O Comboio do Minho

| Partilhar
Depois de meses a somar apoios, o projecto de construção de uma rede de linhas ferroviárias no quadrilátero urbano do Minho ganhou um novo adepto. Mesquita Machado explicou que a construção da linha poderá estar integrada no programa "Política de Cidades Polis XXI", recentemente aprovado e que integra os municípios de Braga, Guimarães, Famalicão e Barcelos.

É a aposta certa para um Minho sistematicamente marginalizado pelo investimento central. Para que a mesma se concretize com a brevidade necessária, o que implica que a ligação entre Braga e Guimarães esteja pronta a tempo da Capital Europeia da Cultura, é importante (1) que os autarcas se mantenham unidos na substância e na forma, (2)que sejam perseverantes e reivindicativos junto do poder central e (3) que não cedam a eventuais negociatas locais que «troquem» a linha por esmolas populistas do governo com o intuito de arrecadar uns votinhos em 2009.

9 comentários:

  1. Seria óptimo, o Distrito de Braga e toda a região teriam evidentes progressos. Sonhar parece ser fácil, numa altura em que ainda existem evidentes lacunas nos transportes locais.A vontade é porém sempre louvável e o resto só o futuro o dirá...

    ResponderEliminar
  2. Não conheço nenhuma região ou grande cidade cuja rede de transportes/mobilidade exista sem ancorar no Caminho de Ferro.

    A culpa deve ser minha, viajo pouco.

    Dario Silva

    ResponderEliminar
  3. E porque não juntar VILA VERDE e AMARES ao projeto?...ou o Minho são só essas cidades?

    ResponderEliminar
  4. Quando Amares e Vila Verde tiverem 40,000 habitantes, falamos.

    Dario Silva.

    ResponderEliminar
  5. Anda por aí um febre com o comboio minhoto que não consigo perceber de forma nenhuma. Se um residente na cidade de Braga precisar de se deslocar à freguesia de Arentim, no limite do concelho, será que opta pelo comboio ou pelo carro próprio?!!! Se um residente em Braga quiser ir a Guimarães ou a Barcelos, será que optará pelo comboio ou pelo carro próprio? Tudo isto, esquecendo obviamente a diferença de custo para o cliente.
    Façam-me perceber, a mim que não conheço estudos sobre a matéria, que fluxos de pessoas, não de mercadorias, existem entre Braga e Barcelos, entre Braga e Guimarães, entre Braga e Famalicão. A única ligação que se me afigura plausível estudar é Braga/Guimarães. Mesmo assim, após a construção da A11, que põe Guimarães a 5 minutos exactos de Braga, que concorrência pode fazer uma ferrovia?!
    Parece-me que pegou a moda do comboio, assim sem mais nem para quê... Afinal, custaria milhões a sua execução, não?!! E a questão ambiental: o comboio não polui, é?
    Vamos pensar as coisas... Espero que me convençam. Ah, lembrei-me do teleférico entre Guimarães e a Penha. Muito lindo, mas o fracasso que se vê. Ainda bem que os estudos feitos em Braga, antes de Guimarães se lembrar de tal coisa, ditaram a inviabilidade de tal ideia... É que ideias todos nós temos muitas, elas andam no ar, mas dar-lhes forma, com sucesso, é que faz a diferença.
    PSousa

    ResponderEliminar
  6. http://blogminho.blogspot.com/2007/12/minho-duas-velocidades.html

    ResponderEliminar
  7. Caro PSousa:


    "PSousa disse...

    (...) Se um residente na cidade de Braga precisar de se deslocar à freguesia de Arentim"

    - Nenhuma linha portuguesa, à excepção da Linha de Cascais, Sintra e Cintura de Lisboa foram pensadas como ligações LOCAIS mas antes regionais, nacionais e internacionais. Por sorte, nessas viagens "regionais" ou "nacionais" surgem percursos locais como possam ser os de Braga para as freguesias do Vale d'Este (até Nine). São ocorrências que surgiram pelo facto de o comboio existir. Posso lembrar que quando o comboio aqui chegou, em 1875, a única estação intermédia entre Nine e Braga foi Tadim e por "cunha" de um tadinense de então - Luís Braga da Cruz.
    Entre Braga e Porto não existiam apeadeiros.

    " Se um residente em Braga quiser ir a Guimarães ou a Barcelos, será que optará pelo comboio ou pelo carro próprio?"

    - Como dizia o outro, "é fazer as contas". Vamos já ver.

    Tudo isto, esquecendo obviamente a diferença de custo para o cliente.

    - Pois, o custo, Veja-se o preço de um litro de gasóleo e de um bilhete Braga-Porto... um litro de asóleo custa mais!!!

    Façam-me perceber, a mim que não conheço estudos sobre a matéria, que fluxos de pessoas, não de mercadorias, existem entre Braga e Barcelos, entre Braga e Guimarães, entre Braga e Famalicão.

    - Para isto basta circular em qualquer dessas estradas entre as 17h e as 19h. No verão, uma viagem Braga-Barcelos (centro a centro) pode demorar 50 minutos.

    "A única ligação que se me afigura plausível estudar é Braga/Guimarães. Mesmo assim, após a construção da A11, que põe Guimarães a 5 minutos exactos de Braga, que concorrência pode fazer uma ferrovia?!!

    - Não pode! a portagem Braga-Guimarães custa tanto como um bilhete Braga-Espinho...


    "Parece-me que pegou a moda do comboio!, assim sem mais nem para quê... "

    - Pois é! manias!!!
    Em Espanha, o orçamento para a construção/manutenção de vias férreas foi, em 2006, superior a todo o PIB português... são uns trengos estes espanhóis!!!!


    "Afinal, custaria milhões a sua execução, não?!!"

    - É, é como as autoestradas e as scut (que são também pagas pelos meus impostos...);


    "E a questão ambiental: o comboio não polui, é?"

    - Polui... aliás, é das coisas de que mais me queixo após a renovação do Ramal de Braga... é o barulho dos comboios... que saudades do barulho dos comboios...
    Acresce que os comboios (eléctricos, metros) podem consumir energia 100% limpa e o rácio de energia/passageiro/quilómetro é o mais vantajoso de todos os meios de transporte terrestres. Mesmo os velhinhos comboios a gasóleo, com 40 anos de idade, conseguem médias na ordem dos 200 litros/100 km/ 400 passageiros. "É fazer as contas".

    "Vamos pensar as coisas... Espero que me convençam. Ah, lembrei-me do teleférico entre Guimarães e a Penha."

    - Não considero o teleférico de Guimarães comparável a um Caminho de Ferro. Não tem utilidade prática enquanto transporte quotidiano.

    "É que ideias todos nós temos muitas, elas andam no ar, mas dar-lhes forma, com sucesso, é que faz a diferença."

    - Claro que faz a diferença. O Metro do Porto demorou dez anos a descolar. Entretanto, já transporta quase 200.000 passageiros em dia típico. Conferir em http://www.metrodoporto.pt/pagegen.asp?SYS_PAGE_ID=883485

    Brincamos aos comboios ou colamos cartazes??


    Abraços e boa viagens em CF em 2008.

    Dario Silva

    ResponderEliminar
  8. Ah... podemos sempre pensar a matéria ferroviária em termos LOCALISTAS.

    E depois vamos dar aqui: http://www.youtube.com/watch?v=82ZLjEkifBY

    O meu quintal é mais lindo que o teu...


    Dario Silva.

    ResponderEliminar
  9. Isto era um sonho tornado realidade.
    Acho que o metro ao ser construido vai incluir os locais como Vila Verde e Amares. Assim como muitos outros locais relevantes pois tem como objectivo maximizar os lucros e facilitar as acesseblidades.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores