A Rede de Transportes Ferroviários do Minho

| Partilhar

.
O Minho precisa de uma nova rede de transportes ferroviários. Os objectivos da reestruturação desta rede passam por garantir: 1) maior facilidade de acesso aos grandes centros urbanos (Porto, Lisboa, Vigo, restante Galiza e Madrid), 2) ligações rápidas entre as principais cidades do Minho e o Aeroporto Internacional Sá Carneiro 3) mais rápida, segura e confortável mobilidade intra-regional.
.
A nova Rede de Transportes Ferroviários do Minho prevê que o comboio de alta velocidade utilize o corredor da (já existente) Linha de Braga. Esta situação levará a um ainda maior congestionamento da referida linha e dificultará a entrada em funcionamento de ligações directas entre Braga, Barcelos e Viana do Castelo. De qualquer forma, a requalificação da Linha do Minho (pelo menos até Viana) é urgente e necessária. A alta velocidade permitirá chegar, em poucas horas, a Lisboa, Madrid ou Vigo.
.
A ligação entre Braga e Guimarães por ferrovia (seja por comboio ou metro) deve ser uma prioridade (A). Esta linha aumentará significativamente a mobilidade intra-regional, ligando as duas maiores cidades do Minho e os respectivos campi universitários. A passagem pelo AvePark (Taipas) permitirá corrigir a inexistência de uma saída da A11 para servir aquelas populações e o emergente parque de investigação científica e tecnológica.
.
A ligação dos principais centros urbanos do Minho ao Aeroporto Sá Carneiro é outra das prioridades. Apesar de começar a perspectivar-se a utilização do Aeródromo de Braga para receber alguns voos internacionais, sobretudo de companhias de Low Cost, o Aeroporto de Pedras Rubras continuará a ser a referência aeroportuária da região Norte. A ligação entre Braga/Guimarães é actualmente possível seguindo de comboio até Campanhã e utilizando, de seguida, o Metro até ao Aeroporto. Em breve, será possível seguir de Metro a partir da Trofa. Estas ligações apresentam vários constrangimentos, sobretudo em termos de tempo dispendido. A solução B1 é a mais dispendiosa: prevê a construção de uma linha de comboio entre Barcelos e Esposende, com ligação a uma extensão da linha de Metro do Porto (a partir da Póvoa de Varzim). A solução B2 é a mais barata, mas elimina Esposende do mapa ferroviário do Minho: aproveitando o corredor já existente, seria reactivada (com algumas alterações) a linha Famalicão-Póvoa, permitindo criar um comboio directo entre Guimarães-Braga-Famalicão-Póvoa. Aqui, os passageiros teriam que seguir de Metro até ao Aeroporto.
.
A solução B3 tem um custo intermédio e serve melhor as populações de Braga, Guimarães e Famalicão. A construção de uma nova linha entre Famalicão e Pedras Rubras permitiria aos utentes do Aeroporto seguir, directamente, no percurso Guimarães-Braga-Famalicão-Aeroporto.
.
A mobilidade intra-urbana terá que ser incrementada com a construção da Rede de Metro de Braga (C). O Parque Urbano Norte (que se acredita seja mais que um estádio e uma piscina), a Universidade, o Novo Hospital, as estações ferroviárias, o centro urbano e as áreas residenciais densas deverão ser ligados por esta nova rede. Uma rede que poderia chegar até Guimarães (alternativa à ligação por comboio) e, numa fase mais tardia, poderá ligar Braga a Vila Verde, Amares e Póvoa de Lanhoso.
.
São ideias para um debate emergente. São projectos que não será possível concretizar brevemente. Mas debater/projectar/idealizar é sempre um contributo positivo.

27 comentários:

  1. Tenho dúvidas acerca da real necessidade das "B", com a excepção da ligação ao aeroporto, mas creio que essa poderia existir doutra forma, por metro. Não creio que valha a pena fazer uma ligação independente a partir de Famalicão.

    ResponderEliminar
  2. Caro Jam,

    Segundo sei os estudos apontam para a viabilidade dessa ligação e o Ministérios das Obras Públicas já reservou um corredor para essa ligação.

    ResponderEliminar
  3. Ah.. e esqueci-me, ao criar uma rede de metro, deveria-se ligar a Barcelos (o que nem seria muito dificil, a maior parte do trajecto seria possível fazer paralelamente à auta-estrada). A ligação por comboio existente serve para quem viajar com tempo, não serve para o dia-a-dia.

    ResponderEliminar
  4. Lembrei-me de outro aspecto. Consideras que a actual estação seria o ideal para funcionar como uma estação de "intercâmbio", como é Campanhã?

    Tal como S.Bento, a nossa é o fim da linha e com o TGV talvez se justificasse a construção de uma estação mais exterior (já que Aveleda parece ter sido só construída para mercadorias).

    Considero também que o Metro será algo bom para servir a região e fazer as ligações maiores. Mas para Braga-Cidade, a opção por eléctricos talvez fosse melhor e mais elegante. Se bem que este conceito de metro de superfície, do Porto e da Margem Sul, se aproximem um pouco da ideia de eléctrico. Mas sinceramente, estás a imaginar um metro, idêntico ao do porto, a passar pela Avenida Central e pelo centro histórico? ;) Não sei, são só ideias.

    ResponderEliminar
  5. E que tal criar um forum para discutir estas ideias! Os blogues são sempre limitados! Infelizmente não tenho tido muito tempo, mas posso arranjar um forum temporário, que depois poderá ser exportado para um novo definitivo! Que acham. Já agora que nome? BragaForum, MinhoForum, ...

    ResponderEliminar
  6. Excelente esquema! Eu apenas trocaria a prioridade C pela B, pois a ligação de Braga (e, por inerência, de Barcelos, Guimarães, Viana do Castelo e Famalicão com as linhas existentes e de prioridade A) ao ASC por TGV está já planeada (é o tal canal que já está reservado). Como tal apostaria primeiro na ligação por comboio de Braga a Guimarães e construção dos 100 m de linha em NIne para permitir a ligação directa a Viana e Barcelos (com a necessária electrificação), depois no metro de Braga e depois na linha B1 para Esposende (eventualmente pensaria em construir um pequeno eléctrico turístico ao longo da faixa litoral de Esposende a exemplo do que liga SIntra à Praia Grande).
    A estação de TGV de Braga deverá ser pensada de raiz para ter uma zona destinada ao Check-In dos passageiros com destino às partidas do ASC, tal como acontece em várias estações de comboio europeias.

    ResponderEliminar
  7. Para que essa rede ficasse mesmo completa era criar uma linha Braga -> Vila Verde -> (túnel) -> Ponte da Barca/Arcos de Valvez -> Ponte de Lima -> Viana do Castelo. Mas o país não nada em dinheiro por isso é mais uma ideia para a gaveta :(.

    A linha Guimarães -> Fafe também deveria ser reactivada.

    ResponderEliminar
  8. É mais que sabido, e já toda a gente o sabe, que a melhor solução, a solução mesmo-mesmo, mas mesmo-mesmo boa, é a ligação Guimarães-Braga (ou Braga-Guimarães) via Teleférico. O projecto "está na gaveta" há anos e está na altura de o reactivar, ou seja, tirá-lo da maldita gaveta que tantos projectos esconde!

    Teleférico Guimarães-Braga (ou Braga-Guimarães) já!

    ResponderEliminar
  9. Snitrom:
    A linha Guimarães-Fafe, neste momento, está por baixo de milhares de habitações, estradas, parques de lazer e de desporto, e uma ciclovia, que é muito boa!

    É um enorme erro reabilitar essa linha. De carro, Guimarães-Fafe são no máximo 10 minutos. De BUS, pouco mais...

    Mas se construissem um Teleférico!!! Aí sim, seria lindo!

    ResponderEliminar
  10. Aerodromo em Braga??? Ahauhuahu

    Isto atinge os píncaros do rídiculo. Não têm mais nada que fazer???

    Quando se renovou totalmente o Aeroporto do Porto, que parece um lugar fantasma pois não tem trâfego nenhum, vêm estes iluminados falar em novo aerodromo em Braga?? Em Braga, cidade que fica a 40 mns de carro do Porto.

    Quem vem de avião para Braga??? Querem construir um aerodromo para cursos de paraquedismo??

    Vão trabalhar!

    ResponderEliminar
  11. Eu sou de Braga mas estou completamente ao lado do "Parolista de Guimarães" posts tão ridiculos têm que ser mesmo levados para a tanga. E que tal em vez de teleférico aumentarem os trilhos ao elevador do Bom Jesus??

    Aeródromo em Braga ahuahuhau Gente que não tem mesmo mais nada que fazer

    ResponderEliminar
  12. Na verdade, parolista e anónimo, só revelam a vossa profunda ignorância sobre aeroportos de low cost. Se acham que o do Porto é um... nunca viram o de Girona, Barcelona. Tem 3-4 Milhões de passageiros por ano e é extremamente pequeno e barato. O básico.

    ResponderEliminar
  13. Oh Jam, rapaz. Tu vives em que mundo???

    A província de Girona conta com cerca de 687.331 habitantes. Faz parte da Catalunha cuja a capital, Barcelona, é dos principais destinos túristicos no mundo. Espanha é dos países que recebe mais turistas por ano.
    Sendo assim faz sentido um aeroporto para voos low cost próximo de Barcelona.

    Agora alguém me explica a necessidade de se ter um aerodromo na periferia do país mais periférico da Europa??? Basta ir-se a Vigo que já muitos lá nem sabem onde fica Braga.

    Acordem para a realidade e preocupem-se com o que é de facto importante.

    "Aerodromo em Braga" é conversa de gente que nunca saiu de Braga

    ResponderEliminar
  14. Já agora fica aqui o site do Metro Mondego (Coimbra). www.metromondego.pt

    ResponderEliminar
  15. Portugal tem sobrecapacidade aeroportuária instalada. Nem a Ota se justifica, quanto mais um "aeroporto" no Minho. Justifica-se um aeroporto auxiliar em Lx para tirar as Low Coast da Portela e a redistribuição do tráfego intercontinental pelo Sá Carneiro, Porrtela e Faro. Para quem está em transfer tanto lhe faz ir a Lisboa, ao Porto ou a Faro. O problema da portela é umbiguismo. O de outros lados é provincianismo.

    ResponderEliminar
  16. Anónimo, o "próximo de Barcelona" são 100 km. Sim, Girona fica a 100km de Barcelona, obrigado por confirmares a tal ignorância de que falava. Só a nossa pequenez nos faz distorcer as distâncias e pensar que Lisboa - Porto é uma distância grande...e também a ti ao pensares que os 50/60 km de Porto - Braga até é um bocado longe...e pensares no tal pequeno aeroporto como algo de Braga, para Braga. Seria algo para o Litoral Norte, anexado e dependente do Porto.

    É também curioso que fales de Vigo. A Galiza consegue ter duas grandes cidades, com grandes e bem estruturadas periferias (se não contarmos com Santiago, também, por exemplo). Isso não é por acaso... como também não é por acaso que nós estamos como estamos.

    A norte do Porto é fundamental desenvolver-se o triângulo Porto-Braga/Guimarães-Viana do Castelo.

    De qualquer forma, anónimo, creio que falhas em perceber que estamos a falar em coisas a longo prazo.

    ---

    António Alves, «Portugal tem sobrecapacidade aeroportuária instalada». É provável que sim, mas a criação do aeroporto de Beja revela uma intenção de descentralização de aeroportos. Os voos internos são ainda muito poucos e numa dinâmica de low costs seria interessante se houvesse dinamização nesse sentido, mas, como é óbvio, é necessário algum investimento. Investimento que em aeroportos desse género é muito marginal, como disso é exemplo o de Beja. Com pouco dinheiro vão adaptar o aeroporto militar. Daí que a sobrecapacidade possa ser antes um subaproveitamento. Mas não parece haver uma política muito clara sobre nada...

    ResponderEliminar
  17. "Na verdade, parolista e anónimo, só revelam a vossa profunda ignorância sobre aeroportos de low cost." - Jam

    Caríssimo Jam,
    Você deve ter um grave problema de interpretação ou então anda a ter visões enquanto lê os comentários ou então bebeu ou então coiso...

    Onde é que eu falo, nos comentários que escrevinhei, sobre aeroportos, aeródromos e afins? Eu não disse nada! Só defendo a solução do teleférico, que me parece ser a mais económica e bonita.

    Se não, vejamos:

    Um possível teleférico entre Guimarães e Braga, não só é viável e bonito, como é viável e bonito. Aproveitava-se o já existente Teleférico da Penha, puxavam-se um pouco mais as cordas, compravam-se mais umas 5 cadeirinhas, e lá iamos nós, felizes e satisfeitos, de Guimarães a Braga, enquanto apreciavamos e nos deleitavamos com a beleza inconfundível da Vila Romântica das Taipas!

    Para além de ser bastante útil, seria muito bom para o Turismo!

    ResponderEliminar
  18. Oh Jam rapazinho...antes de saberes onde fica Girona no mapa já eu tinha morado em bracelona. E o teu provincianismo é tanto que para ti 100kms é uma distância "grande" rsrsrs. Só mesmo alguém que nunca sai de Braga pode dizer um disparate tal.

    Gastam-se energias em discursos tão diparatados como aerodromo em Braga e no desenvolvimento de "triangulos de 4 lados". Acordem para a realidade. Já não acham que houve despesismo que chegue neste país???

    ResponderEliminar
  19. «Oh Jam rapazinho...antes de saberes onde fica Girona no mapa já eu tinha morado em bracelona. E o teu provincianismo é tanto que para ti 100kms é uma distância "grande"»

    Sim, foi esse argumento que utilizei, quando você considerou que um pequeno aeroporto em Braga seria só para Braga, ignorando todo o contexto regional. Você considerou a distância entre Braga e Porto grande...eu contra-argumentei com isso. A tentativa de usar esse argumento, que eu trouxe, contra a minha argumentação é algo rídicula...

    «"triangulos de 4 lados". »
    Braga e Guimarães ficam a 10/15 minutos de distância... O que fiz foi considera-las como um único centro de desenvolvimento, algo que até já foi feito com o modelo implantação da UM.

    «Já não acham que houve despesismo que chegue neste país??? »

    Acho que houve mau investimento, sim. Investimento desestruturado, sem uma política de fundo.

    ResponderEliminar
  20. «E o teu provincianismo é tanto que para ti 100kms é uma distância "grande"»

    Ainda em relação a isso... em relação à Ota tenho defendido várias vezes que a distância entre Ota e Lisboa é absolutamente normal, ao contrário das vozes anti que se levantam no país, no tal sentido de distorção de distâncias que eu anteriormente referi.

    ResponderEliminar
  21. Ja disse isto no www.mesadaciencia.blogspot.com, o que Braga precisa e de uma ligacao rapida e eficiente para o aeroporto do Porto.

    ResponderEliminar
  22. Vi agora que esse Jam tem 21 aninhos..andei aqui a perder tempo a argumentar com um miudo. Vive uns anitos, vai trabalhar e depois aparece...

    ResponderEliminar
  23. Caro anónimo (15.58),

    O teu último comentário é lastimável e denota uma infeliz falta de argumentos. Apesar de não concordar em muitos aspectos com o Jam, devo dizer-te que quando não se tem argumentos ataca-se a pessoa.

    Na tropa é que a antiguidade é um posto... E, felizmente, a tropa já nem é obrigatória...

    ResponderEliminar
  24. Era muito bom para a nossa região que de facto alguns desses projectos se conretizasse. Sinceramente, ja ficava feliz com a linha guimaraes-braga- barcelos e com a requalificação Nine - Viana. No entanto, considero esses projectos bastante utópicos. Não estou a ver nenhum governo a mandar construir novas linhas, e logo no Minho (a exepção do AVE, claro). Todos nós sabemos que primeiro, esta Lisboa, dps Lisboa e dps talvez venha o Porto. Mas como agora a margem sul é um deserto, talvez olhem mais para nós. Só num contexto de regionalização é que esses projectos entrariam realmente em debate. Para terminar, confesso que estou apreensivo com a estação de Braga do AVE..

    ResponderEliminar
  25. Isto vem um bocado (um grande bocado) atrasado mas não quero deixar de dizer umas coisas importantes. Primeiro, que para isto não se quer experiência, quer-se capacidade para exposição de múltiplas hipóteses. Eu até acredito que isto deve ser pensado por cabeças mais novas, pois as dos velhotes já não se abrem à evolução. Isto para responder ao Sr. Anónimo que fala lá em cima.
    Quanto à ideia do teleférico Braga-Guimarães, é engraçado sim senhor. Mas o que interessa é que uma ligação sobre carris há-de ser feita, quer parolistas queiram, quer não. Pois ela é mesmo precisa!

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores