Há Circo no Theatro? (II)

| Partilhar
O jornal Público noticia que o Theatro Circo está em dificuldades financeiras. Segundo Paulo Brandão, «a culpa é do Ministério da Cultura. [...] O conselho de administração tem-me dito que se encontra em dificuldades financeiras, e já reduziu o orçamento para a programação. Tenho menos dinheiro neste segundo ano para programar e já me foi comunicado que certamente irá haver uma reestruturação ao nível do pessoal.»

Segundo a mesma notícia, a situação do Theatro Circo, há muito comentada nos bastidores da política local, não é caso único. «A Feira do Livro de Braga, que decorre até ao próximo domingo, no Parque de Exposições de Braga, também teve que reduzir o seu orçamento e, na última sexta-feira, os responsáveis do Mosteiro de S. Martinho de Tibães, propriedade do Estado, anunciaram uma redução no horário de funcionamento devido à falta de dinheiro para contratar pessoal.»

Mesquita Machado diz que «a atitude do Ministério da Cultura é uma tristeza e uma injustiça» e parece não estar mais disponível para abrir os cordões à bolsa. A cultura bracarense, tão maltratada nos últimos anos, sofre assim mais um duro revés.

15 comentários:

  1. Caro Pedro:

    Nem tudo o que parece, é...

    Todos sabemos, por experiência própria, que, face à leitura da Imprensa, temos que, nas mais das vezes, saber ler as entrelinhas...
    Mesmo a Imprensa dita de referência também nos deixa ficar mal...
    No caso em apreço, o tiro saiu ao lado! Embora com pequena dose de verdade, não se aproximou, nem de perto nem de longe, do alvo.
    Não é por estas razões que o Theatro Circo deixará de continuar a ser a referência cultural que já é.
    Nós sabemos, Pedro, que você sabe mais alguma coisa...

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  2. Está tudo burro nesta questão. João CASTRO e Andreia GUIMARÃES, responsáveis pelo Design do Circo, já receberam cartas para extinção dos seus postos de trabalho. Portanto, vai haver despedimentos. A Câmara não tem ou não quer meter lá mais dinheiro e a Vereadora da Cultura continua a mandar para lá a Banda de Cabreiros. Essa ou outras. Não falta muito para o Circo se transformar em Auditório Municipal. Porque é que nada se ouve da sua boca. Ela não fala? Não tem opinião. Quanto a essa do MC não está bem explicada. Brandão diz na entrevista que a tábua de salvação é que esse dinheiro venha, para não haver mais desculpas de ninguém. Mas isto é uma merda para todos.

    ResponderEliminar
  3. Dificuldades financeiras significa em linguagem comum má gestão. Das duas uma: ou gastaram mais do que tinham e são incompetentes, ou gastaram mais do que pensavam ter e são incompetentes.
    Se fossem dificuldades de tesouraria ainda podia tentar encontrar alguma explicação. Falta de dinheiro, mesmo, é incompetência e gestão danosa.
    Não era o ilustre presidente que dizia que a programação se pagava a si própria?
    Se se paga basta pegar nos novecentos mil euros que a CMB atribuiu ao TC, pagar as despesas correntes e organizar uma festa com o que sobra.
    Ou há mais qualquer coisa que alguns sabem, outros pensam que sabem e outros sabem que pensam mas não dizem.
    JÁ HÁ CIRCO!!!!!!!!!
    A TENDA ESTÁ A SER ARMADA!
    OS LEÕES JÁ RUGEM!
    HÁ MALABARISTAS!
    HÁ CONTORCIONISTAS!
    HÁ PALHAÇOS!
    SÓ FALTA O HOMEM BALA!!!!!
    Aceitam-se apostas, mas se for como de costume acabará por ser alguém que não digo mas que tem um nome que começa por P e acaba em o

    ResponderEliminar
  4. Nenhuma empresa sobrevive a espectáculos de dias, sem público.Montagem, desmontagem...publicidade...Falta de um verdadeiro espectáculo que leve ali gente.Um espectáculo nacional.Oferça a sala ao La Féria.Ele não precisa de subsídios...ele faz os melhores espectáculos do mundo e enche a casa, seja onde for.Claro que parte dos bracarenses já viram os seus espectáculos em Lisboa e no Porto, onde o Rivoli estava em auto-gestão ... e consehuiu montar ali o espectáculo que encheu noites e noites, meses e meses!De realçar que os cafés e restaurantes na baixa do Porto, que se encontravam quase todos, para não dizer todos às moscas e a fechar cedíssimo, mudaram os horários e ficaram cheios da noite para o dia.Já pedem a Deus e ao La Féria que traga outros bem depressa.

    Há que pensar no que se faz, como, quando e porquê?

    Saudações e um sorriso

    ResponderEliminar
  5. Razão tinha lá o lider da oposição, o Ricardinho Rio, ele já tinha previsto isto.

    ResponderEliminar
  6. A avaliar pelo "post" do grande apoiante do Ricardinho, o senhor Mário Relvas, também estararíamos bem servidos se o Rio algum dia chegasse à Câmara: o Theatro Circo seria entregue ao La Féria...
    Mal por mal, sempre prefiro o duelo do "morto que quer voltar" contra o "vivo que quer ir para a Casa da Música".
    A acompanhar...

    ResponderEliminar
  7. O anínimo não me afoga e nem sequer tem coragem de dar a cara.No entanto nota-se que qd aqui escrevosou confrontado pelo mesmo que se dispersa em vários comentários anónimos, mas que não são tão anónimos assim, caro Sr Pedro Morgado.
    Nunca na minha vida falei com qualquer partido, ou seu representante local.Mas talvez o Rio de Braga mereça uma oportunidade...já que o outro, o verdadeiro, o Rio Este está pela hora da morte!

    ResponderEliminar
  8. «Dificuldades financeiras significa em linguagem comum má gestão. Das duas uma: ou gastaram mais do que tinham e são incompetentes, ou gastaram mais do que pensavam ter e são incompetentes.»

    Existe um erro bastanta óbvio. Cadeiras inamovíveis. Enquantos os coliseus e salas afins enchem, com plateias em pé, com concertos mais direccionados para jovens até 30-35 anos, o Theatro ou nem os tenta chamar, ou quando o faz, deixa lá ficar as cadeirinhas. Logo isso é um rombo monumental nos cofres.

    ResponderEliminar
  9. «Razão tinha lá o lider da oposição, o Ricardinho Rio, ele já tinha previsto isto.»

    É curioso que à algum tempo atrás se fez a experiência de elevar um dos maiores críticos da cultura de Braga, para um cargo de poder nessa área (vereador? já não me recordo ao certo). O resultado não foi muito diferente... Ou seja, referir aqui, agora, o Ricardo Rio é tentativa de aproveitar a onda, apresentá-lo com uma espécie de D. Sebastião... como o Rio, muitos outros criticaram. :)

    ResponderEliminar
  10. Aquilo que se dizia que ia ser o cartão de visitas da cidade de Braga, não passou do parece....
    É verdade que a afluência de público ao TC é manifestamente baixa.
    O publico de Braga, parece cada vez mais, divorciado da "Cathedral a Cultura".
    Porque será?
    Porque não gosta de cultura? calro que gosta.
    Porque a programação parece ser demasiado elitista? Talvez.
    O grande públco não tem direito a espectáculos a seu gosto? Pelos vistos, não?
    Querem boas receitas de bilheteira? procurem boas receitas de programas e principalmente de programações.

    ResponderEliminar
  11. Se calhar o Zé de Braga até tem a razão. A gente vê e ouve cada coisa......
    O que eu gostava mesmo era de ver o Zé de Braga a dar alguns exemplos dos espectáculos que lhe interessariam ver no Circo. Gostava de saber que tipo de espectáculos ali gostava de assistir... Para perceber melhor se uma programação que desceu tão baixo, com Banda de Cabreiros e grupos folclóricos, ainda nos pode surpreender mais....
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  12. Já que o Zé de Braga pelos vistos acompanha de perto todos os espectáculos do Theatro Circo para saber que «a afluência de público é manifestamente baixa» então porque não se oferece para desempenhar funções como porteiro?
    Tempo livre para tal parece ter e, assim, já podia falar, com razão e real conhecimento dos factos, da afluência de públicos ao Theatro Circo.
    Pois, o problema é que muitos falam, opinião todos têm, mas a realidade, essa, poucos a conhecem...

    ResponderEliminar
  13. Caro(s) anónimo(s) culto(s).
    Pelos vistos estão de acordo que a afluência ao TC não tem sido a esperada, isto para não dizer que tem sido um autêntico fiasco.
    Vejam o exemplo de Guimarães relativamente ao concerto de hoje à noite:
    "Em menos de duas horas, os 800 lugares do Centro Cultural de Vila Flor ficaram repletos para o concerto da próxima sexta-feira, que junta uma das mais excitantes bandas pop nacionais, The Gift, à Orquetra Metropolitana de Lisboa."

    Não é só em Guimarães, mas também em Famalicão. Os espectáculos atraem pessoas e as casas enchem com frequência. Porque é que isso não acontece em Braga?

    É evidente que a estratégia do TC tem que mudar....palavras para quê?

    Lições de cultura? devolvo-as à procedência.

    É triste ver tanta pobreza intelectual, que, à falta de argumentos recorrem a linguagens menos próprias e inoportunas, de forma a desviarem a atenção para o acessório.

    ResponderEliminar
  14. Amigo Zé de Braga, nesta matéria você revela muito mau gosto, além do mais... Então compara a oferta cultural de Braga com a de Guimarães?!!! Homem, oferta cultural não é um ou dois concertos ou uma peça de teatro, aos fins de semana, no Vila Flor... ou uma visita ao Museu Alberto sampaio à meia-noite de um fim-de-semana...
    Arrisque a propor eventos a qualquer dia da semana, como o Theatro Circo faz amiudadamente, com êxito.
    Quantos museus tem a cidade vizinha, quantas galerias de arte, quantas salas de cinema, quantas livrarias, quantos espaços de acesso livre à internet, quantos espaços musealizados, além do castelo (que livraram a tempo de se transformar em paralelo da ruas locais)?!!! Ficamos pela rama, não é melhor?
    Até porqu~e não interessa a quantidade, mas sim os resultados consequentes dessa oferta. Será ue o público que frequenta os eventos do Vila Flor é tão diversificado quanto o que frequenta o Theatro Circo? Não serão os mesmos conumidores de "cultura" em Braga a fazê-lo de igual forma na casa dos vizinhos. Sempre que fui ao Vila Flor -- e eu, bracarense, também lá vou quando a proposta me interessa... -- reconhecido imensos rostos que identifico em Braga.
    Quanto à questão de fundo neste "post", sabe bem que ela não ultrapassa a luta de dois galos pelo mesmo "poleiro". Um, que já mandou na "capoeira" teta recuperar o domínio com o viagra que a vereadora lhe permitiu tomar; o outro, com sangue na salta na veia e a cabeça a fervilhar de ideias, quer dar nas vistas, para seguir o seu caminho até paragens que julga mais apetecíveis.
    Não se rale com isto: "é a vida"...
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  15. Então os The Gift, encheram o Centro Cultural Vila Flor? Ok, Sr. Zé de Braga, que fale do que sabe acho muito bem, mas devia ter alguma reserva quando quer falar do que não sabe. Lá porque as peças da CTB estão sempre às moscas, e ainda mais estariam não fossem as mãos cheias de convites que o Sr. Rui Madeira distribui pela cidade para que não estejam mais pessoas em palco que na plateia, não quer dizer que o Theatro Circo se encontre ao mesmo nível. Mas para alimentar um pouco mais os seus conhecimentos, falemos de lotações esgotadas no Theatro Circo. Mas para não lhe queimar os neurónios, devido à elevada quantidade de informação que lhe poderia passar falarei apenas destes últimos dois meses:
    "Turismo Infinito"
    David Fonseca
    Vagabond Opera
    Mayra Andrade
    Les Ballets Trockadero de Monte Carlo
    Madame Butterfly
    Música pelo Médio Oriente.

    Para não o atormentar muito deixo de fora as inúmeras lotações esgotadas de 2006 e 2007 e ainda espectáculos com lotação a rondar os 500 lugares.
    Mas já que conhece tanto a realidade do Theatro Circo, em contrapartida, pedia-lhe que me inumerasse os espectáculos que, como refere "têm sido um autêntico fiasco".

    Cumprimentos

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores