Um filme inquietante, para ver sem preconceitos

| Partilhar
"Este País Não É Para Velhos" é um ‘trhiller’ altamente hipnotizante construído em torno de um duelo entre o herói Llewelyn Moss (Josh Brolin), acidentalmente embrulhado num cenário de aterradora violência, e um psicopata absolutamente implacável que decide a vida dos seus adversários atirando uma moeda ao ar. Javier Bardem, com um desempenho absolutamente soberbo, é uma das personagens mais enigmáticas e inquietantes da história do cinema. A brutalidade e a desumanidade que grassam no mundo da droga conseguem desiludir o velho Xerife Bell (Tommy Lee Jones), demonstrando que aquele país já não é para velhos. Nomeado para 8 Óscares, o trabalho mais recente dos irmãos Coen acabou por vencer nas categorias de melhor filme, melhor realizador, melhor actor secundário e melhor argumento adaptado.

7 comentários:

  1. Também não me pareceu grande coisa. Penso que se perderam na estética da violência, isto a costa da personagem do xerife que, na minha opinião, não está suficientemente desenvolvida.
    O Bardem está bem, mas tenho-lhe visto melhores e mais complexas interpretaçãos.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  2. A leitura e um filme não deve ficar pela história contada...
    Por isso, os fimes não são para se relatados por outrém... devem ser vistos1
    A genialidade de um bom filme está nas mensagens subliminares que o realizador quer fazer chegar ao espectador.
    Em "Este país não é para velhos", a mensagem remete-nos para uma América (... e um Mundo, dito civilizado)cada vez mais violenta. A história é um pretexto para a crítica à sociedade que construímos, em que o fosso entre ricos e pobres é cada vez maior; em que países invadem outros baseados em mentiras; em que a auto-destruição do Homem é resultado da loucura de um sistema que só pensa em bens materiais tendo o Humanisto passado a ser encarado como um anacronismo "lamechas".
    As famílias têm falta de dinheiro para pagar as prestações da casa, da mobília, do carro...
    As famílias desesperam... e tornam-se violentas.
    Apetece matar!
    Apetece roubar!
    Apetece alinhar em negócios ilícitos!
    Enfim... as Escolas são cada vez mais o reflexo dessa agressividade latente.
    Os "maus" já não são castigados!
    O crime até compensa.
    Voltando ao filme... no final o criminoso psicopata segue o seu caminho, sem se preocupar com a mala do dinheiro: "é um criminoso com princípios"...
    Tal como Bush... mantém as tropas no Iraque... por questões de princípios(???).
    É este o mundo em que vivemos...
    É este o filme que vi!

    ResponderEliminar
  3. Afinal onde ficou a mala com o dinheiro?
    E a mulher do caçador, morreu ou não?

    ResponderEliminar
  4. se calhar não interessa quem ficou com o dinheiro. a ideia é mostrar que morre tanta gente por causa disso.

    e sim. a mulher morreu porque ele quando sai da casa olha para os sapatos a ver se não tem sangue.
    (isto é a minha ideia :)

    ResponderEliminar
  5. A mala com o dinheiro ficou lá... abandonada,porque àquele psicopata j´só interessavam os "seus princípio"... vingança!
    Obviamente que a mulher docaçador foi morta... os tais "princípios" a isso o "obrigavam"...
    Não tem nexo?
    Pois... tal como o mundo que nós vivemos!

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores