jornais lisboetas.
    o nível dum povo também se mede pelo tipo de jornais que lê: na região de Lisboa o Correio da Manhã, pasquim populista especializado em jornalismo de insinuação, é mairitário. A Norte é esmagador o JN, jornal popular mas decente.
    E depois temos os outros, os que vivem em dissonância cognitiva por causa das opções contraditórias com as raizes.
    O que me espanta no "resto" do Norte é este imenso complexo de inferioridade que faz com que prefiram quem os explora abjectamente e os despeza culturalmente, só para se sentirem como lisboetas e poderem sempre que a oportunidade surge falar mal do Porto. É verdade: os cães ladram e a caravana passa.
    Não se esqueçam: a verdadeira pobreza do Norte estáo nas restantes sub-regiões, não no Porto.

    ResponderEliminar
  4. Coisas da Política....vejamos:
    A quem é que o governo tem dado mais condições em termos de empresaiais? Às grandes empresas, as pequenas e médias fecham todos os dias;

    Quem é que tem ficado cada vez mais rico? Os que já eram/são muito ricos, os pobres/remediados estão com as contas por conta dos bancos que também eles enriquecem na medida em que outros empobrecem.

    Quais as cidades que se desnvolvem mais? Lisboa e Porto que se alternam nos elefantes cinzentos : se uma vai ter isto, a outra terá aquilo....


    E nós, os das outras cidades do paìs, assistimos impávidos e serenos à birepartição dos nossos impostos.... e cada vemos essas cidades a enriquecer cada vez mais, apetrechadas, mais apeteciveis mais visitadas, mais requisitadas...e nós, os das outras cidades do país??? nós dormimos....depois acordamos, batemos palmas e batemos com a cabeça, quais subditos perante o seu Rei, e ficamos todos contentinhos com qualquer rebuçadinho... Boa vai ela

    ResponderEliminar
  5. Pior que ter um suposto complexo de inferioridade relativamente ao Porto é ter 2 complexos... um de inferioridade em relação a Lisboa e um de superioridade em relação ao resto do Norte.

    Quanto a Lisboa, é quase pornográfico que se insinue que prefiro a capital ao Norte...

    ResponderEliminar
  6. não vale mesmo a pena discutir estes assuntos com quem não é capaz de ver nada, mesmo nada, sem os óculos futebolísticos. há quem seja mesmo um caso perdido.

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. Caro António Alves:
    Plenamente de acordo. E vou mais longe: - acho uma perda de tempo falar de complexos de inferioridade do tipo Norte-Sul. Isto não resolve os problemas nacionais. Mas, se o discurso for orientado no sentido Este-Oeste, aí sim, tomamos consciência de que as verdadeiras assimetrias regionais existem entre o litoral e o interior. Isso é que é preocupante.
    Agora, dar importância a um pobre imberbe, malcriado e que não olha a meios para atingir os fins...acho isso uma enorme falta de gosto, a não ser devido ao facto de eu não usar os tais óculos do futebol.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  9. inferioridade, é o que alguns sentem em relação ao norte e sentem bem, pois realmente o norte é superior, até nisso de provocar espamos de raiva nos sulistas, que felismente cada vez mais são arraçados por outras raças que não a mui nobre raça portuguesa
    viva o norte viva portugal.

    ResponderEliminar
  10. Este antónio alves vem aqui insultar os outros, misturar assuntos, fazer insinuações e depois ainda se vitimiza... sinceramente.

    ResponderEliminar
  11. Então aqueles nortenhos que são adeptos do sport lisboa embora esperem 30 anos por um hospital é que são bons?

    Não são eles também quem mantém no poder um analfabeto há 32 anos, que ao contrário do Alberto João está podre de rico?

    Fodei-vos!

    ResponderEliminar
  12. Vocês têm um lindo sotaque para parecerem os lisbonoides do norte além porto. Além do mais com uma semãntica acima de qualquer suspeita:

    QUE PUTA de engarrafamento!

    Fodei-vos!

    ResponderEliminar
  13. Nesta dicotomia Lisboa-Porto que pelos vistos só a regionalização pode estancar votasteis massivamente contra nos anos 90 por masoquismo ou para evitar seguidismo em relação ao Pinto da Costa?

    Fodei-vos!

    ResponderEliminar
  14. Nasci bem no centro de Braga mas não tenho paciência para aturar parolos, absolutistas, paradas comemorativas do 28 de Maio, queimadores de sedes do PC, Mesquitas Machados, gente que está sistemáticamente a demolir as casas apalaçadas da cidade do monumento das seis fontes.

    Abaixo a parvoeira e a Ilha da Madeira de antanho. Viva o Alberto João, o Porto e o FC Porto!

    Este anónimo chama-se Bernardo Pereira.

    Fodei-vos!

    ResponderEliminar
  15. Então o burro devo ser eu que, com quase 32 anos de vidinha, nunca fui ver um jogo de futebol...

    (num estádio daqueles grandes e lustrosos, só vi jogos do Ninense, do Cambeses, Arentim, do Silveiros ou Fonte Coberta)

    Dario Silva.

    ResponderEliminar
  16. O Porto é e será sempre um enorme eucalipto. E o Douro que o esclareça. O que o Porto deu ao Douro? O que o Douro deu ao Porto?

    O discurso do PC é recorrente. Se é verdade que Portugal não nasceu em Guimarães, mas sim por toda a região "Entre o Douro e o Minho" que apoiou Afonso Henriques contra a sua mãe e a nobreza Galega, ao nível simbólico aceita-se o nascimento em Guimarães. Mas não me espanto com o discurso portuense a revindicar o norte como berço. Pois assim o Porto (cidade) a surge como bandeira da nacionalidade. Guimarães, Braga, Viana do Castelo, etc, serão no futuro um território onde existem coisas que interessam ao Porto. Só falta saber porque "barcos rebelos" lá chegarão. Eu nesse rio não navego.

    ResponderEliminar
  17. O problema principal é que o regionalistas julgam que com o mesmo milhão fazem mais, mas o dinheiro não é elástico...

    Há havia possibilidade de mais endividamento, era?E não haveria regras de constrangimento?Era tudo à balda?

    Em regionalização Lisboa vai continuar a receber o maior bolo e a compensação pelo fundo de equilibrio dos mais desfavorecidos é semelhante à actual...

    Mas se calhar o Porto teria mais uma ponte sobre o Douro (portocentrismo, hegemonia da capital...).

    Porto-Gaia?

    É que o Norte não pode agitar a bandeira do nacionalismo como a Madeira para sacar mais.

    Continuem com ilusões...

    Há, mas de facto havia mais classe politica a norte, os também chamados caciques.

    Poupem-me, sim, agora que chego ao Algarve em 6 horas...

    O País já é suficientemente pequeno...

    Há a Suiça e a Bélgica ainda são mais pequenas, é?Pois...E até os seus cidadãos não falam linguas diferentes, pois não?


    Assina:Minhoto de gema nascido em Vieira do Minho...

    ResponderEliminar
  18. E aquela do nascido na Sé do Porto, o benfiquista Silvio Cervan, dizer que o maior clube do Porto era o Benfica?
    Que provocação...
    Mas é capaz de ter razão, os portistas estão em Gaia, Gondomar, Maia e Valongo...
    Querem a prova?Pinto da Costa com a sua indicação de voto no anti-Rui Rio não o consegui derrotar que, aliás, continua firme em não ceder os paços do concelho para os festejos do FC Porto...
    Ele há homens de tomates...Eu, benfiquista confesso, se fosse Presidente da Câmara do Porto, não faria tanto,abris mesmo as portas...

    ResponderEliminar
  19. Eu não me acredito que alguém no seu mais perfeito juízo fosse confundir vida privada e interesses pessoas com futebol. As pessoas podem ser adeptas de um clube, mas não deixam que isso interfira com o seu canto, pelo que dificilmente encontro alguém que vote contra o Rui Rio só porque alguém o disse. Se por um lado, é bom andar na net, porque privamos com pessoas interessantes e aumentamos os nossos conhecimentos, por outro lado, podemos cair no risco de encontrar gente com "provas" que só existem na dentro da sua cabeça. Se quiser apresentar provas, venha com factos concretos, com números, parafraseie alguém, não venha com imaginação.

    Quanto ao tema em si, caro Pedro, há muito tempo que não frequentava o teu blog (e nem o meu...). Mas vejo que neste tempo todo continuas com os teus complexos de inferioridade e mesquinhez em relação à cidade do Porto. Que, por sinal, é das poucas da nossa região que fazem ouvir a sua voz. Continuas a disparar na direcção errada e ao atacar o Porto estás a entrar no jogo deles (sim, eles os maus, os lá de baixo), que se aproveitam disso para continuarem o seu mamanço e depois dizerem "vocês nem entre vós vos entendeis e querem ter autonomia?!". Redirecciona o teu alvo porque estás a disparar para o lado errado. Para onde apontas ninguém te ouve, porque ninguém pode fazer nada. Se queres mesmo fazer algo, berra, luta, contesta, manifesta-te, mas fá-lo na direcção certa! Fá-lo para o sítio onde alguém poderá dar-te efectivamente uma resposta. Não fragilizes mais o que está já, por variadíssimas razões, fragilizado.


    Um abraço e continua o bom trabalho!

    ResponderEliminar
  20. O Nóbrega e o teor do seu comentário é a prova de que há muitos brácaros(?)com tentações de porto-centrismo e de que já se renderam ao Porto...

    Saia então mais uma ponte sobre o Douro para Porto-Gaia talvez ali para a Zona da Alfandega, próximo do local onde o Bexiga foi agredido...

    ResponderEliminar
  21. Acha que me insulta ou que me faz sentir atingido de alguma forma com comentários mesquinhos como esse? Está enganado. Como está enganado quanto à minha origem. É no que dá as pessoas falarem sem saberem do que falam.

    Passe bem.

    ResponderEliminar
  22. Os portugueses são patéticos. São um povo pobre, analfabeto, cobarde, e ignorante que vive num país que falhou. O futebol é o novo ópio do povo portugês. Pobres diabos dos bairros cujas vidas são sugadas por vampiros que só enriquecem e adquirem poder graças a estratégias de consolidação de poder em torno de uma só pessoa, ou direi antes, demónio? A questão que eu coloco é a seguinte: O senhor Pinto da Costa preocupava-se com os velhos que não podem comprar medicamentos e pão ou com as crianças que vão para a escola sem tomar o pequeno almoço?

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores