Arbitragem de Sarjeta

| Partilhar
1. Os factos recentes têm demonstrado que o futebol está à margem da lei. Em nenhuma outra actividade, seja pública ou privada, a incompetência, chamo-lhe assim para ser benevolente, se passeia com tamanha impunidade.

2. No Braga-Leixões de hoje, Pedro Henriques fez um trabalho cínico, capaz de levar ao desespero os 22.000 bracarenses presentes no Estádio AXA. Conivente com o anti-jogo, nem mesmo quando admitiu que estava a ser enganado pelos jogadores do Leixões teve a coragem de os sancionar.

3. O que se exige, no respeito por aqueles que pagam o futebol, é que alguém puxe o autoclismo do anti-jogo e das arbitragens que o premeiam. Assim não se pode gostar do futebol.

4. O tempo tem demonstrado que a SAD do Braga precisa de melhor aconselhamento em matéria de comunicação. Quando deve estar calada, fala. Quando deve falar, fica calada.

11 comentários:

  1. A arbitragem foi de facto má e premiou o anti-jogo dando no total apenas 6 minutos de compensação. Mas pior, e a justificar o resultado final, foram as opções do "linguísta" que se senta no banco do Braga. Basta ver que duas das suas alterações consistiram em trocar médios defensivos por médios defensivos... Não se compreende qual o motivo que lea o homem a impedir o Philco de alinhar pelos juniores e depois não o utilizar. Se o jovem não tem qualidade para entrar na equipa principal, então mais vale colocar um jogador lesionado no banco e deixar o rapaz jogar pelos juniores. E já agora que não venha com desculpas que não tinha soluções por causa das lesões já que tratou de dispensar dois médios ofensivos que davam muito jeito

    ResponderEliminar
  2. o anti-jogo foi escandaloso. os penaltis por assinalar também... vergonha! mais uma!!!

    ResponderEliminar
  3. este arbitro surprendeu-me pensei que fosse mais isento. anti-jogo desta maneira nao que vao para a segunda é la o lugar deles.

    ResponderEliminar
  4. confesso não ter visto nem lido nada sobre este jogo.
    mas em relação ao anti-jogo julgo que deveria ser severamente combatido e que a liga de clubes deveria tomar uma posição oficial já para a próxima época.
    o anti-jogo é uma factor que leva a que os espectáculos de futebol sejam pouco espectaculares em portugal e retiram adeptos à bancada.

    ResponderEliminar
  5. eu só tenho visto visto arbitragens habilidosas em braga. mesmo que o braga não esteja a jogr muito futebol.

    ResponderEliminar
  6. "Pedro Henriques reinou na confusão que foi o seu trabalho, assumindo pela negativa o protagonismo do jogo quando perdoou a expulsão a Contreras, por agressão a Jaime. Mais tarde, perdoou um amarelo a Matheus por simular penálti." in OJOGO

    ResponderEliminar
  7. "Confusão do relvado às bancadas

    Os nervos aqueceram na ponta final do jogo. Houve troca de insultos nas bancadas, sendo a polícia forçada a desenhar um cordão de segurança junto à claque do Leixões, em momentos de agitação que foram rapidamente controlados pelas forças da ordem sem recurso à força. O rastilho tinha sido ateado no relvado, tudo porque o árbitro Pedro Henriques não deixou entrar a equipa médica do Leixões, para assistir Bruno China. O capitão dos matosinhenses sofreu uma entrada de Frechaut, aos 86 minutos, e ficou deitado. O banco matosinhense insurgiu-se contra a decisão do juiz lisboeta, que deu, por várias vezes, indicações para prosseguir o jogo. Acto contínuo, Nuno Amaro tem uma entrada duríssima sobre João Pereira, vê o cartão amarelo e gera-se uma assembleia junto à linha lateral, com muitos empurrões à mistura. Bruno China, esse, acabou por levantar-se, dois ou três minutos depois. O trabalho disparatado de Pedro Henriques manteve-se até ao fim. Em cima dos 90, novo lance gerador de polémica, junto à área do Braga, deixando passar uma falta evidente de Roberto, num lance que quase dava golo do Leixões. Perante os protestos arsenalistas, Pedro Henriques fugiu... Ontem, de facto, mais valia ter ficado em casa." JN

    ResponderEliminar
  8. "Confusão do relvado às bancadas

    Os nervos aqueceram na ponta final do jogo. Houve troca de insultos nas bancadas, sendo a polícia forçada a desenhar um cordão de segurança junto à claque do Leixões, em momentos de agitação que foram rapidamente controlados pelas forças da ordem sem recurso à força. O rastilho tinha sido ateado no relvado, tudo porque o árbitro Pedro Henriques não deixou entrar a equipa médica do Leixões, para assistir Bruno China. O capitão dos matosinhenses sofreu uma entrada de Frechaut, aos 86 minutos, e ficou deitado. O banco matosinhense insurgiu-se contra a decisão do juiz lisboeta, que deu, por várias vezes, indicações para prosseguir o jogo. Acto contínuo, Nuno Amaro tem uma entrada duríssima sobre João Pereira, vê o cartão amarelo e gera-se uma assembleia junto à linha lateral, com muitos empurrões à mistura. Bruno China, esse, acabou por levantar-se, dois ou três minutos depois. O trabalho disparatado de Pedro Henriques manteve-se até ao fim. Em cima dos 90, novo lance gerador de polémica, junto à área do Braga, deixando passar uma falta evidente de Roberto, num lance que quase dava golo do Leixões. Perante os protestos arsenalistas, Pedro Henriques fugiu... Ontem, de facto, mais valia ter ficado em casa." JN

    ResponderEliminar
  9. Apoiado !
    Eu também acho que devia haver mais respeito por aqueles que PAGAM o futebol.

    ResponderEliminar
  10. Devia haver mais respeito pelos outros, adeptos ou não, porém a arbitragem retrata o futebol Português na actualidade.Quanto ao resultado não surpreende pois com ou sem erros o SCBraga continua a não justificar os investimentos feitos no inicio de época.Temos de olhar e ver com isenção, o futebol praticado está longe do de outrs épocas bem recentes.Não é só culpa do Técnico ou da arbitragem.Temos de analisar a forma como alguns jogadores estão em campo.Desculpem os verdadeiros adeptos do SCBraga, mas a equipa sonhou muito alto e agora tudo joga contra.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores